quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

"O Islão não é uma religião"

Este conhecido muçulmano moderado afirmou sem rodeios que o Islão não é uma religião, que é um modo de vida". É todo um modo de vida, incluindo um sistema político - algo que os apologistas islâmicos no Ocidente em geral negam. O Islão é incompatível com todos os valores que temos por mais agrados na nossa civilização: a democracia, a liberdade, os direitos humanos, a igualdade, a paz.



Tareq al-Suwaidan viveu 17 anos nos Estados Unidos, e discursa frequentemente para grupos muçulmanos na Grã-Bretanha, Canadá e Austrália. Um orador extremamente popular, al-Suweidan ganha mais de um milhão de dólares por ano com as suas palestras sobre o Islão. Em 2000, al-Suwaidan dirigiu-se a um Círculo Islâmico da conferência América do Norte, e disse que os muçulmanos devem emitir um aviso aos não-muçulmanos no Ocidente: 

"Temos de dizer ao Ocidente que estamos a estender-lhe a mão em paz, agora - mas que não será assim por muito tempo. Mesmo quando uma civilização está pronta a desmoronar-se (como está a acontecer agora no Ocidente, com todas as características de deterioração dos últimos impérios caídos), eles não cairão até que nós, os muçulmanos, nos esforcemos para lhes dar esse último empurrão, a última palha que vai dobrar as costas do camelo".

Muslim group slaughters 43 children in Nigerian school, children burned alive, Jihadists shot and slit the throats of children who tried to escape through the windows - See more at: http://pamelageller.com/2014/02/muslims-group-slaughters-43-children-nigerian-school-children-burned-alive-jihadists-shot-slit-throats-children-tried-escape-windows.html/#sthash.DyLh6TqF.dpuf
Muslim group slaughters 43 children in Nigerian school, children burned alive, Jihadists shot and slit the throats of children who tried to escape through the windows - See more at: http://pamelageller.com/2014/02/muslims-group-slaughters-43-children-nigerian-school-children-burned-alive-jihadists-shot-slit-throats-children-tried-escape-windows.html/#sthash.DyLh6TqF.dpuf

 ------------------------

"O Islão não é uma religião, mas um modo de vida, diz escritor Kuwaitiano"
por Opalyn Mok para o  Malay Mail, 25 de Fevereiro:A auto-descrito "muçulmano moderado", cujos programas de televisão atraem milhões de espectadores em redes de satélite no Médio Oriente, também disse que o objetivo do Islão é a criação de um Estado que administre a justiça sem discriminar a cor da pele de uma pessoa, género ou credo.

"O Islão não é uma religião. É um modo de vida que nos ensina sobre a nossa relação com Deus e com o universo, e  a nossa relação com a ética, com a economia e o nosso sistema político", disse ele numa palestra organizada pela Fundação Islâmica Penang e apoiada pelo Estado, sobre "O futuro do Islão". 
Ele disse que aqueles que não entenderem as estruturas do Islão, "não entendem a sua própria essência". 
Por causa disso, disse ele, é que o Islão tem sido mal interpretado como sendo opressivo e sexista, quando o Alcorão afirma claramente que há igualdade, liberdade de expressão, e que a liberdade é para todos.

"Se nós tivermos um Estado onde todos sejam livres para seguir qualquer partido de que gostem, eles acabarão por votar e escolher o Islão, porque acreditamos na liberdade e na justiça social", disse Tareq perante um auditório esgotado de cerca de 150 pessoas.

- Portanto: não existe nenhum país muçulmano livre e democrático, mas pode vir a haver... desde que livre e democraticamente escolha o Islão! Ah, grande Tareco!!!
 Mas Tareq também advertiu contra o confundir essas liberdades como o direito de insultar o outro, ou praticar  má ética, dizendo que o Islão franze a testa sobre eles.

- Ou seja: liberdade e igualdade, desde que não se questione o sistema supremacista, ditatorial, machista e opressor que é o Islão! Boa malha, ó Tareco!


Desafios para o Islão

Tareq disse que o Islão enfrenta cinco desafios-chave no mundo muçulmano de hoje.

"Os três primeiros problemas - comportamento, falta de eficácia e atraso - são os resultados ou sintomas de dois grandes problemas - os nossos estudiosos e líderes", disse ele.

"A própria essência do objetivo do Islão, que a maioria dos estudiosos islâmicos e muçulmanos desconhece, é que estamos destinados a criar felicidade para toda a humanidade. Isto inclui os não-muçulmanos, porque nós temos um sistema que pode realizar isso", acrescentou.

- Lembramos que o Islão destina aos infiéis o pagamento de tributo (sempre "com humilhação"), a escravidão ou a morte. Belas perspectivas de "felicidade"

Tareq, que é um dos 138 estudiosos islâmicos que em 2007 escreveu uma carta aberta aos líderes cristãos em todo o mundo conhecida como "Uma palavra comum entre nós e vós", disse que aqueles que optarem por não seguir o Islão não deve ser coagidos a fazê-lo.

- Quanta bondade!!! Suponho que devemos estar agradecidos por nos ser dado o direito de não nos convertermos, apesar do pequeno pormenor de nos restar o imposto, a escravidão ou a morte, consoante o humor do imã...

"Nós não devemos forçá-los, mas podemos ter a liberdade de lhes mostrar o que é o Islão, para que eles possam entender o Islão", disse ele.

O líder da Irmandade Muçulmana do Kuwait disse que tem havido muitos estudiosos islâmicos que emitiram decretos religiosos, ou fatwas, que se basearam não nos preceitos do Islão, mas no costume e tradição, o que despertou maior confusão quando eles foram apresentados como um facto.

- Terá sido o caso da fatwa que determina que mulher que vai ao mar vai cometer adultério com o mar, por este se lhe imiscuir nas partes baixas???

"As fatwas que ordenam que as pessoas sejam mortas é anti-islâmica e desumana", disse ele, sem se referir a qualquer pessoa especificamente, em resposta a uma pergunta.

Tareq disse que o uso de tais fatwa foi aplicado em massa no Egipto anteriormente.

- Precisamente! Asassínios, estupros, tortura, incêndio e demoliçaõ de igrejas cristãs pelos seus irmãos da Irmandade Muçulmana, ainda há poucos meses. É um excelente conforto para os mortos e para as suas famílias o Tareco vir agora dizer que foi por enagno!
"Isso foi feito no Egipto,  matar em nome da religião, mas se lermos o Alcorão, não existe tal coisa", disse ele.

- MENTIRA! Obviamente! Mais um caso de taquyia, a "mentira sagrada" que o Islão prevê para enganar os infiéis!
"Quanto aos cativos, o emir [governante] tem a opção de tomar a acção mais benéfica segundo quatro possibilidades: a primeira, condená-los à morte, cortando-lhes o pescoço, a segunda, escravizá-los e aplicar as leis de escravidão em relação à sua venda e alforria, a terceira, resgatá-los em troca de bens ou prisioneiros, e a quarta, para mostrar bondade,  é perdoá-los. Allah (que seja louvado), diz: "Quando encontrares aqueles [infiéis] que negam [a Verdade = o Islão , então corta-lhes [os seus] pescoços" (Alcorão sura 47, verso 4)" - Abu'l-Hasan al-Mawardi, al-Ahkam as-Sultaniyyah (As Leis de Governança Islâmica), trans. por Dr. Asadullah Yate, (Londres), Ta-Ha Publishers Ltd., 1996, p. 192.
 Ele focou aqueles a quem chamou estudiosos "tradicionalistas", cujo conservadorismo levou a que os muçulmanos moderados fossem vistos como infiéis.

- Afinal, os muçulmanos seculares que no Egipto, na Turquia ou na Tunísia, se têm batido por reformas e pela democracia, estão acima dos "infiéis". A teologia do Tareco é fascinante...
 Ele disse que muitos estudiosos islâmicos "tradicionais" vêem os muçulmanos liberais como uma ameaça à sua fé, e rejeitam os seus ensinamentos."Eu acredito que aqueles que nos rejeitam o fazem fora da tradição e não no que lhes foi ensinado pelo Alcorão", disse ele.

- E voltou a mentir! O Alcorão manda matar os infiéis, e o que ele, se realmente fosse "moderado", faria, seria declarar ultrapassados esses preceitos, como o têm feito as religiões propriamente ditas.
 Tareq marca a nova geração de estudiosos islâmicos, que compartilham as suas visões e não seguem cegamente a tradição.
- O que, em termos práticos significa apenas uma coisa: NADA!
Tareq também compartilhou a sua visão acerca da proibição do uso da palavra "Allah" pelos não muçulmanos, que tem impulsionado uma cisãoprofunda entre a maioria muçulmana da Malásia e os seus compatriotas não-muçulmanos.

"Eu acho que aqueles que proibiram o uso da palavra "Allah" por não muçulmanos estão a ser demasiado sensíveis", disse.
- Um modernaço! Um libertário! Um doidivanas! Fujam!
Proibir os não-muçulmanos de proferirem a palavra irá estimular sensibilidades entre as raças,  disse Tareq, acrescentando que tal visão pode resultar em os muçulmanos serem vistos como fracos.
- Estamos esmagados com tanta clarividência! 
"Esta mesma palavra foi usada pelos não crentes durante o tempo do Profeta Mohamed, 'Alá  O Deus'", disse ele.Como vários outros estudiosos muçulmanos que manifestaram apoio à Igreja, Tareq disse duvidar que os não-muçulmanos da Malásia abusem  do uso da palavra.

"Suponha que temos um árabe que não é muçulmano, que palavra ele pode usar então?", Perguntou Tareq."Afinal de contas, 'Allah' é uma palavra árabe para Deus", disse ele.
- Mais taqyia, Allah não é o Deus dos cristãos e dos judeus - tanto assim que Allah ordena o extermínio destes!
-------------------------------

Mas as teologias do Tareco absolutamente nada interessam, nem a nós nem a ninguém. O que à Humanidade interessa, é que as religiões sejam efectivamente religiões, que se dediquem a sê-lo, e não a exterminar e aterrorizar as pessoas!
O que realmente interessa saber sobre o Islão é ISTO:
Listas dos atentados terroristas ocorridos desde o 11 de Setembro, os locais onde ocorreram, as vítimas que causaram, as religiões atingidas e outros dados. Caso queira consultar, aqui vai:



LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2004

LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2005

LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2006

LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2007


LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2008

LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2009

LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2010

 LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2011

 LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2012

 LISTA DOS ATAQUES TERRORISTAS ISLÂMICOS DE 2013 (1º SEMESTRE)
Sites de interesse:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.