sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Cocó na panela: uma metáfora!

Continua a tragédia dos norte-africanos que aportam a Lampedusa. Mas só um lado da história é mostrado. A Imprensa «séria» prefere ignorar que os lampedusanos cegam a casa e descobrem que lhes obraram nas panelas onde comem - uma metáfora do futuro da Europa. É claro que os tontos do costume não se darão ao trabalho de ler este artigo e conhecer a realidade por detrás da propaganda multiculturalista que quer fazer de nós, europeus, os culpados!
Cocó no altar também é uma boa metáfora, aliás.

Um exemplo de delírio e doutrinação anti-Ocidente nos comentários a esta notícia:

A Europa explorou durante séculos o continente africano - agora recusa aceitar quem foge da fome e guerra -.grande europa - eu vi este documentário de ontem - como vejo muitas vezes notícias de naufrágios às dezenas e desde pelo menos há 10 anos - a EU é muita lenta a saber e a reagir - Chamam-lhe "O Guantánamo do Mar" já que os que apanham são presos e torturados incluindo com taser - grilhetas e pancada - aliás como fizeram soldados (as) americanos no Afeganistão - os Guantânamos dos países que fazem guerra a quem querem para sacar recursos naturais e não deixam nada - a exemplar europa e USA e mundo ocidental em geram - saca e foge

Felizmente há quem ponha os pontos nos ii:

Maria Celeste fala de cor sem perceber patavina do que fala. É mentira que a Europa tenha explorado durante séculos o continente Africano, Grande parte do continente africano só foi colonizado no final do Século XIX e na maior parte foi descolonizado logo a seguir à WWII. Na maior parte a colonização durou menos de um século e houve partes que nem chegaram a ser colonizadas. As poucas infrastruturas que esses países têm foram deixadas pelos colonizadores e as novas infrastruturas que foram feitas foram-no para facilitar a exploração das riquezas de África que aconteceu depois da descolonização. Ao contrário do que a Maria Celeste pensa, a Europa é um continente pobre em recursos naturais, ricos em recursos naturais são os países de onde vêm esses imigrantes

 

Uma Ilha em Revolta: uma janela para o futuro da Europa 

por Enza Ferreri

Seria justificada a perplexidade com a escolha do Papa Francisco, Lampedusa, uma pequena ilha ao largo da costa da Sicília e da Itália - na verdade, da Europa - como o destino da sua primeira visita oficial, que teve lugar em 8 de Julho. Não é uma capital mundial, não é um lugar importante na geopolítica do globo.
O que é significativo e simbólico em Lampedusa é a sua geografia: A pequena ilha, com uma população de 5000 habitantes, está posicionada no meio do Mediterrâneo, perto do mundo muçulmano, mais perto da Tunísia do que da Sicília.
Estas duas condições explicam o que está a acontecer em Lampedusa há mais de uma década, e que pode ser uma miniatura de toda a Europa num futuro não muito distante.
Desde pelo menos 2001, Lampedusa tem sido o ponto de entrada principal na Europa de imigrantes ilegais, a maioria da África. Dezenas de milhares de pessoas foram chegando ao longo dos anos, com um pico durante a "Primavera Árabe." Em 2011, de acordo com um relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, "aproximadamente 60 mil imigrantes ilegais chegaram a Itália vindos do norte da África, principalmente da Tunísia e Líbia. Cerca de 50 mil deles vieram para Lampedusa."
Mais de 10.000 receberam autorizações de residência por razões humanitárias, porque o governo italiano declarou estado de emergência humanitária em Fevereiro de 2011, posteriormente prorrogado até Dezembro de 2012.

Em Lampedusa, o centro de acolhimento temporário de imigrantes, onde os forasteiros foram acomodados e enviados para outros locais onde poderiam pedir asilo, tornou-se tão superlotado, que milhares de pessoas tiveram de dormir ao ar livre e em abrigos fornecidos pela paróquia local e Lampedusanos comuns.
Os imigrantes, entre os quais estavam criminosos foragidos, receberam vistos temporários, e, em seguida, foram transferidos gradualmente para a Itália continental e outros países da UE, mas houve muitas vezes em que o número de recém-chegados foi maior que o dos habitantes.
Nessas ocasiões, quando os nativos estavam em menor número, houve casos de mulheres locais que tiveram de andar acompanhadas em todos os lugares para onde iam, de modo a estarem a salvo da atenção indesejada dos imigrantes. Saquearam lojas, os  apartamentos tiveram as portas arrombadas, e pessoas chegavam a casa e encontravam tunisinos sentados na mesa de jantar a comer. Após a partida dos invasores, algumas famílias descobriam fezes dentro das suas panelas.
A ilha tornou-se o que um jornal chamou "um enorme acampamento de imigrantes."
Talvez à espera de encontrar uma recepção de hotel e sem se ralarem com a crise que estavam a gerar na pequena ilha, os imigrantes ilegais reclamam, como no vídeo abaixo, descrevendo o que encontraram em Lampedusa como "vergonhoso" e que "a recepção é zero" como se estivessem a fazer uma crítica de hotéis:



Este vídeo confirma o que o prefeito de Lampedusa, Bernardino De Rubeis, disse:  "Temos aqui jovens tunisianos que arrogantemente querem tudo imediatamente, assim como criminosos, prontos para porem em perigo as nossas vidas e as deles". E  acrescentou: "Nós estamos em guerra, e as pessoas vão reagir. Há pessoas aqui que querem ir para as ruas armadas com paus ".
O centro de recepção foi incendiado duas vezes pelos migrantes, durante motins de presos em Fevereiro de 2009 e em Setembro de 2011. Os media culparam quem pelo incêndio? O governo italiano, o governo provisório da Tunísia e a UE; todos excepto os autores reais.
Em Abril de 2011 os ilegais incendiaram uma casa de hóspedes onde estavam hospedados, financiada por uma organização de caridade, e atiraram pedras contra a polícia.Sem o centro de recepção, tiveram que ser acomodados em hotéis e aldeamentos turísticos, que são praticamente os únicos recursos económicos da ilha.
Os estrangeiros dominam a ilha de 5.000 habitantes e exploram a sua hospitalidade trazendo consigo índices anormalmente elevados de violência e crime. Lampedusa é uma micro-representação do que vai acontecer com a Europa, se os actuais índices de imigração muçulmana e as tendências demográficas europeias continuarem. Quando a proporção de nativos e migrantes for a mesmo na Europa, como tem sido em Lampedusa, assim será. A reacção dos ilhéus, uma pequena guerra civil, também poderá representar uma previsão de eventos futuros em todo o continente.
No auge do fluxo de imigração, confrontado com uma crise sem precedentes e sem dispositivos para lidar com ela, o povo de Lampedusa usou métodos "acção directa".
Pararam o barco de patrulha da Guarda Costeira, carregado com mais "resgatados" norte-africanos. As mulheres ocuparam o porto e as docas, acorrentaram-se, viraram recipientes de lixo e bloquearam a estrada. Pescadores puxaram barcos para a entrada do porto. "Ninguém entra mais aqui!", gritaram as mulheres do cais, onde bandeiras patrióticas esvoaçavam. "Liberdade!" gritaram, enquanto levantavam as bandeiras: "Estamos cheios!"
A ilha caiu no caos. Uma revolta urbana ocorreu, com violentos confrontos entre centenas de tunisinos, a polícia e os moradores. Muitos ficaram feridos. Três Lampedusanos tentaram assaltar o prefeito, que se entrincheiraram no seu escritório com um taco de basebol para auto-defesa, enquanto dezenas lá fora protestavam contra ele e os imigrantes, que perambulavam pelas ruas, depois de terem queimado o centro de recepção.
Ilhéus atacaram jornalistas e equipes de TV. Tunisinos e Lampedusanos atiraram pedras entre si após ilegais terem ameaçado explodir botijões de gás perto de uma bomba de gasolina.
A realidade é que esta foi uma crise pseudo-humanitária: os ilegais esmagadoramente não eram refugiados, mas os migrantes económicos. O que por anos foi chamado "emergência", continua. Todos os dias há novas chegadas.
O número de imigrantes para a Itália do Mediterrâneo está a crescer. Nos primeiros 6 meses de 2013, 7.800 deles chegaram às costas do sul da Itália, em comparação com 3500, nos primeiros 6 meses de 2012. Cerca de três quartos desembarcaram em Lampedusa vindos da África, o resto desembarcou na costa sul-oriental da Itália em Apulia, na Grécia e na Turquia.
O Papa, infelizmente, parece ter ido para Lampedusa a fim de fazer todo o mundo sentir-se culpado com os imigrantes, os perdidos no mar e os sobreviventes. Ele condenou a "globalização da indiferença", falou sobre "a fronteira dos desesperados" e as tragédias de pessoas que cruzam o mar para buscar uma vida melhor.
O seu sermão foi recebida com reacções mistas. Enquanto o primeiro-ministro da Itália, Enrico Letta, prometeu colocar em prática o apelo do Santo Padre, através de mais cooperação europeia (nada de novo aqui, a Itália tentou sem sucesso há anos passar a bola para a Europa), a direita política não reagiu assim.
Fabrizio Cicchitto, do partido de Silvio Berlusconi, o PDL, destacou que a pregação religiosa é uma coisa, mas a gestão de um problema tão complexo e até mesmo intratável como a imigração ilegal no país - agravada pela presença de grupos de criminosos - é outra.
Erminio Boso da Liga do Norte (dita de "extreama-direita) foi mais franco: "Não concordo com o Papa. Peço-lhe a ele que dê terra e dinheiro aos extra-comunitários [imigrantes de fora da União Europeia]. Eu estou a defender a minha própria terra. "
O blog italiano Diavoli Neri fez a interessante observação de que a lei do Estado da Cidade do Vaticano declara que aqueles encontrados no seu território sem autorização podem ser expulso, sujeitos a multa ou prisão. Outra evidência, conclui-se, que o sermão papal, como tantas vezes, foi bonito e comovente, mas as leis do governo são outro assunto.
A rádio italiana transmitiu mensagens iradas do seu público: "Eu esperava algumas palavras [do Papa] para aqueles que foram mortos e estuprados por eles [os imigrantes]"; "Como católico eu estou indignado. Eu nunca ouvi desde ou de outro Papa preocupação com os massacres que eles cometem", "Nós temos que impedi-los de vir para aqui. Vamos fechar tudo e começar a pensar como uma macro-região ".
Grande parte do debate sobre a imigração em Itália é sobre a possibilidade de se dar cidadania a crianças ítalo-nascidas filhas de imigrantes! Uma perspectiva preocupante, considerando que um terço dos chamados "novos italianos" são muçulmanos.
Particularmente vociferante em apoio da proposta é o ministro da Integração, a congolesa Cecile Kyenge, que afirma que esta naturalização seria "reconhecer um caminho para a integração dos pais."
Os italianos devem olhar mais de perto a experiência de países com uma longa história de imigração do Terceiro Mundo, como a Grã-Bretanha, onde os imigrantes muçulmanos de segunda e terceira geração, são mais devotos, ortodoxos e radicalizados do que os seus pais e avós. Algo semelhante acontece na Alemanha. Ao invés de um "caminho para a integração", testemunhamos um "caminho para a islamização".
Ou Kyenge não sabe o que está a acontecer no resto da Europa - onde as políticas que ela recomenda estão a arruinar países inteiros - ou ela sabe-o muito bem, caso em que ela é uma mulher perigosa.
Isso já está a ocorrer também na Itália: entre as centenas imigrantes de segunda e terceira geração que deixaram a Europa para lutar ao lado dos rebeldes jihadistas na Síria há 45 a 50 que viveram na Itália.
Em conclusão, a lição da experiência Lampedusa é que há um limite para o que as populações indígenas conseguem suportar. Embora seja verdade que a reação mais comum dos europeus nativos à invasão não-militar do Terceiro Mundo até agora tem sido deixar a cidade ou país onde ocorre esta colonização, eles não poderão continuar a fugir para sempre. Mais cedo ou mais tarde, haverá um ponto de ruptura.
Enza Ferreri é uma autora e jornalista londrina de origem italiana. Tem sidocorrespondente em Londres para várias revistas e jornais italianos, incluindo Panorama, L'Espresso e La Repubblica. Facebook: SAVE THE WEST!

Patrulha islâmica impõe a Sharia nas ruas de Londres:
 

1 comentário:

  1. Na televisão o que passou foi os habitantes de Lampedusa muito solidários. Quanto engano...

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.