sábado, 8 de fevereiro de 2014

O Grinch islâmico que roubou as Olimpíadas



Bode Miller, esquiador da equipa olímpica dos Estados Unidos.


Hoje é o primeiro dia de competições nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia. Ao contrário do que é habitual durante todos os Jogos Olímpicos - sejam eles de Verão ou de Inverno - não se vive aquela atmosfera quase natalícia, em que até a Imprensa generalista conta histórias de entrega, glória, ternura e graça, focando dos mais modestos atletas (como a famosa e improvável equipa de bobsleigh da Jamaica) aos mais sérios candidatos ao pódium.

Este ano os Jogos Olímpicos foram precedidos de tragédia. As jovens terroristas islâmicas conhecidas como "viúvas brancas" encarregaram-se de vestir coletes de bombas e mandar dezenas de pessoas inocentes pelos ares na cidade de Volgogrado, perto da estância de Sochi. Este ano os Jogos Olímpicos disputam-se sob a ameaça constante de tragédia, com ameaças de morte contra os atletas e contra o público, por parte dos islamistas. Uma voltinha pela nossa etiqueta Rússia dá um breve panorama da carnificina já efectuada.

Jogos Olímpicos sob apertado controlo policial forças armadas mobilizadas em máxima força, navios de guerra estacionados nas proximidades para evacuar atletas... o que é isto? Serão isto Jogos Olímpicos?

A Imprensa escrita, a TV, a Rádio, que por esta altura deveriam estar a deliciar-nos com as últimas dos treinos, das provas, da Aldeia Olímpica, da diversidade e da alegria do público, estão ocupadas a divulgar as constantes ameaças dirigidas contra as delegações olímpicas, com os emailes que chegam constantemente aos jornais, a ameaçar abater os atletas. 

Nem a mentalidade Ocidental compreende, nem a Imprensa Ocidental se esforça para fazer entender o porquê deste ódio. Faz-se vagas alusões a "militantes", a "separatistas", aceita-se tacitamente que eles estão numa qualquer guerra, e, como são muçulmanos, lá terão as suas razões e estão desde logo absolvidos...

Estávamos nós decididos a escrever umas quantas linhas sobre esta tragédia, quando deparámos com um artigo que o faz, de forma perfeita - e que dá o título a este post. De uma assentada, explica as razões do ódio islâmico aos Jogos Olímpicos e a tudo o que não seja islâmico.



 O  Grinch islâmico que roubou as Olimpíadas
A cobertura das Olimpíadas de Inverno de 2014 em Sochi , na Rússia, tem até agora sido ofuscada pelas ameaças de terror dos jihadistas islâmicos. Vídeos ofensivos postados na internet pelos jihadistas prometem que o "demónio das Olimpíadas" vai ter uma "atmosfera de medo e terror" e dizem aos atletas que "Satanás está convosco".

O líder da Al-Qaeda nascido no Egipto, Ayman Al- Zawahiri, abençoou os terroristas e declarou uma "jihad global" contra os jogos de Sochi.
Enquanto o mundo aguarda os Jogos Olímpicos para comemorar as melhores qualidades da Humanidade - excelência, cooperação e competição respeitosa - os jihadistas muçulmanos assistem aos jogos com amargura, inveja e críticas. Desportos competitivos não são significativos para o sistema de valores islâmico, especialmente se comparados com o treino físico e mental dos jovens para a jihad islâmica. A cultura islâmica desencoraja desportos competitivos, canto, dança e auto-expressão, e esta é a razão pela qual existem poucos atletas muçulmanos proeminentes.
Nota nossa - E poucas pessoas notáveis em outras áreas que não sejam o terrorismo, a especialidade islâmica por excelência.
Poucas medalhas são ganhas por nações muçulmanas, que participam simbolicamente nos Jogos. Com excepção do futebol, os jovens muçulmano têm poucas actividades atlética, e a maioria de seus treinamento de futebol é feito em ruas estreitas com a interrupção constante de carros e pedestres.
Nota nossa - Dotados de uma genética única, os atletas norte-africanos têm-se mostrado imbatíveis nas provas de atletismo de fundo. Neste vídeo, o campeão dos 10000 metros Ibrahim Jeilan, da Etiópia, ganha corrida e podemos ouvi-lo ao minuto 2:35 a invectivar a assistência com os seus gritos supremacistas de Allahu Akhbar!, que, como sabemos, quer dizer que "o meu deus é o único e o maior, e por isso ou vocês se convertem ou eu tenho o direito de vos decapitar, porque vos sou superior":

 


Quanto às atletas muçulmanas, basta dar uma olhadela na equipa feminina da Arábia Saudita, tentando correr enquanto enverga o seu traje islâmico. As nações islâmicas afirmam ser irmãs próximas, mas as equipas femininas muçulmanas quase nunca competem entre si dentro de países islâmicos. Por que é que os países muçulmanos se preocupariam em participar com uma equipe feminina nos Jogos Olímpicos se os desportos femininos são desencorajados e são contrários às normas culturais islâmicas?
Nota nossa - sob o domínio dos terroristas islamistas do Hamas, a famosa Maratona de Gaza foi proibida a mulheres e cancelada.
Como muitas actividades islâmicas na arena internacional, as equipas olímpicas femininas islâmicas não são destinados ao desporto e a ganhar, mas destinam-se a provar ao mundo que as mulheres muçulmanas são livres. A participação de atletas do sexo feminino islâmicas nas Olimpíadas é uma farsa rejeitada como não-islâmica, dentro da cultura muçulmana.

Os Jogos Olímpicos evocam as deficiências das sociedades islâmicas, provocam a inveja do mundo exterior e alimentam a sua mentalidade de vítima - daí o silêncio dos muçulmanos de todo o mundo sobre as ameaças terroristas islâmicas aos Jogos Olímpicos.
Os jihadistas não compreendem nem se importam sobre o que as Olimpíadas representam para o resto do mundo: uma oportunidade para competir e o reconhecimento do trabalho árduo de nações e indivíduos que sacrificaram tempo, dinheiro e treino intenso, para se destacarem, e que esperam ganhar de forma justa.

Enquanto o mundo anseia pela esperança, unidade, harmonia e um futuro de paz que as Olimpíadas representam, os jihadistas muçulmanos tentam arruinar tudo isso para todos os outros.  Não é uma coincidência, porque os valores olímpicos de cooperação, fraternidade e respeito entre nações, independentemente de religião, cor, origem nacional e de género, atinge o coração da ideologia da supremacia islâmica.

Queixas falsas, reivindicações de opressão dos rebeldes chechenos e das suas viúvas negras, são desculpas para camuflar as aspirações dos jihadistas e a sua incapacidade de se expressarem, excepto através daquilo para que foram treinados para fazer, como quem treina para um desporto: terror. A concorrência leal não é o que os supremacistas islâmicos são treinados para entender ou fazer. O que eles querem é dominar o mundo e um tratamento especial, que acham que o mundo lhes deve, por serem muçulmanos.

Mesmo a cobertura dos media islâmicos dos Jogos Olímpicos é muitas vezes colorida com inveja e críticas, especialmente dos bikinis do vólei feminino e dos fatos de banho na natação. Frustração por não estarem à altura das equipas infiéis, impulsionam alguns líderes muçulmanos, como por Saddam Hussein e seus filhos, a ameaçarem os atletas de futebol que percam, com a tortura e assassinato.

A competição atlética, independentemente do sexo, e outros tabus islâmicos, são difíceis de conciliar com os valores islâmicos. É por isso que não é uma coincidência que a jihad islâmica seja dirigida contra muitas eventos desportivos no Ocidente: como a Maratona de Boston, onde foram mortos três atletas, e feridos e mutilados centenas de outros, por muçulmanos chechenos imigrantes nos EUA.

Nota nossa - Temos alguns posts sobre mais este ataque jihadista na nossa etiqueta Atentados de Boston. Alguns vídeos - como o da mãe (se é que neste caso se pode usar palavra tão sagrada) dos dois terroristas a regozijar-se - foram entretanto retirados pelo poderoso lódi islamista global.


Agora o mundo pode fazer uma pergunta legítima:

"Onde está a condenação enorme e sincera das ameaças terrorismo terrorismo islâmico contra as Olimpíadas, por parte dos "moderados" muçulmanos?"

No Ocidente é afirmado uma e outra vez que os muçulmanos moderados são a maioria, mas essa maioria nuca foi capaz de parar ou de controlar os jihadistas, que, dizem, são os que não compreendem o verdadeiro e pacífico Islão.

"Porque não havemos de lhes deixar os filhos órfãos?"- pergunta este terrorista islâmico russo, insensível aos apelos emocionados dos pais. Os Jogos Olímpicos de Sochi foram declarados "não-islâmicos", por isso, há que matar!...

O que será necessário para os muçulmanos assumam a responsabilidade pela jihad islâmica global e acabem com a sua constante cobertura das deficiências do Islão? Será que eles nunca abandonarão a atitude defensiva, que nunca serão honestos e verdadeiros sobre o efeito negativo do Islão como é praticado hoje, na paz mundial, na felicidade e na prosperidade? Será que vão continuar a optar por permanecer mentalmente isolados, não- assimilados, ofendidos e acusando o resto do mundo de não compreensão do Islão?
Será que os jihadistas nunca virão a abraçar a sua própria humanidade, como o Grinch fez com o Natal e, finalmente, juntar-se às celebrações  Ou permanecerão um fardo para a humanidade, como o Grinch islâmico que roubou os Jogos Olímpicos?
Nonie Darwish tem um novo livro, “The Devil We Don’t Know: The Dark Side of Revolutions in the Middle East” e é a presidente da FormerMuslimsUnited.org.

4 comentários:

  1. Entendo que a responsável pela desinformação, dissimulação e alienação da verdade é culpa do 4º poder do mundo:A impresa. Neste caso a responsabilização de tais meios de comunicação-manipulação-da-verdade é algo muito sério.Parece que as pessoas mundo afora vivem num sono profundo do qual na se sabe se não querem ou não sabem acordar, parecem que contam que mentiras lhes parecem mais confortáveis.

    Fabiana

    Brazil

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Quarto Poder está nas mãos da esquerda lunática. Como bem saliente Olavo de Carvalho, a Imprensa e o mundo do Espectáculo são feudo dessa franja ideológica (passe o termo), que engana as massas a seu bel-prazer.

      Israel Bloom

      Eliminar
    2. a midia deveria informar sobre todas as atrocidades cometidas por adeptos dessa religião,acho que o povo esqueceu as 300 crianças brutalmente assassinadas na cidade de Beslan na Russia, o sequestro de 270 meninas na nigeria alem de tudo são covardes se especializaram em atacar crianças, mulheres e idosos.

      Eliminar
    3. E essa é uma fracção das atrocidades que eles cometem, caro amigo...

      JJ

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.