terça-feira, 26 de abril de 2016

(Mais) evidências Históricas do Êxodo do Egipto



"Joshua atravessa o Rio Jordão com a Arca da Aliança"- Benjamin West
 
Evidências antigas do Êxodo do Egipto

Embora o assunto ainda seja objecto de debate, há evidências que indicam que o Êxodo pode ter ocorrido mais cedo do que defendem muitos arqueólogos.
- A Páscoa judaica ('Páscoa' significa 'Passagem') comemora a saída dos Judeus do Egipto, onde eram escravos.
Alguns historiadores definem a época do Êxodo dos Israelitas do Egipto, que é recitado a cada ano na mesa da Páscoa judaica, por volta da época de Ramsés II (1303 ACE-1213 AEC).
- "AEC" significa "Antes da Era Cristã".
O Tanakh (A Bíblia) afirma que os Israelitas construíram a Cidade de Ramsés, mas uma inscrição de todo o tempo de Ramsés II afirma: "Distribuí as rações de cereais aos soldados e aos habiru que constroem a grande Ramsés".
- A palavra 'habiru' designa escravos, estrangeiros, gente de baixa condição social.


A Cidade de Ramsés seria assim, no auge da sua glória. 
Da mesma forma, uma estela de vitória do faraó Amenhotep II (1427 ACC-1401 AEC), lista vários prisioneiros enviados para o Egipto, e 3600 Habiru são listados como escravos egípcios, o que implica que os escravos Habiru já estavam na terra do Egipto na época de Ramsés II. Alguns estudiosos acreditam que os Habiru eram os Hebreus.  
- Além do mais, note-se a semelhança fonética.
O "timing" é tudo

Christian Bale no papel de Moisés, "o primeiro anti-herói do mundo".

No entanto, registos Egípcios Antigos afirmam que nada que se assemelhe à história do Êxodo ocorreu durante a época de Ramsés II. Esse facto levou alguns a questionarem a existência da história do Êxodo. 
No entanto, Immanuel Velikovsky, escrevendo em 1952, afirmou que o aparente conflito entre a Arqueologia e a Tanakh relacionado com a história do Êxodo é baseado no facto de que a história do Êxodo foi mal datada, e que se a história do Êxodo for datada correctamente, todas essas contradições desaparecem. 
O arqueólogo Emmanuel Anati também afirmou: "O nome de Ramsés, no Livro do Êxodo e no do Génesis, surge como uma indicação geográfica: indica o local onde, segundo a tradição, os Hebreus estavam no Egipto. Não é necessariamente o mesmo nome que o local deve ter tido na época dos Patriarcas ou no tempo de Moisés ". 


A oitava praga, a dos gafanhotos (imagem do filme "Êxodo: Deuses e Reis").

Na verdade, de acordo com o Midrash (literatura rabínica), o Faraó da história do Êxodo foi nomeado Adikam, e não Ramsés II, e teve um curto reinado de quatro anos antes de se afogar no Mar Vermelho. 
O Faraó que precedeu Adikam, de acordo com o Midrash, foi nomeado Malul, e reinou dos seis anos de idade a 100. Curiosamente, o sacerdote e historiador egípcio, Manetho, escrevendo no século 3 AEC, bem como um papiro egípcio antigo conhecido como Papiro de Turim (imagem abaixo) menciona um Faraó que governou da idade de seis a 100 anos, conhecido como Pepi II (2284 AEC-2184 AEC).


O (que resta do) Papiro lista cerca de 300 Faraós.
Durante a Sexta Dinastia, da qual Pepi II faz parte, os Egípcios realizaram muitos ataques punitivos. De acordo com Anati, "um comandante chamado Uni imortalizou as acções contra os asiáticos que viviam no território da areia", e descreve situações comparáveis ​​às do Livro de Êxodo. A partir desses relatos temos uma imagem de um mundo conceptual e contextualmente muito próximo do descrito nas narrações bíblicas. O exército de Uni "devastou os recintos dos animais, destruiu as barracas, cortou os figos e as videiras e voltou para o Egipto em segurança".

Além disso, o Papiro de Ipuur, datado de entre 2345 AEC a 2181 AEC, descreve muitos eventos muito semelhantes às dez pragas. 
É dito que "o rio é sangue", o que corresponde ao Êxodo 7:20: "todas as águas que estavam no rio se transformaram em sangue"; é dito também que "na terra não há luz", o que é semelhante ao Êxodo 10:22 - "e houve trevas espessas em toda a terra do Egipto". 


  Imagem do filme "Êxodo: Deuses e Reis".

Continuando a citar o Papiro: "Em verdade, portas, colunas e paredes foram consumidas pelo fogo" o que é semelhante ao Êxodo 9: 23-24: "O fogo desceu à terra e foi granizo e fogo misturado com granizo".
Quando Moisés estendeu a vara para o céu, o Senhor fez vir trovões e granizo, e raios caíam sobre a terra. Assim o Senhor fez chover granizo sobre a terra do Egito.
Caiu granizo, e raios cortavam o céu em todas as direções.
Êxodo 9:23,24"O fogo desceu à terra (...) não foi saraiva e fogo misturado com saraiva, tão grave ".
É também dito que as árvores foram "destruídas. Nem frutas nem ervas foram encontradas". Êxodo 09:25 afirma: "E o granizo feriu toda a erva do campo, e quebrou todas as árvores do campo". 
E mesmo a morte dos primogénitos é mencionada: "Em verdade, os filhos de príncipes são lançados contra as paredes. Em verdade, os filhos de príncipes são lançados para as ruas". Êxodo 12:29 declara: "E sucedeu que, à meia-noite, o Senhor feriu a todos os primogénitos na terra do Egipto, desde o primogénito do Faraó, que se sentava no trono, até ao primogénito do cativo que estava no cárcere".

Embora o assunto ainda seja objecto de muito debate, tendo em conta esta evidência, a história do Êxodo poderá ter ocorrido mais cedo do que o que muitos arqueólogos afirmam.

Por Rachel Avraham

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.