terça-feira, 15 de outubro de 2013

My Allah is better than yours!

Os cristãos de língua árabe usavam a palavra "Alá" para se referirem ao Deus da Bíblia, desde antes da invenção do Islão. Isso não significa, na realidade, a sua islamização ou dhimmitude, é apenas a palavra que eles usavam. Mas agora os supremacistas islâmicos da Malásia resolveram o problema... Proibir os cristãos da Malásia de usar a palavra é simplesmente uma afirmação de supremacia e um meio para manter os cristãos subjugados.
"Regras do Tribunal na Malásia determinam uso de 'Alá' como exclusivo para os muçulmanos"
  Reuters, 14 de Outubro

Ismail Haniyeh (left) greets Malaysian Prime Minister Najib Razak in Gaza City, January 22, 2013.

Ismail Haniyeh saúda o P.M. da Malásia, Najib Razak  (à direita) em Gaza, a 22 de Janeiro de 2013. Foto: Mohammed Salem/Reuters

    Putrajaya, Malásia - Um tribunal da Malásia decidiu na segunda-feira que um jornal cristão não pode usar a palavra "Alá" para se referir a Deus, uma decisão histórica sobre um tema que atiçou as tensões religiosas e levantou questões sobre os direitos das minorias no país de maioria muçulmana.
    A decisão unânime dos três juízes muçulmanos no tribunal de apelação da Malásia revogou uma decisão de 2009 por um tribunal inferior que permitiu que a versão do jornal The Herald em língua malaia usasse a palavra Alá - como muitos cristãos na Malásia dizem ter sido o caso durante séculos.
    "O uso da palavra 'Alá' não é uma parte integrante da fé no Cristianismo", disse o juiz Apandi Mohamed Ali na sentença . "O uso da palavra vai causar confusão na comunidade".
    A decisão coincide com tensões étnicas e religiosas intensificadas na Malásia depois da eleição polarizada de Maio, em que o voto decisivo que afastou a coligação no poder foi o dos eleitores urbanos, que inclui uma grande parte da minoria étnica chinesa.
    Nos últimos meses, o primeiro-ministro Najib Razak tem procurado consolidar o seu apoio entre a maioria étnica malaia, que são muçulmanos por lei, e garantir o apoio dos tradicionalistas.
O novo governo tem endurecido as leis de segurança e introduziu medidas para impulsionar uma política de açcão afirmativa da etnia malaia, revertendo reformas liberais destinadas a apelar a uma Malásia multi-étnica.
    O governo argumentou que a palavra 'Alá' é específica para os muçulmanos e que a decisão do então ministro em 2008, de negar a permissão para imprimir jornal, era justificada com base na ordem pública.
    Os advogados do jornal católico haviam argumentado que a palavra 'Alá' antecede o Islão, e que tinha sido amplamente utilizada pelos cristãos de língua malaia, na Malásia e na ilha de Bornéu, desde há séculos. Eles dizem que vão apelar contra a decisão.
    Os cristãos na Indonésia e em grande parte do mundo árabe continuam a usar a palavra, sem a oposição de autoridades islâmicas. Igrejas no Bornéu, nas províncias de Sabah e Sarawak disseram que vão continuar a usar a palavra.

    O jornal ganhou uma revisão judicial da decisão do ministro do Interior, em 2009 , provocando um apelo do governo federal ....

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.