sábado, 5 de outubro de 2013

Colonialismo do pénis

O Conselho da Europa votou contra a circuncisão. E Israel protestou.
Após a ofensiva contra a carne kosher é agora a circuncisão alvo de ataque.
Confrontados com estas duas ofensivas que desafiam a prática do judaísmo na Europa, somos confrontados com uma vontade (mal disfarçada) de se livrarem dos judeus na Europa! Uma nova limpeza religiosa toma corpo, sob falsos pretextos de "rastreabilidade" da carne ou do "sofrimento" (que a criança não tem), não visa outro resultado que não empurrar os judeus para fora da Europa.
A Assembleia Parlamentar das organizações inter-governamentais pan-europeias aprovou uma resolução designando sem distinção,a circuncisão masculina e a mutilação genital feminina como "uma violação da integridade física das crianças". De acordo com um líder judeu sénior: "a guerra contra a circuncisão e a remoção do Kashruth representam uma nova forma de anti-semitismo".
Os Judeus Europeus estão a travar uma nova batalha pelo direito à observância do ritual da circuncisão em todo o continente? A Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, que representa a maior parte dos Estados do continente europeu, aprovou uma resolução condenando a circuncisão ritual como "uma violação da integridade física das crianças, pelos padrões de direitos humanos".
No final de um debate em Estrasburgo, a Assembleia Parlamentar decidiu, por esmagadora maioria, que a circuncisão masculina e a mutilação genital feminina, colocadas no mesmo plano, são proibidas, a menos que a criança tenha mais de 15 anos e tenha dado o seu consentimento a esta prática. 
O Conselho aprovou a resolução com base num relatório da Comissão dos Assuntos Sociais, Saúde e Desenvolvimento Sustentável, por uma votação de 78 a favor, 13 contra e 15 abstenções. 
O Conselho pediu que os Estados-Membros "definam claramente as condições médicas, de saúde e de toda a ordem para garantir que o conteúdo dessas práticas, como a circuncisão de meninos, não seja medicamente justificada". 
Crescem os temores de uma onda sem precedentes de legislação a este respeito. 
O Conselho apela ainda nos estados para "iniciar o debate público, com base no diálogo inter-cultural e inter-religioso, para alcançar o mais amplo consenso possível sobre os direitos da criança e a protecção contra violações da sua integridade física, pelos padrões de direitos humanos" e "a adopção de medidas provisórias específicas, nos termos legais, para garantir que determinadas operações e práticas não ocorram antes de a criança tenha idade para ser consultada". 
De acordo com a JTA (Agência Telegráfica Judaica, a grande maioria rejeitou cinco propostas que procuraram remover ou editar as referências à circuncisão masculina. Por exemplo, muitos membros deste Parlamento apoiaram uma emenda que retirou a referência aos "direitos religiosos dos pais e famílias". 
O Conselho da Europa é uma organização inter-governamental pan-europeia , cujas resoluções não são juridicamente vinculativas e não podem forçar os Estados membros a cumprir as suas resoluções, mas as organizações judaicas europeias temem que esse progresso, inicialmente puramente declarativo, seja visto como uma recomendação eficaz emitida como uma opinião de especialistas, no órgão mais importante do continente em termos de democracia e direitos humanos, o que poderia levar a uma onda sem precedentes para uma acção legal para proibir a circuncisão na Europa.
Grupos de representantes de comunidades judaicas protestam principalmente contra a recusa cega de estabelecer qualquer distinção entre a circuncisão masculina, o que é percebido como legítimo, e não só entre os judeus, e a mutilação genital feminina, que é considerada em quase todas as culturas, como uma clara violação do corpo e da dignidade da mulher, provocando uma oposição que ainda está a ser discutida em todas as organizações de direitos humanos. 
" A violação do direito das minorias religiosas "

  

O rabino Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência de Rabinos europeus, disse que, a curto prazo, uma vez que a resolução foi aprovada, os seus companheiros e ele próprio fosse capaz de atrair muitos membros do Conselho, sobre ele, e que esses membros estão a planear para pedir um novo debate considerar permitir a circuncisão masculina.

"A guerra contra a circuncisão e abate kosher é a máscara que esconde o novo anti-semitismo, e é uma violação da liberdade de culto para as religiões, de que todos os países europeus são, no entanto, os signatários", acusa o rabino Goldschmidt. "Embora não seja uma resolução vinculativa, incentiva o lado negro das forças que querem uma Europa
etnicamente limpa até o último judeu [Judenrein]".

  

Protesto na Alemanha contra o colonialismo alemão praticado no pénis
A luta pelo direito de praticar a circuncisão continua em vários países europeus, e ao longo do ano passado, as organizações judaicas e muçulmanas conquistaram uma importante vitória na Alemanha, onde a circuncisão foi, mais uma vez, autorizada depois de cinco meses de incerteza, uma vez que um Tribunal de Colónia tinha definido este ritual como "uma grave interferência contra a integridade do corpo humano".
O Parlamento alemão aprovou finalmente uma lei que protege o direito de circuncidar os meninos e garantir o direito dos pais de circuncidarem o seu filho, usando os serviços de um Moel certificado. Mas, ao mesmo tempo, nos países escandinavos, tem havido um crescente apelo à proibição desta prática.

"A circuncisão de crianças do sexo masculino é uma antiga tradição religiosa de duas grandes religiões, o judaísmo e o islamismo, e também é comum em alguns círculos cristãos", disse Yigal Palmor, porta-voz do Ministério Israelita daos Negócios Estrangeiros numa declaração na sexta-feira 4/10.

O Conselho da Europa foi encorajado "a agir sem demora para cancelar a resolução". Também foram rejeitadas as alegações de que os efeitos da circuncisão eram prejudiciais para as crianças, e criticou-se a comparação entre a circuncisão ritual e a "prática bárbara" da mutilação genital feminina, que "é uma ignorância crassa, na melhor das hipóteses, ou difamação e ódio anti-religioso, na pior".

A resolução europeia , de acordo com a imprensa israelita, "é uma agressão intolerável, tanto contra uma tradição religiosa venerável e antiga, que lançou as bases própria cultura e da civilização europeias, como contra a ciência médica moderna e as suas principais conclusões. Esta resolução lança uma mancha moral sobre a integridade do Conselho da Europa e reforça o ódio e as tensões racistas na Europa".

(...)
Via Israel-Europe
Por Kobi Nachshoni
Publicado em Israel Jewish Scene
ynetnews.com
Adaptação: Marc Brzustowski.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.