sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Vídeo: Como entrevistar um terrorista



Já divulgámos por diversas vezes as directivas do grupo terrorista Hamas à Imprensa. Muitos jornaleiros, por medo ou militância, seguem-nas reverentemente. Alguns jornalistas, contudo, ainda fazem jus à ética profissional, e não se submetem à agenda dos terroristas.

A organização HONEST REPORTING faz aqui uma breve resenha do jornalismo invertebrado, e mostra, em contraponto, um exemplo de um profissional digno - Sean Hannity - que faz a pergunta essencial:

- O HAMAS É UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA?

O terrorista, entrevistado em directo, reagiu como costumam reagir os comunistas quando se lhes pergunta porque é que não há pluripartidarismo nem Liberdade nos regimes comunistas, ou se concordam com o regime da Coreia do Norte: ENGASGOU-SE!



 PROPAGANDA 2 EM 1

A HONEST REPORTING chama também a atenção para a estratégia de Imprensa dos terroristas do Hamas, que é dúplice:

- Perante o mundo islâmico, projectam uma imagem de sucesso, medida pelo número de judeus assassinados e de islamistas "gloriosamente martirizados"
- Perante o Mundo Livre, passam a mensagem de povo em grande sofrimento, devido às "agressões" israelitas. 

Enquanto isso, vão atacando Israel, e mantendo zelosamente a sua cultura de ódio. Ainda ontem, mais uma manifestação reuniu a população de Gaza, para exigir que os ataques contra Israel continuem...

A VERDADE ESTÁ A VIR À SUPERFÍCIE 


Desta vez a Imprensa foi longe de mais. E despertou reacções dos cidadãos pacatos e dignos, a quem começa a repugnar tanta militância pró-islamista. O blog SHALOM  ISRAEL traz um post imperdível sobre a reacção 

À medida que os jornalistas voltam de Gaza, e já não têm a vida em perigo por dizerem a VERDADE, vão revelando mais e mais pormenores sórdidos. A Imprensa exagerou na parcialidade, e agora tenta salvar a face.

Entre as ordens do Ministro do Interior do Hamas (acatadas por muita Imprensa Ocidental como se vindas do próprio Alá),  estão a de chamar sempre aos mortos "civis inocentes", e de nunca publicar fotos dos mísseis a serem disparados de áreas civis.

O tenebroso MANUAL DA MENTIRA pode ser visto em detalhe no site do Middle East Medias Research Institute, e é resumido neste vídeo:



Recordamos também:
Indicações do Hamas para os activistas nas redes sociais divulgadas em árabe na página oficial do twitter das Brigadas Al-Qassam (entretanto suspensa):

1 - Nunca mostrar o lançamento de rockets a partir de zonas civis;
2 - Sempre que há um morto armado assegurar-se de que aparece sem armas e considerá-lo como civil;
3 - Se falares com um árabe indicar a quantidade de mortos militares do Hamas;
4 - Na frente de ocidentais dar o número de mortos civis e sublinhar que a maioria dos mortos são civis (mulheres e crianças);
5 - Se falares com um ocidental nunca negues o Holocausto.

UM CONFLITO ETERNO EM NOME DE UMA MENTIRA
Ministro do Interior do Hamas admite que não existem «palestinos»; que este vieram todos de países árabes:



HAMAS ATACA DE NOVO


P.S. - Como seria de esperar, o Hamas, pela enésima,vez, não respeitou o cessar-fogo, não aceita tréguas e voltou a atacar cidades israelitas. A Imprensa do costume continua a dizer que foram só uns misseizinhos sem importância. E que Israel, maroto, respondeu logo à bruta... Já nem merece comentários, tamanha desfaçatez.


Um dos ataques desta manhã, vindos de Gaza, contra áreas civis de Israel

Só a retomada de Gaza, a destruição completa do bando terrorista Hamas, e a neutralização dos inimigos do Estado em solo pátrio, poderão solucionar este problema. Com terroristas fanáticos e loucos, não outro remédio!

Temos todos algo que os nossos avós não tiveram: acesso a Informação real, e poder de intervir. Faça a sua parte!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.