terça-feira, 30 de setembro de 2014

A mentira de (que é) Obama

Já o sabíamos: Obama é o Pinóquio da política internacional, bem na linha da prática islâmica da taqiyya.
Barackio ou a verdadeira imagem de Obama
 
Recentemente tivemos mais uma prova disso mesmo. Já sabíamos que havia dito que o ISIS não constituía qualquer ameaça para a segurança dos USA (os bombardeamentos no Iraque e, depois, na Síria são uma demonstração da sua clarividência); Já sabíamos que para ele o ISIS era um grupo de amadores; já sabíamos que, durante meses, nunca quis assumir uma estratégia para lidar com o ISIS. Agora, tendo vindo cobardemente dizer (tal como já fizera no passado) numa entrevista à cadeia televisiva CBS que tudo isso se devia a uma desvalorização do valor do ISIS pelos serviços de informação dos USA (e note-se que o Al-PÚBLICO noticia isto), acaba por ser totalmente desmentido ao sermos presenteados com a informação de que Obama tem recebido informação pormenorizada acerca do real problema constituído pelo ISIS já desde antes da sua reeleição presidencial de 2012 (isto o Al-PÚBLICO não noticia). O problema é que, arrogante como é na sua ilusória deriva auto-messiânica, Obama não se reúne com a equipa responsável para lhe comunicar as informações de segurança, preferindo antes ler (se é que os lê) os documentos que lhe são entregues. E todos nós sabemos quão bem lê Obama. E sobretudo quão articulado é nos seus pensamentos sem a ajuda dos demais. Trágico, mas verdade.
 
 
sem dúvida; é um artista filo-islâmico com certeza

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Rosh Hashana à Mesa

Alguns leitores e amigos gostaram do nosso post sobre o Ano Novo judaico. Por isso, resolvemos falar mais um pouco acerca do tema.

A Torá refere-se ao Ano Novo judaico como Yom Teruah, que significa "Dia de Soprar". Soprar o quê? O shofar, naturalmente.

As celebrações do Ano Novo judaico (Rosh Hashana) duram 10 dias, e são ocasião de reflectir sobre o ano que acaba, de reparar desavenças e de recitar slichot - orações de arrependimento. Muitos judeus vão a Jerusalém, a cidade sagrada do Judaísmo. Pode ver em directo o local mais sagrado da cidade mais sagrada aqui.

É tempo de perdão, arrependimento e renovação. Mas, como acontece cá em Portugal, no Natal, no Ano Novo, ou na Páscoa, os não religiosos e os que não ligam muito à religião, também participam na festa, porque se identificam com a tradição. E não há festa sem comida e bebida, em qualquer tradição.

Nos dois dias do Rosh Hashana os lares judeus enchem-se dos aromas dos pratos característicos da quadra. Os alimentos são consumidos em determinada ordem, e todos têm um significado especial, simbolizando as bênçãos que se pretende obter de Deus - sublinhamos para que não se pense que os judeus vêem propriedades mágicas na comida....

Devido à dispersão histórica, os costumes foram-se alterando, mas estas refeições incluem geralmente:

- Maçãs mergulhadas em mel, que se crê ser uma tradição oriunda dos judeus asquenazitas, os do leste da Europa. Nessas regiões, esta época é de maçãs, e a maçã cresce desprotegida de folhas, mais ou menos como os judeus praticantes, em terra estrangeira. Simbolizam o desejo de um ano doce.




- As romãs, que supostamente contêm 613 sementes, simbolizam os 613 mandamentos (mitzvot) que a Torá recomenda. São um dos "frutos da época" que se consomem tradicionalmente na segunda noite de celebrações. Israel é mencionado na Torá como produzindo boas romãs, o que pode ser constatado ainda hoje.



- Chalá, pão redondo, para simbolizar o ciclo anual e uma coroa, para coroar Deus, Rei do Universo. No Ano Novo, come-se este pão com mel. O mel a que a Bíblia faz referência ("Terra de leite e mel"), eram as tâmaras, ou uma pasta contendo frutos doces. Hoje é mais fácil encontrar mel verdadeiro. O mel lembra o labor das abelhas. Em algumas comunidades, o acompanhamento é açúcar e sal.



- O peixe nada em cardumes e não dorme. Simboliza abundância e constância no cumprimento da vontade Divina. 

- Carne da cabeça de peixe ou de carneiro, para "entrar de cabeça" no novo ano e em recordação do Deuterónimo 28:13, em que Deus promete fazer "cabeça e não cauda", de quem cumpra os Mandamentos. 


- As tâmaras são um dos alimentos que aparecem na mesa por associações de palavras. A palavra tâmara/tamri, também significa "consumir" ou "acabar". Comê-las expressa o desejo que a inimizade dos que nos querem mal se consuma e acabe.


- Feijão-frade, feijão-verde ou outro vegetal análogo, segundo a tradição local, por associação com a palavra hebraica para "crescer e multiplicar".

Estes são alguns dos alimentos mais em destaque na quadra. Variam bastante, consoante as comunidades - basta que nos lembremos da formidável diversidade de  pratos natalícios em Portugal e nos países de Língua oficial Portuguesa.



Seder é o nome que se dá a uma refeição ritual, em que os alimentos são comidos em determinada ordem e com determinado simbolismo. O prato contém a 'cábula'...

Depois do seder, e para "aconchegar o estômago", há quem ainda esteja muito capaz de comer umas "coisitas". Para acautelar a eventualidade, serve-se uma refeição abundante que pode incluir kugels (uma espécie de tarte), assados, vegetais, nas famílias asquenazitas; kebabs, arroz e saladas nas famílias sefarditas. E um doces. Talvez a lusitana preocupação com ter o estômago "aconchegado" seja uma influência judaica, quem sabe...

Em Israel, os festejos de Rosh Hashana são uma ocasião para unir as famílias e a nação, para estar mais perto de Deus, e para comer, naturalmente.


Os rapazes e as raparigas do IDF (Forças de Defesa de Israel) consumiram 15 toneladas de maçãs, 6 toneladas e meia de romãs, 60 toneladas de carne e peixe, 7800 garrafas de sumo e 9000 garrafas de refrigerante. Nesta época, é tudo à grande...

P.S. - Eu sei que tenho o terceiro e último post da "pimenta" para fazer. Mas agora que falei de comida, não vou falar da dita cuja. O que a gente gostava era de fazer sempre posts alegres, como este. One day...

Comunidade Islâmica de Lisboa ameaça Portugal


"Está na hora meus irmãos. Está na hora de demonstrar ao mundo a força do islamismo e de combater os infiéis! O plano está traçado e preparado. Iremos tomar conta de portugal e deste povo fraco e levaremos o nosso Islão ao mais elevado patamar do desejo do Senhor!"
Quando tomei conhecimento, por amável alerta de um leitor, desta exortação à jihad publicada no site da Comunidade Islâmica de Lisboa, fiquei sem palavras. Faço minhas as da Lura do Grilo:
"Pretensos piratas hackearam o site da Comunidade Islâmica de Lisboa com propaganda e tentativas de recrutamento jihadista. A dita comunidade nada fez para suspender o site e o Sr Vakil ainda vem, a reboque da TVI, fazer a catequese que a jihad não é exercer violência, intimidação, tortura e morte a todos aqueles que eles entendem.

A lata do Sr Vakil, com a ajuda da TVI, conseguiu duas coisas: ajudar a promoção da causa jihadista no site e enganar aqueles que não conhecem o verdadeiro islão. Isto é um teste às autoridades portuguesas e estas que abram os olhos e reajam quanto antes.

O islão tem o espírito de matilha: quando um ataca todos vão ajudar à festa. A violência e o ódio promovem e contagiam a violência e o ódio: eles sabem-no. Eles sabem-no ... eles usam com destreza a táctica!"
Já atiraram o barro à parede. E COLOU! O cerco aperta-se...
 O que pensam os muçulmanos comuns:


À medida que a islamização avança, os testes e as operações de intimidação multiplicam-se. Jovens muçulmanos, já com anos de lavagem cerebral em cima, percorrem as ruas da Europa (onde já há pequenos Estados islâmicos onde infiel não entra e onde vigora a Sharia) com gritos supremacistas de Allahu Akbar, incomodando (e por vezes atacando) os nativos:

domingo, 28 de setembro de 2014

Pimenta no cu dos outros é refresco * (2)

Pat Condell explica como é que pimenta no rabo dos judeus é refresco para os palestinianistas:

 LEGENDADO!


* Provérbio português listado nos dicionários de provérbios. Acalmem-se senhores moralistas. Guardem a vossa indignação para as vítimas do Islão e de outras abominações.
O GRANDE RUI MACHETE

A seguir (ver post anterior), falou o grande Rui Machete, do alto da sua torre de marfim.  Que o Estado Islâmico tinha que ser travado, que os líderes religiosos muçulmanos deviam falar contra o terrorismo (pode ir esperando, senhor Machete), que os jovens devem ser avisados de que o ISIS é um grupo terrorista e não uma brincadeira. Até aqui tudo bem, "mas..."


"MAS..."


O grande Rui Machete

Quando ouvi o "mas..." do Machete, percebi logo que vinha lá chumbo grosso.

Mas não podemos esquecer-nos - disse ele - de que o mundo muçulmano tem ressentimentos contra o Ocidente. E engata a lengalenga da colonização e do imperialismo.

Nós, europeus, é que não temos direito a ter ressentimentos pelos séculos de barbárie que os muçulmanos por cá semearam, e continuam a semear por este mundo, todos os dias - aferir contabilidade do terrorismo islâmico em A Religião da Paz. Matam mais num ano, actualmente, do que a Inquisição matou em 350, quando matar era como beber um copo de água. 


 ERA O MORDOMO

Como nos velhos romances policiais, a falta de imaginação dita que o culpado de tudo seja o mordomo. Machete lembra o conflito israelo-palestino, e aqui vai disto: 

- Que Israel "atacou Gaza".

Não sabe, o bom do Rui, que Israel é diariamente atacado pelos terroristas do Hamas, que estes escolhem infantários e hospitais, transportes públicos e lojas, procurando matar o maior número de civis que possam. Não sabe que Israel já levou com 14 milhares de mísseis em cima, disparados desde Gaza, desde que cedeu esse território aos árabes. E não sabe que Israel, para além do terrorismo diário do Hamas, esteve 15 dias paralisado, debaixo de bombardeamentos do Hamas até responder, algo inédito na História! (ver arquivos da Operação Protecção Limite).
- Que "não foi respeitado o princípio da proporcionalidade".

Porque morreram mais 'palestinos' do que israelitas. Israel entrou em Gaza para abater terroristas, para destruir arsenais e túneis de terrorismo. Os terroristas usaram escolas, hospitais, mesquitas, igrejas, ambulâncias, para atacar o IDF (Exército de Israel). Os terroristas trajam à civil e usam a multidão como escudos humanos. Os terroristas apresentam vítimas das suas fileiras como sendo de "civis inocentes".

Conseguiria o Rui fazer melhor que o Exército mais moral da História? Queria o Rui que Israel ficasse sob fogo e os israelitas morressem todos à fome porque estiveram 15 dias nos abrigos subterrâneos, a comer conservas? O que faria o Rui se lá estivesse? Se tivesse nascido judeu e tivesse filhos e netos judeus?

Quer o Rui que os judeus se deixem matar todos, como no Holocausto? Ou quer que Israel execute cidadãos até o número igualar o dos terroristas abatidos?

O Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal não sabe que  os totais comparativos de mortalidade  não dizem muito sobre a moralidade dos vários lados num conflito

 Se se quiser falar sobre as morte totais num conflito, veja-se este gráfico das mortes de alemães e de norte-americanos da Segunda Guerra Mundial. A estimativa das mortes de alemães (máxima e mínima) está a verde. E a de norte-americanos a encarnado.

- Que o Hamas "até tem uma componente terrorista" e que "até usou escudos humanos"...

O Hamas É um grupo terrorista, igualzinho ao ISIS, que tem como objectivo primeiro exterminar os judeus, reconquistar Israel e integrar o califado Global, Ruizão!!! O Hamas encoraja o povo ao martírio, a fazer-se explodir para matar judeus! O Hamas segue os mandamentos Corânicos, Rui! Mas tu sabes lá o que isso é...

O Hamas e a Guerra da Propaganda Global


- Que os "extremistas de ambos os lados" devem acatar a solução de dois Estados.


Israel à lupa (literalmente)



Em Israel os extremistas são julgados e presos. Em Gaza os extremistas são 98% da população e são acarinhados pela opinião pública mundial. Israel desde o início que aceitou a solução de dois Estados - e deu de mão beijada quase todo o seu território aos Árabes! Que desde 1948 não deram um dia de paz a Israel, pois só aceitam a extinção dos judeus.

Vai estudar, ó Rui !

 

Mitos e Factos sobre Israel



Ou então, não sejas HIPÓCRITA!


PIMENTA NO CU DOS OUTROS É REFRESCO!


A coisa ainda vem no Iraque e na Síria, mas os palestinianistas já põem as barbas de molho - e apoiam a guerra contra o ISIS. E se fosse cá*? Ah, pois é...

* - Não deve tardar muito, aliás. E são eles que o dizem. A seguir a Israel, será o "Al Andalus", Portugal e Espanha, que os bárbaros sanguinários consideram "terra muçulmana". Aí, os Machetes da vida vão piar muito fininho (enquanto tiverem a cabeça ligada ao corpo, bem entendido).

Pimenta no cu dos outros é refresco * (1)




* Provérbio português listado nos dicionários de provérbios. Acalmem-se senhores moralistas. Guardem a vossa indignação para as vítimas do Islão e de outras abominações.

Acidentalmente, deixei o rádio sintonizado na Antena 1, após ter acompanhado a emissão de um jogo de futebol. Só ouço rádio para esse fim, cansado que estou de playlists e de jornalismo tendencioso.

Estava hoje a tomar banho e distraidamente liguei o rádio. Passava o programa Visão Global. Falava-se das eleições no Brasil, e o embaixador João Cutileiro lamentou o apoio de Dilma Roussef aos terroristas do Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Foram citados editoriais como este, em que o primitivismo ideológico e cultural de Dilma é mostrado sem complexos:



 Dilma Roussef, quando era a terrorista Estela

Dilma pelo menos é coerente numa coisa: defende o Estado Islâmico e defende o Hamas. E ambos são a mesma coisa: TERRORISTAS!
Mas a Antena 1, a Imprensa e os políticos em geral são menos coerentes que Dilma. Porque condenam o ISIS, mas apoiam o Hamas. 

Quando é Israel atingido pelo terrorismo, todos defendem os terroristas e condenam Israel - por se defender. 

Mas quando admitem finalmente que o Islão declarou guerra ao Mundo, e já lhes está bater à porta, apoiam a coligação internacional que vai tentar esmagar o ISIS.




sexta-feira, 26 de setembro de 2014

'A Historia dos Judeus em Portugal'





O Saber não ocupa lugar. Poucos são os portugueses que não têm um ou outro antepassado lá da Terra de Israel. Nestes novos tempos de liberdade e entendimento, que não voltemos a cometer o erro de repelir pessoas e culturas apenas porque diferem da nossa, em alguma coisa. Além do mais, a nossa cultura assenta na tradição judaico-cristã, que alguns deploram, mas que é capaz de ser do melhorzinho que há, neste belo planeta azul...

Votos de um bom fim-de-semana para os nossos leitores e amigos. E Shabbat Shalom, já que o blog é sobre Israel. Que a paz esteja convosco.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Um shofar em Nova Iorque


No século XXI da era cristã, alguém toca o shofar nas ruas de Nova Iorque, para saudar o Ano Novo judaico. Um costume com vários milénios, de uma antiga e pequena cultura de humildes pastores do Médio Oriente, ecoa a meio mundo de distância. 

O Novo Mundo foi um porto seguro para os judeus que fugiam de perseguições na Europa. Como em tempos a Europa o foi para outros judeus que fugiam da sua terra natal, muitas vezes invadida. Levaram as suas tradições, a sua cultura e o seu shofar.

O som do shofar convida à oração, à reflexão, evoca esperança e lembra os judeus da presença do Eterno.

Mesmo os que não professam o Judaísmo, ou os que não têm religião, apreciam o valor cultural deste costume. No vídeo, é manifesto o bom acolhimento dos transeuntes a este "happening" - para usar linguagem dos nossos dias. Grande parte das pessoas, na actualidade, aceita outras expressões religiosas e culturais, acolhe a diversidade e reconhece aos outros os mesmos direitos de que desfruta. É assim em Nova Iorque, é assim em Israel e no mundo livre, e esperamos que esta visão democrática e plural persista.

O shofar anuncia o Ano Novo judaico, e lembra que um dia, que todos esperam que chegue em breve, terá início uma nova era, de paz e entendimento, sem mais guerras. A era messiânica é uma aspiração de sempre na tradição hebraica.

O shofar é feito a partir de um chifre de carneiro ou de outro animal kosher (falaremos disso um dia), e é talvez o mais antigo instrumento de sopro que a Humanidade concebeu. Compensa as suas naturais limitações com um carisma assinalável. E faz-se assim:




Há três ou quatro mil anos, se você quisesse um shofar, teria que começar por caçar um kudu, e depois passava uns bons três meses a aperfeiçoar o instrumento. Hoje, graças à Internet, e caso não queira ter a trabalheira de fazer um shofar, pode encomendar em lojas online como a  HolyShofar.com. Em poucos dias terá um shofar na sua caixa de correio, para pôr em cima da lareira ou para intrigar os vizinhos.




A próxima geração de fabricantes e tocadores de shofar

Portugueses têm ascendência genética judaica e norte-africana


 

Somos descendentes de lusitanos, galegos, tartessos, cónios, germanos, romanos, gregos, fenícios, berberes, israelitas e árabes. Miscigenámo-nos com gente de todo o mundo. Estamos em posição privilegiada para compreender que, acima de tudo, somos todos gente, e o que nos diferencia não é o ADN, mas o carácter.

quarta-feira, 24 de setembro de 2014

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Feliz Ano Novo Judaico - 5775



Como dizemos na apresentação, este não é um blog judaico (não tem filiação político-partidária, religiosa, nacionalista, racial ou étnica). Somos um pequeno grupo de amigos da Internet, portugueses, que gostam de Israel - o Estado, a Nação, o Povo e a Cultura.

Hoje estamos à beira de uma data festiva em Israel, o Ano Novo Judaico, ou Rosh Hashaná, que se celebra no primeiro dia do mês de Tishrei, o primeiro mês do ano no calendário judaico rabínico, sétimo mês no calendário bíblico e nono mês no calendário gregoriano.

Como ocorre no Ano Novo, cá em Portugal e no mundo cristão, é uma data festiva para todos, e, para os que levam a religião mais a sério, é tempo de balanços, de olhar para o que se fez no ano que finda e para estabelecer boas resoluções para o que se inicia, com a ajuda de Deus.

Na cultura hebraica, ao primeiro dia do ano seguem-se 10 dias de meditação e introspecção - que fazem falta a qualquer pessoa, de qualquer cultura, e por isso até podemos tomar este costume como mote e fazer o mesmo.

Se quer desejar bom ano a um amigo judeu, diga-lhe Shana Tová, que significa "Bom Ano". Ou Shana Tovah Umetukah, que significa "Um ano bom e doce".

E por falar nisso, aqui vai um panorama da mesa de ano novo judaico:


Maçãs, mel, romãs, tâmaras, peixe, chalá (pão redondo), vinho doce e outros. Cada um destes alimentos tem um significado tradicional.
Que o novo ano judaico possa trazer muitas coisas boas para toda a gente e especialmente para Israel.


Reportagem desde Israel


P.S. - Kotel, em directo.

(No more) date rape!



 Há indivíduos capazes disto! É triste!

Os sublimes Sublime contam a história toda. A rapariga estava sossegada no bar, o manholas chega, insinua-se, e oferece-lhe uma bebida devidamente "aditivada". Ofereceu-lhe boleia para casa, parou num canto escuro, e aconteceu o que seria de esperar...

Ela apresentou queixa, o violador foi a Tribunal e apanhou a pena máxima. Foi parar a uma cela, onde um matulão avantajado lhe tratou do traseiro. E os Sublime não têm pena nenhuma - mesmo sabendo que a cena se repete, noite após noite.



A história é conhecida, muito triste (ao contrário do vídeo e da música) e muito mais frequente do que se pensa. As vítimas, muitas vezes, ficam caladas, por vergonha. 

Isso pode ter acabado, graças a  Fernando Patolsky, professor da Universidade de Tel Aviv, e a outro inventor, Michael Ioffe,

As drogas de estupro são inodoras, insípidas e infelizmente acessíveis a  qualquer canalha. Mas esta dupla desenvolveu uma palhinha para detectar bebidas que contenham o famigerado Rohypnol, e outros da mesma gama.

Se a palhinha detectar alguma droga na bebida, esta muda de cor - dependendo da droga, exactamente como vemos no COPS.

Patolsky e Ioffe esperam comercializar o produto muito em breve.

Enquanto noutros lugares do Médio Oriente as mulheres são mortas, violadas em massa, vendidas em mercados de escravas, engravidadas deliberadamente pelos terroristas caso sejam não muçulmanas; em Israel trabalha-se para o bem delas. Na cultura judaica, a Mulher é o sustentáculo do lar e da sociedade, o nosso lar alargado.

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

“Too young to wed” em Lisboa


 TEHANI, 8 ANOS (Iemen)
“Sempre que o via, escondia-me. Odiava vê-lo,” Tehani (vestido cor-de-rosa) relembra os primeiros anos do seu casamento com Majed, quando tinha 6 anos e ele 25. A jovem esposa posou para a fotografia no exterior da sua casa em Hajjah, com a ex-colega de escola Ghada, também ela uma noiva criança

Uma tem 8 anos. Outra tem 9. São «casadas» com os indivíduos que acima vedes. Se fugirem, terão o nariz e as orelhas cortadas e serão abandonadas à morte. É o Islão.


O fundador do Islão, Maomé, casou com Aisha aos 6 anos de idade e consumou o casamento quando a criança tinha 9 anos. Os muçulmanos não admitem qualquer actualização do Islão.

39 mil meninas casam-se por dia. O Islão é a única "religião" que, na actualidade, admite casamentos entre crianças e adultos.


 A pedofilia legal em Gaza. A Esquerda NÃO PIA (quanto muito, CASA PIA...)

As "belas mulheres de Gaza" - 450 criancinhas, todas menores de 10 anos, «casam» com 450 matulões, em Gaza, num só dia. Todas elas, como é regra no Islão, já tiveram o clitóris removido, para que as relações sexuais se tornem um sofrimento atroz. A medida destina-se a prevenir a infidelidade conjugal. O Islão assim ordena*. Os europeus acatam. A Esquerda feminista A-DO-RA!

*"A circuncisão é obrigatória ( para cada macho e fêmea  (cortando o pedaço de pele na glande do pénis do macho;  mas a circuncisão da mulher é cortar o Bazr 'clitóris' [isto é chamado khufaadh 'circuncisão feminina'] ) ." - 'Umdat al-Salik E4.3', traduzido por Mark Durie, A Terceira Escolha, p. 64

"A Lei Islâmica permite por definição, por declaração profética e pela prática, a circuncisão feminina" - Afroz Ali, Imã australiano.



Exposição “Too young to wed”

Com o apoio da Caixa, esta exposição vai decorrer de 1 a 15 de setembro, no Átrio Central do Edifício Sede da CGD. Uma realidade que não devemos ignorar.

Too Young to Wed (Novas demais para casar) chega a Portugal, com o apoio da Caixa, através da P&D Factor – Associação para a Cooperação sobre População e Desenvolvimento - no âmbito da Campanha Continuamos à Espera com as associações Corações com Coroa, AJPAS e Oikos, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA) e o Camões-Instituto da Cooperação e da Língua, IP.

Esta exposição integra trabalhos das fotógrafas Stephanie Sinclair e Jessica Dimmock, mais de 30 fotografias e infografias organizadas em 5 áreas temáticas: Expetativas da Comunidade, Viagens, Saúde Materna, Violência e saúde mental, Esperança e Educação. 

A exposição Too Young to Wed, sobre os casamentos infantis, precoces e forçados, visa contribuir para o aumento da consciencialização sobre a temática dos casamentos infantis, apoiar as raparigas já casadas, desencorajar e eliminar esta prática e salvar cerca de 142 milhões de outras raparigas de igual destino. 

É preciso fazer mais, é possível fazer melhor para impedir que, por dia, 39.000 meninas em idade de brincar e ir à escola, sejam noivas e casem.

Casadas ou não-casadas, todas as raparigas são dotadas de direitos humanos: todas nascem iguais, mas nem todas têm oportunidades iguais. Este é o desafio apoiar: os esforços para uma mudança positiva de padrões socioculturais e comportamentos onde todas as meninas e mulheres possam também escolher quando e com quem casar e constituir as suas famílias.
Too Young to Wed (Novas demais para casar) depois de inaugurada na sede da ONU em Nova Iorque (Outubro de 2012) e passar por várias capitais e países, chega a Lisboa onde estará aberta ao público de 1 a 15 Setembro das 9 às 19 horas no Átrio da Central do Edifício Sede da Caixa Geral de Depósitos, na Avenida João XXI.
Website: http://tooyoungtowed.org/
Youtube: http://youtu.be/7c_zppPutQw
 Texto oficial da exposição.

NOTA: NÃO SABEMOS SE A EXPOSIÇÃO AINDA ESTÁ EM LISBOA. HÁ DOIS DIAS VIMOS UMA ENTREVISTA NA TV SOBRE ESTE EVENTO. EM TODO O CASO, PODE VER IMAGENS AQUI.

 

Para quando uma manifestação contra a pedofilia em Gaza e no mundo muçulmano?

Afinal, se as camaradas querem criminalizar o piropo...


Na TV, a exposição tem sido apresentada sem uma única referência ao Islão, que é o responsável pela maior percentagem destes casos. Põem no mesmo saco casamentos ENTRE crianças (que ainda se praticam clandestinamente na Índia), e casamentos COM crianças, que se praticam em todo o mundo islâmico, quase sempre de forma legal.

São referidos a Índia (casamentos ENTRE crianças), a América Latina (casamentos de adolescentes) e Portugal (onde a lei permite o casamento a partir dos 16 anos). Mas nem uma referência à mutilação genital feminina e à brutal violação destas crianças pelos ogres que as compram.

Este é um dos nossos post mais populares de sempre:

"Noiva" de 8 anos morre nas "núpcias"

Mais casos nas nossas etiquetas CRIANÇAS e MULHERES - e estamos longe de ser exaustivos...

 



O Islão é totalmente incompatível com a dignidade humana, a democracia, a liberdade, a compaixão, e todos os valores civilizacionais. O Islão é DESUMANO!

domingo, 21 de setembro de 2014

Netanyahu agradece aos amigos de Israel





Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel, apresenta uma breve mensagem de agradecimento a todos os que, pelo mundo, apoiam a única democracia do Médio Oriente - Israel. Temos pena de este excelente documentário não ser legendado em Português. Mas mesmo assim vale a pena vê-lo.

Israel é diariamente atacado por organizações terroristas e países islâmicos, visceralmente hostis aos judeus, por imposição religiosa. Israel é uma das mais antigas nações do Mundo, e de Israel veio o molde da civilização ocidental.  Israel é o povo nativo, já estava na SUA Terra MILÉNIOS antes das invasões muçulmanas e está lá ININTERRUPTAMENTE desde a origem dos tempos.

Hoje, Israel detém uma ínfima parcela da Sua Terra ancestral. Mas mesmo assim, os muçulmanos, os nazis e os comunistas de todo o Mundo, acham que os seus 20.770 km² devem ser anexados, e os seus habitantes mortos.

Este programa da SHALOMshow on TV apresenta também o depoimento do tenente-general Benny Gantz, o Chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel.

Israel busca a paz, no meio de um Médio Oriente perpetuamente envolvido em guerras religiosas e disputas de poder. Infelizmente a maioria dos vizinhos de Israel recusa a paz ou o reconhecimento do direito de Israel a existir, independentemente de concessões feitas



O pequenino Estado Judaico (a azul, consegue vê-lo?), e, a encarnado, os seus vizinhos muçulmanos, que já o atacaram vezes sem conta, e as organizações terroristas mais activas na actualidade. O objectivo prioritário deste vasto continente medieval é a aniquilação de Israel. E depois, do Mundo.


O presidente Shimon Peres afirmou recentemente: 

"É-me difícil entender como é que por todo o mundo, nas ruas e praças, os manifestantes saem em apoio dos terroristas e condenam os que se limitam a defender-se. Eles erguem cartazes, estimulam e incitam a violência.

"É-me difícil entender como um conselho que tem as palavras 'direitos humanos' no seu nome, decidiu criar uma comissão para investigar quem tem razão. São assassinos aqueles que se recusam a ser assassinados?

"Se o direito à vida não é o primeiro dos direitos humanos, de que valem os outros?".


- Lembramos que, em Portugal, o direito de Israel à vida é contestado pela Esquerda. O Partido Socialista, o Bloco de Esquerda e o PCP, na Assembleia da República, tentaram fazer aprovar uma condenação contra Israel, por o país  se ter defendidos terroristas do Hamas. Nunca na História um país esteve tanto tempo debaixo de um bombardeamento até reagir:

Debate de emergência sobre Gaza cria novo Relatório Goldstone; Condena Israel por "graves violações de direitos humanos"

- Houve manifestações antissemitas em Lisboa, de apoio ao terrorismo do Hamas (que diariamente atacam crianças e mulheres em Israel) e  de glorificação do terrorismo.

A extrema-esquerda esteve representada ao mais alto nível (foi o Chico Louçã, como seria de esperar, e a esquerda dita moderada teria estado, se pudesse).

O blog Lisboa Jerusalém referiu o facto aqui. E as fotos dos terroristas e seus apoiantes podem ser vistas aqui. Entre outros idiotas úteis, houve um manuel que foi embrulhado na bandeira gay!!! Em Gaza seria imediatamente linchado.

A Imprensa dá combustível para a chama eterna do antissemitismo.

Terroristas, supremacistas islâmicos, comunistas e idiotas, à solta, em Lisboa:





Aconteça o que acontecer, nós estamos do lado da PAZ, da DEMOCRACIA  e da LIBERDADE. Nós somos contra o TERROR, a TIRANIA e a OPRESSÃO. 

E você?

Mais uma razão para amar Morrisey!


Pois é. Morrisey regressa a Portugal, com toda a sua magia.

Como ser pensante que é, Morrisey está-se nas tintas para as ameaças da organização comunista islamonazi BDS, e vai actuar a Israel sempre que bem entende. Morrisey sabe que jamais lhe seria permitido actuar em qualquer ditadura islamista. Desde logo porque lá a música tende a ser proibida - pelo menos a não religiosa. Depois, porque ele é um infiel, e os infiéis, por lá, não são considerados gente. Além do mais, em boa parte dos países islâmicos, Morrisey seria enforcado devido à sua orientação sexual.

Aqui o vemos a actuar em Tel Aviv, e a receber a chave da cidade:




Obrigado, Morrisey! És um grande HOMEM!

sábado, 20 de setembro de 2014

O LIVRO NEGRO DO COMUNISMO


O LIVRO NEGRO DO COMUNISMO dá voz às vítimas (mais de 100 milhões) que os regimes comunistas causaram durante o século XX. Por conveniências diplomáticas, contando com uma Imprensa quase sempre alinhada à esquerda, os genocídios comunistas continuam esquecidos e esconndidos.

O Nazismo, também chamado Comunismo Alemão, deve ser incluído também no rol das atrocidades cometidas na aplicação prática desta ideologia. Em países comunistas, como a Coreia do Norte, Cuba ou a China, a vida continua a ser um inferno. Nos que para lá caminham (como a Venezuela), o despotismo, o terror e a miséria, são regra.

É desde logo um contra-senso que uma ideologia de partido único concorra em eleições livres. Estas forças anti-sociais participam na Democracia, que logo destruirão, assim que possam. Hoje em dia, com o que se sabe acerca do Socialismo/Comunismo, é estranho que esta atraente  utopia  conte ainda tantos seguidores acríticos.

O Comunismo iniciou os famigerados «pogroms», os programas organizados de perseguição e eliminação dos judeus. A União Soviética eliminou milhões de judeus. Os partidos, países e movimentos comunistas de todo o Mundo, mantêm esse ódio aos judeus e a Israel, participando na difamação do pequeno Estado Judaico e armando os bandos terroristas que tentam extinguir os judeus.

Ainda recentemente, no parlamento português, o Partido Socialista tentou fazer passar uma condenação contra Israel, por este ter exercido o seu direito de defesa em face dos ataques dos terroristas do Hamas. O Partido Comunista e o Bloco de Esquerda apoiaram, é claro. No fundo, no fundo, são farinha do mesmo saco.

Aceda ao livro AQUI.  


Como Osama Bin Laden ou Adolf Hitler, criminosos como Ernesto "Che" Guevara exercem um fascínio estranho em pessoas imaturas - algumas já com idade para terem juízo, aliás...


O trio socialista dos maiores assassinos em massa da História

91 chicotadas por se estar feliz


Dançaste? Agora canta!

Todos os dias, os especialistas de tudo e mais alguma coisa nos asseguram na TV e nos media em geral que o terrorismo islâmico «nada tem a ver com o VERDADEIRO Islão», e que se trata de gente ignorante que «não sabe interpretar o Islão».

Será que as autoridades clericais iranianas também «não compreendem bem o Islão» - como aliás TODAS as autoridades islâmicas do Mundo, que pugnam pela mesma causa? Um exemplo:
 

NO ISLÃO, É PROIBIDO SER "FELIZ"!


19.09.2014 
91 chicotadas por dançarem 'Happy' 
Seis jovens que fizeram vídeo foram condenados. 
Por João Fernandes Silva 
Seis jovens iranianos foram condenados a 91 chicotadas e a penas de prisão por causa de um vídeo, onde aparecem a dançar a música "Happy", da autoria de Pharrell Williams.
O vídeo entitulado "Happy we are from Tehran" ("Felizes por sermos de Teerão"), onde os jovens aparecem a dançar junto a um prédio com as cabeças descobertas, inundou a Internet em maio.
O facto de as três raparigas não terem o hijab (véu) é considerado um atentado à lei islâmica. O grupo acabou por ser detido e terá sido obrigado a gravar uma declaração a confessar o crime. Agora, surgiu a sentença: seis meses de cadeia e 91 chicotadas para cinco dos jovens e um outro com o mesmo castigo físico, mas um ano de prisão.
CORREIO DA MANHÃ

O "CRIME":




A MENTALIDADE

Em Maio já tínhamos falado deste caso, no post:

Jornalismo Manso


Mas esta é uma gota de água no oceano, não se iludam!


"Alá não criou o homem para que ele pudesse divertir-se. O objetivo da criação foi a Humanidade a ser posta à prova por meio de sofrimento e oração. Um regime islâmico deve ser sério em todos os campos. Não há piadas no Islão. Não há humor no Islão. Não há diversão no Islão. Não pode haver diversão e alegria no que é grave" -  Aiatolá Khomeini


RESUMINDO...


Inocentes decapitados, crucificados, assassinados à bomba, a tiro ou dentro dos aviões que são atirados contra edifícios, raptos, estupro colectivo, tortura, canibalismo, espancamentos, mutilação de «infiéis», opressão, perseguição, privação total de liberdade e de direitos humanos, abuso sexual de menores, mutilação genital feminina, enterramento e incineração de gente viva - por não ser muçulmana. E etc., etc., etc.:




Expressão da individualidade, da alegria, do prazer, da liberdade, do pensamento. Tudo o que é agradável e humano. Praticar desporto, conviver com o sexo oposto, música, dança, etc., etc..:




É ASSIM QUE QUEREM PREENCHER A "LACUNA"?

Uma outra explicação dos entendidos de tudo e mais alguma coisa é que o Islão «preenche a lacuna de espiritualidade da sociedade ocidental». É assim que a querem preencher? É como querer curar uma dor de cabeça à martelada.

Ora vamos lá todos, de braço dado com o Louçã e com a malta, para mais uma manifestação de apoio ao terrorismo islâmico, e contra Israel, que isso é que é pós modernaço e chiquérrimo! Levem os chicotes, não vá alguém sentir-se feliz...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Uns bombardeiam, outros plantam




Enquanto os terroristas do  Hamas disparavam milhares de mísseis sobre Israel, os valentes agricultores israelitas, debaixo de fogo, plantavam árvores de fruto. Ao contrário do estereótipo que ainda mora em muitas cabeças, os judeus não são todos banqueiros e industriais riquíssimos (e ainda que o fossem!). Os judeus são pessoas como nós, que têm que trabalhar duro, para viver. Com a diferença de que eles trabalham sob chuvas de mísseis.


A alegria de cultivar
Enquanto o Hamas disparava milhares de mísseis sobre o sul de Israel, no mês passado, os bravos agricultores israelitas plantavam árvores de fruto, antes do próximo ano sabático, conhecido em hebraico como "Shmita".
O Ano Novo judaico começa ao pôr do sol, na próxima quarta-feira à noite, 24 de Setembro. Este Rosh Hashana inaugura um ano sabático na Terra Santa de Israel, como manda a Bíblia:

"... Ao sétimo ano haverá um descanso completo para a Terra"
(Levítico 25: 4)
Assim como o povo de Israel descansa a cada semana no Shabat, a Terra de Israel vai descansar por todo o ano de Shmita. No mês passado - em 11 de Agosto de 2014, correspondente ao dia 15 de Av no calendário judaico - a maioria das formas de plantio de árvores tornou-se proibida, antes do ano sabático.

No meio da Operação Protecção Limite, enquanto os terroristas do Hamas disparvam mísseis sobre as cidades israelitas, os agricultores israelitas faziam o plantio de árvores, tanto quanto possível, antes do prazo - Mesmo sob fogo ...
Agricultores destemidos como Hanan (mostrado no vídeo acima), de Moshav Yavul , perto da Faixa de Gaza e do Egipto, junto à fronteira, plantaram pessegueiros até ao último momento.
Muitos dos pessegueiros de Hanan, e de outros agricultores, foram patrocinados por apoiantes de Israel de todo o mundo (incluindo leitores do nosso blog, que leram posts como este).  Algumas árvores ainda estão disponíveis para dedicatórias antes do início do Ano Novo judaico.


Aqueles que plantaram e dedicaram árvores de fruto foram motivados pela promessa divina de abençoar aqueles que ajudam no cumprimento das leis sabáticas. Muitos agricultores vão sofrer financeiramente por não poderem plantar durante este ano. Aqueles que ajudam os agricultores dedicando árvores, estão a ajudá-los a cumprir o ano sabático.
CLIQUE AQUI para ajudar os agricultores a observar o Ano Sabático
Na Bíblia, Deus prometeu abençoar quem ajuda o próximo na observância da Shmita:

"Vou derramar a minha bênção sobre vós ..."
Levítico 25:20

A próxima oportunidade para esta bênção, ocorrerá daqui a sete anos, durante o próximo ciclo Shmita.


As árvores de fruto podem ser dedicadas em honra ou memória de entes queridos. Muitas foram oferecidas em memória dos três jovens que foram sequestrados e assassinados pelos terroristas do Hamas em Junho passado - Eyal, Naftali e Gilad.  


Quem patrocinar uma árvore receberá um certificados directamente de Israel.

 Ao dedicar uma árvore, estará a:
- Embelezar a Terra de Israel e torná-la mais fecunda.  
- Associar o seu nome a uma árvore, ou uma porção de um pomar, em Israel.
- Honrar a um ente querido com uma significativa  e intemporal dedicatória.
- Ajudar os agricultores de Israel a observar o Ano Sabático  
- Participar numa  observância bíblica muito especial "única em sete anos".

- Fonte: UNITED WITH ISRAEL

 - Mesmo que você não seja uma pessoa religiosa, ou não particularmente simpatizante do Judaísmo ou do Cristianismo, é livre de ajudar Israel. Ao ler este post, já está a ajudar, porque vê com os seus olhos que os judeus não são os maus da fita, como a Imprensa Mundial diz. E a opinião pública, nos nossos dias, é mais poderosa do que um Exército.