domingo, 1 de novembro de 2015

Tragédia no Sinai


224 pessoas morreram ontem, após a queda do avião em que viajavam, sobre a Península do Sinai.  Acidente, ataque com mísseis ou bomba a bordo, as causas da tragédia são ainda desconhecidas.

Excertos da notícia do Washington Post sobre a tragédia de ontem:
CAIRO - Um avião russo que transportava mais de 200 passageiros caiu na Península do Sinai, no Egipto, disseram as autoridades egípcias e russas este sábado, levando duas operadoras a desviarem os voos na área depois de os militantes do Estado Islâmico/ISIS terem afirmado que abateram a aeronave.
A Lufthansa da Alemanha e a Air France-KLM passaram a evitar o espaço aéreo do Sinai, fazendo crescer a preocupação internacional com o alcance bélico dos jihadistas na região, ainda que as autoridades e os  especialistas em aviação tenham negado as reivindicações dos terroristas. 
As autoridades egípcias e russas negaram no sábado que os jihadistas tenham abatido o avião, que voava a 31.000 pés antes de se ter despenhado. Mísseis terra-ar normalmente  só conseguem abater aeronaves que voem abaixo de 10.000 pés, dizem os analistas.
O trajecto da aeronave

O voo charter dirigia-se para a cidade russa de São Petersburgo e era operado pela transportadora russa Metrojet. "Desapareceu" logo após a descolagem do resort egípcio de Sharm al-Sheikh, no
Mar Vermelho, um destino popular entre os turistas russos, disse a Agência de Transporte Aéreo Federal da Rússia.
Os 217 passageiros e sete tripulantes sobrevoavam uma região remota no centro de Sinai, informou o Ministério da Aviação Civil egípcia. Não houve sobreviventes, disseram as autoridades egípcias e a Embaixada da Rússia no Cairo. (...)

Este mapa mostra os ataques da coligação ocidental e os da Rússia, na guerra civil em curso na Síria:

Duas das maiores companhias aéreas da Europa disseram que não iriam sobrevoar o Sinai, que é palco de uma insurgência islâmica violenta, até os investigadores determinarem a causa do acidente. A filial do Estado Islâmico/ISIS no
Sinai reivindicou este sábado que os seus combatentes derrubaram o Airbus A320 para vingar os ataques russos sobre os insurgentes na Síria, mas o grupo não disse como derrubou o avião. 
A Rússia está a fazer uma intervenção militar na Síria para apoiar o seu aliado, o presidente sírio Bashar al-Assad, que enfrenta uma guerra civil devastadora. Aviões de guerra russos têm realizado centenas de ataques aéreos e mataram dezenas de civis na Síria ao longo do mês passado.
Os jihadistas do Sinai juraram lealdade ao Estado Islâmico/ISIS no ano passado e têm realizado centenas de ataques contra as forças de segurança. Especialistas em segurança dizem que os militantes são conhecidos por terem mísseis terra-ar  que podem abater aeronaves voando a baixa altitude.
A Airbus, de propriedade francesa, disse em comunicado que o avião que caiu foi construído em 1997 e tinha acumulado mais de 56.000 horas de voo. A Metrojet adquiriu-o em 2012, disse a Airbus.(...)


 Sharm al-Sheikh

Turistas russos visitam a Península do Sinai no Egitpto todos os anos, pois aí as temperaturas permanecem altas durante todo o Inverno. A parte sul do Sinai, ao longo da costa do Mar Vermelho, não é atormentada pela mesma violência islâmica no norte do Sinai, que faz fronteira com a Faixa de Gaza. Os veraneantes procuram as praias imaculadas do Sul do Sinai, mas o turismo tem sofrido com a violência e os tumultos na esteira da Primavera Árabe.
 
No início deste ano, o ministro do Turismo egípcio Khaled Abbas Rami disse que cerca de 3 milhões de turistas russos viajaram para o Egipto em 2014, principalmente para visitar resorts no Mar Vermelho. 
O governo egípcio disse este sábado que entre os passageiros mortos estavam três cidadãos ucranianos. Os restantes passageiros eram cidadãos russos, incluindo 17 crianças.

O nosso breve comentário: acidente ou ataque terrorista, o Estado Islâmico/ISIS, cujo fim foi anunciado por Barack Obama, ganha terreno em todo o globo, de dia para dia, está a mudar as vidas de toda a gente e continua o seu genocídio implacável. A inacreditável incompetência da actual geração de líderes assim o tem permitido.

2 comentários:

  1. É uma nova escalada se o avião foi derrubado. Este estado islâmico, para se manter com este poderio militar, tem que ter enormes conivências e ajudas de outros estados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digam o que disserem, com o velho George W. Bush não se teria chegado a este ponto.. Como a Natureza tem horror ao vazio, avança a Rússia para o lugar que deveria ser naturalmente ocupado pelo Mundo Livre, absolutamente sem liderança.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.