sexta-feira, 27 de novembro de 2015

A Verdade nem sempre ganha, mas está sempre certa!


 

Para Condi; Quem Humilha Quem? Um artigo de Eli E. Hertz no site Myths and Facts.  
A tradução é nossa, e esperamos que esteja aceitável.


QUEM HUMILHA QUEM, CONDI? 


Em 11 de Outubro de 2006, num discurso para a task-force Americana para a Palestina, [1] a Secretária Condoleezza Rice afirmou que os árabes palestinos sentem "a humilhação diária da ocupação." Os palestinos dizem que se sentem humilhados e molestados quando as autoridades israelitas os revistam e aos seus pertences; quando são impedidos de "viajar mais livremente" por causa dos postos de controle, dos bloqueios de estradas, e outras medidas de segurança.


Condoleezza Rice interessou-se por Política Internacional quando foi aluna do Professor Joseph Korbel, pai de Madeleine Albright. As suas figuras históricas preferidas são o Apóstolo Paulo e Martinho Lutero (um dos maiores anti-semitas da História; que pena!...). O seu conselho a quem fala em público é que "saiba do que fala". Ela saberá?

"Estudiosa da História Internacional" 

Condoleezza considera-se "uma estudiosa de História Internacional." O Direito Internacional, a Carta das Nações Unidas, e o artigo 80 da Carta da ONU, reconhecem implicitamente o Mandato da Liga das Nações [Mandato para a Palestina]. Este mandato concedeu aos judeus o direito irrevogável de se estabelecerem na área da Palestina - em qualquer lugar entre o rio Jordão e o Mar Mediterrâneo. [2]

Condoleezza deve estar familiarizada com o professor Eugene V. Rostow, um renomado especialista mundial do Direito Internacional que serviu como decano da Yale Law School (1955-1966), que mais tarde se tornou Subsecretário de Estado dos EUA, e que em 1967 fez parte da Resolução 242 da ONU. Ele explica: [3]


"Os mandatos da Liga das Nações têm um estatuto especial no Direito Internacional. Eles são considerados, de facto, 'compromissos sagrados.'"

"Segundo o Direito Internacional, nem a Jordânia nem os "povos" árabes palestinos  da Cisjordânia e da Faixa de Gaza têm razão para a reivindicação da posse soberana dos territórios ocupados."

"... O mandato nega implicitamente reivindicações Árabes e direitos políticos nacionais na área em detrimento dos judeus; o mandato reservou o território para o povo judeu, para a sua autodeterminação e desenvolvimento político, em reconhecimento da ligação histórica do povo judeu com a Terra. Lord Curzon, que era então o Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, fez essa leitura explícita do mandato. Resta apenas a teoria de que os habitantes árabes da Cisjordânia e da Faixa de Gaza têm uma reivindicação inerente a um "direito natural" sobre a área. Nem o Direito Internacional consuetudinário nem a Carta das Nações Unidas reconhecem que cada grupo de pessoas que afirmam ser uma nação tem o direito de um Estado próprio.

"... É uma regra essencial para a paz internacional que reivindicações de autodeterminação nacional sejam afirmadas apenas através de meios pacíficos. O uso da força para reivindicar tais alegações é e deve ser estritamente proibido pela Carta das Nações Unidas ".
"Humilhação"

Em Israel, cada israelita é revistado diversas vezes durante o decurso de um dia. Os israelitas são convidados a abrir as suas malas e bolsas para inspecção. Na maioria dos casos, são submetidos a revistas corporais com um detector de metais, todas as vezes que entram num banco ou numa estação de correios, que compram uma garrafa de leite no supermercado, que entram num centro comercial ou numa estação de comboios, que visitam um hospital ou uma clínica médica. Homens, mulheres e jovens israelitas, são fisicamente revistados em busca de cintos de explosivos antes de entrarem em discotecas.

Os carros dos israelitas são revistados de cada vez que entram num parque de estacionamento. Diariamente, os condutores são sujeitos a operações de segurança que causam engarrafamentos enormes, quando as forças de segurança israelitas estão em perseguição de bombistas suicidas que se acredita terem entrado Israel.

Estas humilhações diárias comuns estendem-se a procedimentos semelhantes quando os israelitas vão a casamentos ou bar mitzvahs. Ninguém fora de Israel fala sobre a humilhação a que os judeus em Israel são submetidos, quando têm que escrever na parte inferior de convites de casamento e outros eventos de ciclo da vida: "O local será protegido [por guardas armados]" - para garantir a segurança dos parentes e amigos que vão assistir e partilhar a sua ocasião feliz.

Até ao momento, ninguém protestou contra o facto de que, desde os anos de 1970, os estudantes judeus em Israel têm que viver rodeados por cercas, com guardas armados nas portas e pátios da escola.

Nem uma aldeia árabe em Israel ou nos territórios tem uma cerca em torno dela. Guardas não são necessários em lojas árabes, cafés, restaurantes, cinemas, salões de festas ou escolas - tanto em Israel como nos territórios. Os palestinos também não precisam de guardas armados para acompanhar cada viagem escolar, caminhada de movimento juvenil ou acampamento. Eles não são alvos do terrorismo.

As crianças árabes nunca foram deliberadamente atacadas por judeus, enquanto os árabes deliberadamente assassinam jovens judeus em internatos, estudantes de liceu em viagens nocturnas e adolescentes em caminhadas pela Natureza. Árabes palestinos atacaram autocarros escolares judeus que transportavam crianças do ensino básico, assassinaram duas crianças que brincavam numa caverna perto das suas casas, mataram uma criança numa creche e assassinaram crianças pequenas que se esconderam debaixo da cama - para além de onda após onda de ataques suicidas.

A liberdade de movimentos dos israelitas é comprometida diariamente, quando inúmeros cidadãos procuram evitar áreas congestionadas por operações anti-terrorismo em curso, quando são forçados a alterar as suas rotinas diárias e a circular por ruas laterais aos distúrbios, quando evitam viajar perto de autocarros públicos, ou simplesmente quando deixam inteiramente de frequentar o coração da sua própria capital. A maioria das excursões escolares foi cancelada ou reduzida durante os últimos quatro anos.

É dito aos israelitas para tentarem passar despercebidos quando viajam para o estrangeiro - é-lhes recomendado que não falem Hebraico em público e que não usem roupas que revelem as suas origens judaicas / israelitas. Por outro lado, os árabes que frequentam as cidades judaicas em Israel vestem a sua roupa tradicional árabe sem medo de serem atacados ou molestados.

Na verdade, Secretária Rice, o israelita médio é "humilhado e assediado" muito mais vezes por dia do que o palestino comum.


Contribuição para sociedade civilizada? Fazer a paz com um povo que celebra o assassínio em massa?
Condi, você acredita que os árabes palestinos "têm muito para dar à comunidade internacional e a todos nós". Na verdade, culturalmente, os palestinos não são diferentes de outros árabes. As únicas contribuições de que os palestinos podem reivindicar crédito são a invenção da pirataria aérea para fins políticos na década de 1960, e, ultimamente, um tipo especial do terrorismo suicida que usa os seus próprios filhos como bombas humanas para fazerem explodir pizzarias, discotecas e transportes  públicos.

Michael B. Oren, que escreve no Wall Street Journal, pergunta: "Como pode haver paz com um povo que celebra o assassinato em massa?"
"Não há, obviamente, nada de novo sobre os palestinos aplaudindo  o terror. Durante a Guerra do Golfo em 1991, eles dançaram nos telhados em louvor de mísseis Scud iraquianos chovendo em bairros israelitas. Mais uma vez, em meados da década de 1990, após as bombas nos autocarros em Israel que mataram dezenas de pessoas - uma deles foi a minha cunhada - cerca de 70.000 palestinos encheram um estádio de Gaza para animarem uma reencenação do massacre. As mortes de mais de 3.000 norte-americanos em 11 de Setembro foram outro motivo para dançar nas ruas palestinas, embora os homens de Arafat tivessem proibido a cobertura jornalística da festa". [4]
Condi; para os judeus, a construção de um futuro nunca foi fácil. A segregação foi um aspecto constante na sua vida. 

De um relatório da Comissão Real Palestina depois de visitar a Palestina em 1937: [5]
"A cada ano que passa, o contraste entre esta comunidade intensamente democrática e altamente organizada e moderna [judaica] e o antigo mundo árabe ao redor dela, torna-se mais nítido, e, mais que tudo, talvez, de forma mais acentuada no seu lado cultural. A produção literária do Lar Nacional Judaico é fora de proporção em relação ao seu tamanho." 
"O mesmo se passa com a Ciência. O Instituto Daniel Sieff Research (hoje Instituto Weitzman  em Rehovot) está equipado com os instrumentos mais modernos e delicados; as experiências   realizadas são seguidas por químicos em todo o mundo; mas das suas janelas podem ser vistas as colinas habitadas por camponeses obtusos, que consideram o Instituto apenas como a manifestação de um poder que eles odeiam e temem, e que gostariam, sem dúvida, quando o seu sangue ferve, de destruir."
Falando no geral, seja o judeu que deixou uma vida confortável, num ambiente culto e agora passa os dias a cavar os campos e a noite numa casa vazia, ou seja o judeu um gueto polaco e agora trabalha numa fábrica em Tel Aviv, o sentimento dominante de ambos é uma enorme sensação de fuga. Os campeões do Sionismo sempre afirmaram, e estão agora a provar, que um judeu, liberto de um ambiente anti-judaico e "restaurado" na Palestina, não apenas se sente livre como nunca sentira antes, como também adquiriu uma nova auto-confiança, um novo entusiasmo na vivência da sua consciência que está envolvido numa grande tarefa construtiva."
A Política dos EUA mudou?

Em 30 de Junho de 1922, uma resolução conjunta de ambas as Câmaras do Congresso dos Estados Unidos aprovou, por unanimidade, o Mandato para a Palestina - o direito irrevogável de os judeus se estabelecerem na área da Palestina - em qualquer lugar entre o Rio Jordão e o Mar Mediterrâneo [6]

Em 21 de Setembro de 1922 - o presidente Warren G. Harding, (o vigésimo nono presidente ; 1921-1923) assinou a resolução comum de aprovação para estabelecer uma pátria judaica na Palestina. Os factos falam por si - A verdade nem sempre ganha, mas está sempre certa.
Eli E. Hertz

[1] Ver texto completo em: http://www.state.gov/secretary/rm/2006/73895.htm.
[2] Consultar documento: http://middleeastfacts.org/content/UN-Documents/Mandate-for-Palestine.htm.
Comentário: http://www.mythsandfacts.com/Conflict/mandate_for_palestine/mandate_for_palestine.htm#B1.
[3] Eugene V. Rostow Biography em: http://www.law.yale.edu/YLR/pdf/ylr50-2/Rostow.pdf.
[4] Para uma descrição da "cultura de glorificação da morte", que empurra adolescentes imaturos para se fazerem explodir em pedacinhos, guiados pela "promessa de "70 virgens quando chegarem ao Paraíso", ver: Michael B. Oren, “Palestinians Whoop It Up: How can there be peace with a people that celebrates mass murder?”, The Wall Street Journal Opinion Journal em: http://www.opinionjournal.com/extra/?id=110002113. (11593).
[5] Relatório Palestine Royal Commission. Julho 1937, cap V, 110/556
[6] "Resolvido pelo Senado e Câmara dos Representantes dos Estados Unidos da América no Congresso. Que os Estados Unidos da América favoreçam o estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o povo judeu, sendo claramente entendido que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos dos cristãos e de todas as outras comunidades não-judaicas na Palestina, e que os lugares santos e edifícios religiosos e locais na Palestina devem ser adequadamente protegidos."

Nota: Poderíamos ter inserido vídeos e outros documentos ilustrativos de cada afirmação constante deste texto (as celebrações "palestinas" dos atentados de 11 de Setembro, por exemplo), mas o blogue já tem desses documentos em profusão. E estamos longe de ser exaustivos. Só é burro quem quer.

P.S. - Clique no logo, ou no canto superior direito do nosso blogue e apareça, este domingo à tarde:

https://www.facebook.com/events/940449149365388/

Os organizadores do evento estão a prever escassas dezenas de pessoas. Não é a mesma coisa que uma manifestação de apoio a França, por exemplo. Reflicta bem no porquê de assim ser e... apareça!


P.P.S. - Acabadinho de chegar, este vídeo que documenta a "humilhação diária da ocupação", como diz a Condi, que, por ser afro-descendente nos Estados Unidos, apoia os "palestinos" porque são "pobrezinhos":

Na Austrália, um muçulmano vai a uma sinagoga e tenta roubar uma scooter. Ofendido por ter sido apanhado, começa a insultar e agredir um judeu, querendo obrigá-lo a "submeter-se a Alá" e a ordenar-lhe que "voltasse para Israel"

Repare bem: os judeus que vivem fora de Israel estão a ocupar terra muçulmana (todo o planeta), e, como tal, devem ir para Israel, de onde devem por sua vez ser expulsos por estarem em terra muçulmana.

O judeu dominou o boçal, mas teve o cuidado de não lhe causar dano físico, para não fazer manchetes em todo o Mundo: "JUDEU MALVADO AGRIDE MUÇULMANO FOFINHO". Mesmo assim, se o Louçã ou a Marisa Matias ou a Isabel Moreira ou o Boaventura Sousa Santos, ou assim, sabem disto, convocam já uma manifestação de ódio a Israel.





Esta cena resume bem todo o conflito Israelo-Árabe.

1 comentário:

  1. Muito bem. A verdade é tão dura e tão sofrida que as pessoas não a entendem nem fazem esforço para isso.

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.