quinta-feira, 13 de junho de 2013

Walker, Israel e os Lagartos do Espaço!



1. Argumento de Autoridade: a conclusão se sustenta pela citação de uma fonte confiável, que pode ser um especialista no assunto ou dados de instituição de pesquisa, uma frase dita por alguém, líder ou político, algum artista famoso ou algum pensador, enfim, uma autoridade no assunto abordado. A citação pode auxiliar e deixar consistente a tese.
 O argumento de autoridade é dos mais usados por quem não tem razão:

Fulano disse -----» Fulano é famoso -----» Então é verdade!


Os inimigos de Israel e do seu povo usam muitas vezes este argumento - porque não têm outro. 

Recentemente tivemos o caso da escritora Alice Walker, autora do best-seller A Cor Púrpura. Feminista, racista, antissemita, loonie-lefty-new-age, Walker convive mal com a liberdade e a democracia, e por isso teve o atrevimento de querer proibir Alicia Keys de ir actuar a Israel.

Com o raciocínio tortuoso típico desta gente, a escritora teve o despudor de puxar a carta racial e "lembrar" Keys dos tempos da segregação racial nos Estados Unidos, para os comparar com a situação em Israel. Segundo a escritora, Alicia Keys, por ser negra, tem responsabilidades acrescidas em questões raciais (!!!!!!!!!!).

Felizmente a jovem cantora não foi nestas cantigas preconceituosas, estúpidas e formatadas, e vai mesmo actuar em Israel.

Já temos aqui explicado e exemplificado sobejamente, que em Israel não há nenhum tipo de discriminação, seja racial, religiosa ou outra. Israel alberga uma vasta população árabe. Parte dessa população é abertamente hostil e vive em guerra demográfica e de agitação contra o país. Outra parte da população está integrada na Sociedade israelita e tem livre acesso aos direitos dos outros cidadãos. 

Já na «Palestina» a presença de israelitas é proibida, além de que o lançamento de mísseis, os ataques bombistas, os atiradores furtivos e as guerras contra Israel, são uma constante. A hostilidade do Mundo Árabe e Islâmico contra os Judeus vem desde o tempo em que os Árabes invadiram Israel. Como os Judeus não quiseram converter-se, foram sujeitos a massacres e, na melhor das hipóteses, ao pagamento do tributo que o Islão impõe aos infiéis, a famosa jizya. Para o Islão,terra conquistada será sempre islâmica. É por isso que, nesta vaga de Guerra Santa contra os infiéis, nas ruas do mundo islâmico já se pede a «libertação» da Península Ibérica, o Al Andaluz. A seguir virá o almejado Califado Global:




No Mundo muçulmano a perseguição aos judeus é igualmente feroz.  Neste mapa podemos ter a  noção do que tem sido o extermínio de judeus em países árabes desde a auto determinação do moderno Estado Judaico:


Mas para quem odeia Os Estados Unidos, Israel, o Ocidente, a Democracia e o Mundo Livre em geral, contra argumentos não há factos. Alice Walker odeia, e pronto!

Vale a pena saber um bocadinho acerca dela. Dentre o muito que se poderia dizer, este artigo, do National Post, mostra bem o que vai na cabeça sombria desta pobre mulher:

Jonathan Kay: Onde o ódio a Israel se cruza com a teoria dos lagartos Espaciais
Na revista Commentary, Jonathan Tobin criticou a 92nd Street Y em Nova York - uma "venerável instituição judaica", como descreveu Tobin - por ter recebido a novelista premiada com um Pulitzer - Alice Walker - num diálogo com Eve Ensler, autora de Monólogos da Vagina. Muitos artistas e celebridades expressam solidariedade com a causa palestiniana. Mas, como observou Tobin, poucos vão tão longe como Walker, que se recusou a deixar A Cor Púrpura ser traduzido para o Hebraico, e visa proibir artistas israelitas de visitar os Estados Unidos.
Tobin argumenta que os defensores do evento a 92nd Street Y fazem uma distinção intelectual entre o activismo anti-israelita e o anti-semitismo tradicional - e no seu blog argumentou segundo essa premissa. Mas é importante notar que mesmo que se aceite essa distinção intelectual, algumas das recentes reflexões de Walker sobre a "conspiração para o domínio do Mundo" desqualificam-na ainda mais como pessoa fiável.
Na verdade, são afirmações incrivelmente ofensivas. E os  seus milhões de fãs, incluindo aqueles que não se importam nada com Israel, podem estar interessados em saber mais sobre as opiniões da autora.
No início deste ano, Walker escreveu um post no seu blog pessoal, intitulado "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!: Eu não diria melhor." Estudantes de teorias da conspiração vão reconhecer "Raça Humana, de Joelhos!", como o título de um livro de 2010 da autoria do britânico paranóico David Icke, antigo jogador de futebol profissional que passou as últimas duas décadas promovendo a ideia de que o planeta Terra é secretamente controlado por gigantescos lagartos inter-dimensionais que tomaram forma humana (a Rainha Isabel de Inglaterra e Bob Hope são dois dos exemplos que ele forneceu) e operam por via terrestre através de uma sociedade secreta chamada "Fraternidade Babilónica", cujos desdobramentos incluem a CIA e a Mossad.

'David Icke fez-me lembrar Malcolm X", acrescenta ela - especialmente na maior qualidade de Malcolm X, a 'coragem '.

(Nota: Para quem não sabe, Malcolm X foi um supremacista negro e islâmico norte-americano).

De acordo com a Sra. Walker, "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!" de David Icke é "incrível", "impressionante", "mágico", "profundo" e "a aventura leitura final." Diz ainda a escritora que ao ler a obra "foi capaz, pela primeira vez, de ver, e, principalmente, imaginar e compreender, a raiz do mal incrível que tomou conta do nosso planeta ".

"David Icke fez-me lembrar de Malcolm X", acrescenta ela - especialmente a maior qualidade de Malcolm X, a  "coragem".

Uma das teorias de Icke é que os invasores reptilianos (o "Annunaki") vieram à Terra para colher um tipo especial de ouro - que, aparentemente, podem "carregar" os seus sistemas nervosos-lagarto em vários graus de magnitude.
Esse detalhe impressionou Alice Walker, que vê as comparações com própria história colonial da Terra: "Eles [os lagartos] queria ouro e queriam que os escravos o escavassem para eles .  Meu Deus, o que é que isto nos lembra? Só estou perguntar ... "

Na verdade, a idaia de uma raça "alienígena" que procura governar o mundo para monopolizar a oferta de ouro não é original de David Icke. É um tema comum em todos os tipos de literatura conspiracionista - incluindo os Protocolos dos Sábios de Sião, que apresentaram os seus autores  imaginários, judeus,  declarando: "Nas nossas mãos temos o maior poder da nossa Era - Ouro: Em dois dias, podemos juntar nos nossos armazéns qualquer quantidade. "
 (Nota: Para quem não sabe, os Protocolos dos Sábios do Sião são uma obra de ficção, em que os Judeus são apresentados como pérfidos dominadores do mundo. É a suprema obra da literatura antissemita).

Como se vê, o "incrível", "impressionante", "mágico", "profundo" David Icke é um estudante de longa data dos Protocolos: Ele citou os Protocolos respeitosamente dezenas de vezes nos seus escritos - inclusive na "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!". Icke afirma que não tem certeza se os protocolos são genuínos, ou mesmo se eles são sobre os judeus (ele tem, por vezes argumentado que os Protocolos são realmente sobre os Illuminati, mas é claro que na sua mente, um grupo termina onde começa o outro). Em última análise, Icke afirma na página 127 de "Raça Humana Não fique de Joelhos!", que os protocolos "contaram a história detalhada dos últimos cem anos antes de acontecerem."

David Icke

Icke está extremamente preocupado com as origens genéticas de Judeus, a fim de traçar o seu papel (como ele o vê) como lagartos-homens-babilónicos-controladores do universo que se infiltraram na raça humana, através de casamentos do Oriente Médio. Depois de ter sido visado por acusações de anti-semitismo no passado, Icke prefere usar o termo "Rothschild-sionista " em vez de "judeu". (A própria noção de História dos Judeus, tal como a conhecemos, escreve Icke, é "uma mentira fabricada para servir aos interesses da Casa de Rothschild e sua rede familiar Illuminati", que, segundo ele nos adverte, procura estabelecer uma ditadura fascista / comunista global" ).

Grandes extensões de "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!" consiste em listas de empresas, ONGs e organizações de media que Icke diz que são controlados pela "rede Rothschild-sionista".

Na verdade, "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!" é cheia de histórias dos desprezíveis "Rothschild-sionistas", incluindo longas secções dedicadas aos males que infligiram aos palestinianos. Presumivelmente, este é um dos aspectos do livro que fez dele uma referência para a Sra. Walker.

Grandes extensões de "Raça Humana, Não Fique de Joelhos!" consistem em listas de empresas, ONGs e organizações de media que Icke diz que são controlados pela "rede Rothschild-sionista" e seus "satânicas praticantes de magia negra." Os "Rothschild-sionistas" estavam por trás da ascensão de Hitler e Stalin, argumenta, assim como do assassinato de Lincoln. Há também afirmações ainda mais bizarras, como onde Icke afirma que "a monarquia Saudita é uma fachada falsa para a Casa de Rothschild e eles não são" árabes "ou "muçulmanos de todo. Eles são Rothschild-sionistas que podem ser rastreados até um judeu ... no ano 851 AD ".

Eu poderia fornecer centenas de outros exemplos deste um livro só - um dos dezanove que Icke escreveu - todos cheios exactamente esse tipo de ódio, um absurdo alucinógeno. E isso diz muito sobre Alice Walker, pois que ela achou esse material inspirador, em vez de o  repelir como absurdo que é.

Numa sociedade livre, David Icke deve ser livre para dizer tais coisas. E Alice Walker deve ser livre para louvá-lo por isso. Mas não vamos fingir que qualquer uma destas duas pessoas são meros adversários do "sionismo": É evidente que é uma forma muito mais sombria e repugnante de pensar que está em jogo aqui. E é claro por que uma instituição ilustre como a 92nd Street Y deve querer dar um forum para quem o exibe.

National Post

Por estranho que possa parecer, a Internet é hoje um imenso pasto para os consumidores destas absurdas teorias da conspiração, sem qualquer tipo de respaldo a não ser a LOUCURA de quem escolhe acreditar nelas. Qualquer indivíduo sem cultura acede por exemplo à versão vídeo desta obra, e molda a sua visão do mundo a partir dela:

 
A melhor parte é capaz de ser a da mulher que inadvertidamente teve um affaire com um homem-lagarto, que se entusiasmou durante o acto e sem querer mudou de humano para aparência de lagarto! Aos 1:28. Ou a Ciência, a Razão, a Cultura, ou a Teoria dos Lagartos Sionistas do Espaço. De que lado está você?

3 comentários:

  1. O David Icke, tal como muitos outros teóricos da conspiração, por loucura ou esperteza, sabem misturar factos e a própria imaginação para criarem sedutoras «teorias», que psicologicamente dão aos seus fiéis a sensação de fazerem parte de um clube restrito dos que sabem da «verdade».

    O problema é que as afirmações desta gente não têm nenhuma evidência que as sustente.

    I.B.

    ResponderEliminar
  2. Esses gajos devem ler livros de UFO's e também de "deuses astronautas", como Erich Von Daniken, Claude Vorilhon Rael, Zecharia Sitchin e outros. Mas depois não dominam o assunto, misturam tudo, e formam as teorias dos lagartos espaciais. Daniken, um dos principais defensores dos contactos entre extraterrestres e os povos da antiguidade não acredita nessas teorias de "lagartos espaciais".

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.