sábado, 24 de junho de 2017

Suécia: Mutilação Genital, Estupro, Sharia e o Fim

(Não perca o último vídeo, no final do post) 

Suécia: 150.000 mulheres sofreram Mutilação Genital; grandes áreas sob o domínio islâmico

Viver sob o único "governo feminista" do mundo está a tornar-se cada vez mais perigoso, especialmente para as mulheres. Grandes partes do país, incluindo a capital, Estocolmo, são efectivamente governadas por muçulmanos aderentes à Sharia.
Um novo relatório fornece informações perturbadoras sobre as mudanças no tecido da sociedade sueca que seguiram um influxo sem precedentes de refugiados e migrantes muçulmanos.
O relatório é parcialmente escrito pela SVT, órgão de informação estatal sueco, e conclui que pelo menos 150 mil mulheres na Suécia sofreram mutilação genital. Este procedimento brutal pode envolver a remoção parcial ou completa do clitóris (isto é, clitoridectomia, clitorectomia ou infibulação), além da excisão dos lábios também. Muitas vezes, esta operação é realizada em condições de higiene precárias e sem anestesia.
As autoridades ficam atónitas com o elevado número de mulheres e jovens que foram submetidas à MGF. Um relatório de 2015 concluiu que "apenas" 38 mil mulheres sofreram mutilação genital. Este aumento acentuado provavelmente resulta da determinação dos políticos suecos de cumprirem a Convenção da ONU sobre Refugiados e os regulamentos da UE sobre as quotas de refugiados.
A Suécia tem uma população de 10 milhões (cinco milhões de mulheres e meninas).
A tolerância e a abertura sueca entraram no debate internacional, já que o presidente americano Donald J. Trump usou o país como exemplo de como os refugiados e a migração dos países islâmicos corroem o Estado de Direito e contribuem para a formação de enclaves islâmicos, mesmo sociedades fortes como as democracias da Europa do Norte.
Grandes áreas da Suécia estão agora sob o domínio islâmico de facto. Estocolmo, a capital da Suécia, está quase completamente cercada por áreas (comumente chamadas de "zonas não-go") que são verdadeiramente governadas por gangues muçulmanos e "polícias" islâmicos que impõem a sharia. "Existem regiões onde hoje em dia reina a ilegalidade em Estocolmo", disse um chefe de Polícia nervoso, Lars Alvarsjø. "Existem algumas áreas em que parece que perdemos o controle".
Lars Alversjø diz que "o sistema jurídico, que é um pilar de toda sociedade democrática, está a entrar em colapso na Suécia". Per Magnus Ranstorp, pesquisador de terrorismo e radicalização no Colégio Nacional de Defesa da Suécia, elabora: "Nas piores áreas, os extremistas assumiram completamente o controlo. Todo o senso de justiça e paz estão ameaçados pelo facto de que a Polícia está a perder e as coisas estão a piorar. A Suécia está numa situação desastrosa ".

Em áreas sob o domínio islâmico na Suécia, os direitos humanos estão a deteriorar-se rapidamente, especialmente para as mulheres. A mutilação genital feminina é apenas um horrível exemplo de uma mudança geral na sociedade sueca, na sequência da chegada de um grande número de refugiados ou migrantes muçulmanos.
"Em muitas áreas, a auto-nomeada polícia da sharia ameaça e persegue as mulheres, impondo-lhes a lei islâmica, a Sharia. Ameaças e assédio podem ser consequências se a mulher não for casada, se as suas pernas não estiverem cobertas ou se estiverem a beber um copo de álcool na sua varanda. Vizinhos, estranhos, mesmo crianças e adolescentes, ameaçam as mulheres a seguir a Sharia. Se as mulheres não cumprem, a polícia sharia aumenta a sua intimidação. Uma mulher conta como um grupo de homens subiu ao seu apartamento usando o tubo de drenagem e confrontou-a na sua própria casa porque ela se recusou a cumprir as suas demandas".
Jihad Watch10news.one




Assim vai a Suécia (8 vídeos):
 

O jogo árabe do estupro, um 'must' na Suécia:



Síndrome de Estocolmo:

 

Refugiado islâmico rouba e mata sueco, e afasta-se a rir:



Etc..

E agora, VAMOS AO FUNDO DA QUESTÃO:


sexta-feira, 23 de junho de 2017

História de Israel - Guerra do Yom Kippur

Mais um post da série HISTÓRIA DE ISRAEL:

Bibliografia:
Stand With Us.  
Jewish Virtual Library 

Myths and Facts




Guerra do Yom Kippur

A terceira década de Israel foi um tempo volátil. Golda Meir ocupou o cargo de Primeira Ministra, sucedendo a Levi Eshkol, que morreu enquanto estava no cargo. Em Setembro de 1970, o Rei Hussein da Jordânia lançou uma campanha militar para expulsar a OLP do seu país e restabelecer a sua monarquia. Quando a Síria invadiu a Jordânia, com a intenção de ajudar a OLP, Israel reuniu tropas na fronteira síria e a Síria retirou as suas forças. Posteriormente, a OLP mudou a sua sede para o Líbano, assumindo o controle do sul do país.

Também nesse momento, os judeus soviéticos estavam a tentar desesperadamente entrar em Israel, devido ao aumento do anti-semitismo na União Soviética. No entanto, foi negado a muitos a concessão de ​​vistos de saída da URSS. Esses judeus ficaram conhecidos como os Prisioneiros de Sião, ou "refuseniks". Um dos reféns mais famosos, que se tornou um defensor sincero da causa “refusenik” e mais tarde um membro do Knesset, foi Nathan Sharansky.



 Golda Meir


1972 foi também o ano da tragédia nos Jogos Olímpicos de Munique. Uma organização afiliada na OLP, Setembro Negro, à qual pertencia o actual líder da “Autoridade Palestina”, o mega-terrorista  Mammoud Abbas, organizou um ataque sistemático contra os atletas judeus alojados na Aldeia Olímpica. Devido ao laxismo na segurança, os terroristas foram capazes de entrar nos apartamentos dos israelitas. Dois atletas foram mortos nos apartamentos, e nove outros foram levados como reféns e assassinados após uma tentativa de resgate fracassada. No rescaldo dos assassinatos, Israel lançou com uma campanha para eliminar os terroristas que assassinaram os reféns, e as Forças de Defesa de Israel também atacaram a sede da OLP no Líbano.


No ataque terrorista contra a delegação israelita nas Olimpíadas de Munique, planeado pelo actual líder "palestino" Mammoud Abbas, os  jihadistas torturaram e mutilaram os atletas antes de os assassinarem (como aconteceu em Paris, no Ba-ta-Clan). O halterofilista Yossef Romano foi castrado e os companheiros obrigados a presenciar.


Dentro das fronteiras israelitas, no entanto, havia uma sensação de paz e segurança, e o povo estava totalmente confiante de que seu Exército iria protegê-lo de novos ataques. Essa complacência teve consequências desastrosas. Anwar Sadat, o presidente do Egipto após a morte de Gamal Abdel Nasser, havia repetidamente afirmado que o Egipto atacaria Israel. Sadat alternou essas ameaças com ofertas de paz em troca da terra que Israel tinha conquistado em 1967. O Rei Hussein, num esforço para retribuir a Israel a sua ajuda no ataque da Síria em 1970, alertou Israel de que um ataque estava iminente. Golda Meir, no entanto, não tomou a sério o aviso, e o povo israelita estava convencido de que seu poder militar era bastante dissuasivo.

Eles foram completamente surpreendidos, quando, na manhã de Yom Kippur, em 1973, o dia mais sagrado do calendário judaico, o Egipto e a Síria lançaram um ataque surpresa contra Israel. As forças inimigas entraram em Israel através do Canal de Suez e dos Montes Golan com o objectivo declarado de recapturar a terra conquistada por Israel. O esforço egípcio-sírio foi assistido por outros países árabes: Iraque; Arábia Saudita e Kuwait, que enviaram dinheiro e tropas; pelos países da África do Norte (Líbia, Argélia, Tunísia e Sudão); e Líbano. Mesmo o Rei Hussein, um tanto relutante, enviou duas das suas melhores unidades para a Síria.


É desta! - pensou o mundo...

O povo israelita foi tomado completamente de surpresa e não teve tempo suficiente para se preparar. A princípio, os exércitos egípcio e sírio avançaram. Eles estavam melhor armados do que em 1967, e o Exército israelita tinha negligenciado tarefas básicas de manutenção dos seus tanques e armamento, deixando-os despreparados, com armas de baixo desempenho. No entanto, num período de três semanas, o IDF recompôs-se e foi capaz de recapturar os Montes  Golan das forças sírias e expulsar as forças egípcias na Península do Sinai.

Passado um mês, foram assinados acordos de cessar-fogo. Apesar da vitória, a Guerra do Yom Kippur é considerada geralmente uma falha, devido às pesadas baixas sofridas pelas tropas israelitas. Mais de 2.600 soldados foram mortos, e outros 7.200 feridos. O alto número de mortes é geralmente atribuído à falta de preparação de Israel para um ataque de tal magnitude. Além das perdas de tropas, a economia sofreu devido ao enorme orçamento de armas necessário para a guerra. Na esteira do desaire, a Primeira-Ministra Golda Meir renunciou, e Yitzhak Rabin, que tinha sido Chefe de Gabinete do IDF, assumiu o cargo de Primeiro-Ministro. Outro resultado da guerra foi que o Egipto e Israel mostraram maiores sinais de vontade de negociar, levando aos Acordos de Camp David no final da década.

Ariel Sharon com Moshe Dayan durante a Guerra do Yom Kippur, em Outubro de 1973.

Como resultado da Guerra do Yom Kippur, a Arábia Saudita iniciou um embargo de petróleo contra todos os países que negociavam com Israel, especificamente os Estados Unidos e a Holanda, que tinham apoiado Israel durante a guerra. Israel, que havia avançado na esfera diplomática durante a década de 1960, regrediu, já que muitos países africanos e asiáticos romperam os laços diplomáticos com Israel. Os Estados Unidos foram obrigados a comprar petróleo através dos países europeus, e os preços do petróleo dispararam em todo o mundo. O mundo árabe ganhou uma vantagem, porque percebeu o grande poder que exercia com o seu fornecimento de petróleo, que continua a ser crucial. O embargo só terminou em Março de 1974.

Massacre de Ma'alot. Os terroristas massacraram 26 inocentes e a ONU recompensou-os com o reconhecimento.

Em Maio de 1974, outra organização afiliada na OLP cometeu um acto brutal de terrorismo contra crianças. 102 crianças de uma escola de Ma'alot foram mantidas reféns pela Frente Democrática para a Libertação da Palestina. Vinte e duas crianças  e quatro adultos foram mortos. 66 ficaram feridas. Apesar disso, naquele mesmo ano a ONU reconheceu a OLP como representante do “povo palestino”. Muitos afirmam que este foi um esforço de apaziguamento dirigido ao mundo árabe, com o embargo de petróleo ainda fresco na mente de todos. A OLP obteve o estatuto de observador permanente na ONU e, em 1975, a ONU aprovou a tristemente famosa declaração "Sionismo é Racismo".


David continua a vencer Golias


Durante os anos de Rabin, de 1975 a 1976, os assentamentos religiosos judeus começaram a expandir-se na Judeia e Samaria (a que os inimigos de Israel chamam Cisjordânia) e na Faixa de Gaza. O ataque histórico a Entebbe ocorreu em 1976, quando um avião da Air France foi sequestrado por terroristas ‘palestinos’ e alemães, da Frente Popular para a Libertação da Palestina e das Células Revolucionárias, respectivamente, e voou para o Uganda, na época governado pelo canibal, assassino em massa, tirano e ditador Idi Amin. Os reféns não-judeus foram libertados e os terroristas ameaçaram matar os restantes reféns judeus se as exigências de libertação dos prisioneiros não fossem cumpridas. Rabin lançou uma arriscada operação para resgatar os reféns, e, a coberto da noite, os comandos israelitas entraram, resgataram os reféns e mataram muitos dos terroristas. Três reféns foram mortos e cinco comandos israelitas ficaram feridos. O único soldado israelita que morreu foi Yonatan "Yoni" Netanyahu, irmão de Benjamin Netanyahu. Em sua honra, a operação foi mais tarde renomeada "Operação Yonatan".


 Yonatan "Yoni" Netanyahu, irmão de Benjamin Netanyahu, morto em combate.


Menachem Begin tornou-se primeiro-ministro em 1977, o primeiro político de Direita a fazê-lo. Começar por apoiar activamente os assentamentos na Judeia e Samaria, e os de Gaza, que começaram sob a liderança de Rabin, apesar de o então Presidente dos Estados Unidos, o esquerdista e islamófilo Jimmy Carter,  se ter manifestado contra. Em Novembro de 1977, um ponto de viragem no conflito Egipto-Israel foi alcançado. O presidente Anwar Sadat visitou Jerusalém para conversar com Begin

Os dois países iniciaram o processo de paz. Em Março de 1978, terroristas libaneses-‘palestinos’ que se opunham a este processo de paz sequestraram um autocarro que transportava famílias israelitas, matando 35 pessoas, incluindo treze crianças. Israel atravessou a fronteira para o Líbano, mas retirou-se alguns dias depois de a ONU ter criado uma força de manutenção da paz para permanecer no Líbano.

Israel tem enfrentado inimigos desmesuradamente superiores, mas é o seu pior inimigo, ao acreditar que a paz é possível com aqueles que vivem para os destruir.

Em Setembro de 1978, o Presidente dos EUA Jimmy Carter reuniu com Anwar Sadat e Menachem Begin em Camp David, e foi acordado um plano para a paz entre os países. Os acordos estabeleceram um plano amplo para a paz no Médio Oriente, incluindo a autonomia para os 'palestinos' na Judeia e Samaria e Gaza e um tratado de paz entre o Egipto e Israel. Em Março de 1979, os dois Chefes de Estado assinaram o tratado, com Carter como testemunha. Israel ofereceu assim a Península do Sinai ao Egipto, em Abril de 1982. Esse território, rico em recursos naturais, representava 2/3 da área de Israel.

Jamais na História um país teve tal atitude: trocar terra por paz. Como aconteceu em Gaza (outro território oferecido em troca de paz) e na Judeia e Samaria, estas acções de boa-vontade da parte de Israel foram desastrosas, tendo servido apenas para que os inimigos ganhassem novas bases para novos ataques, na sua perpétua ânsia de destruição do povo judeu.




 

quinta-feira, 22 de junho de 2017

"Terrorista" de Finsbury Park tinha história de problemas psiquiátricos



Neste Ramadão, e quando o número de mortos pelo Islão já ronda os 1500, registou-se (caso inédito!) um ataque de um não-muçulmano contra muçulmanos. Um indivíduo com problemas mentais e sob o efeito de drogas atropelou um grupo de muçulmanos em Londres. Um dos muçulmanos estava ser assistido pelos serviços de emergência médica, mas consideremos que foi morto no atropelamento. A Esquerda, que se ri e diz que os ataques islamistas são "propaganda", quer agora prender todos os que se opõem à islamização da Europa. Por causa deste caso. 

Lembramos sempre os nossos leitores e amigos de que todos temos o direito de auto-defesa, mas que a resistência ao domínio do Islão se deve fazer pela cidadania, pela pressão junto dos políticos, pelo voto, pela adesão ou criação de partidos políticos que combatam a colonização islâmica e a jihad

Atropelar muçulmanos, além de ser crime e de ser moralmente errado, nada resolve, só vai precipitar uma guerra civil que todos queremos evitar, e vai dar mais munições às forças jihadistas e pró-jihadistas - como a esquerda e os neo-nazis, que rejubilaram com este incidente.



Darren Osborne


   
Neste episódio de atropelamento de muçulmanos, 
que vinham de mesquita de Finsbury Park, (onde desde sempre se pregou o ódio), o suspeito tentou matar-se há seis semanas, saltando para um rio, e implorou para ser esquartejado. 

A sua irmã Nicola, de 50 anos, disse que Darren Osborne era um indivíduo profundamente perturbado, que tentou roubar o seu bisavô cego de 90 anos. Atacou um carro à facada, partou os tornozelos e e cortou os nervos em dois dos seus próprios dedos.

   É lamentável o que aconteceu em Finsbury Park, apesar de se tratar de uma mesquita que reconhecidamente prega o ódio e a jihad, mas Darren Osborne tem uma história de doença mental.  


    Há aqueles que, como a Joana Amaral Dias, afirmam que os jihadistas também são todos pessoas mentalmente doentes, e que o terrorismo na atem a ver com o Islão. A diferença fundamental é que não há outro grupo que não sejam os muçulmanos, a tentar conquistar e submeter o Mundo com base nas ordens da sua religião e respectivos líderes políticos e religiosos (no Islão a separação é ténue).  

Nenhuma outra ideologia matou tanto, tão barbaramente e durante tanto tempo, como o Islão:



Islão já MATOU mais de 670 MILHÕES de inocentes


   
A aliança esquerdista-jihadista, que assobia para o lado a cada massacre islamista, culpando o Capitalismo e outras entidades e razões vagas, continua a explorar o filão Anders Breivik, apesar de este ser um simpatizante do Islamismo e do Comunismo Alemão, vulgo Nazismo.

   A aliança esquerdista-jihadista continuará a fazer todo o possível para tentar fazer passar que o atropelamento de Finsbury Park foi um ataque terrorista, mas não foi. Este sim, foi um incidente isolado. 

   As estatísticas sobre os abusos dos direitos humanos por Estados islâmicos sob a Sharia, a violência jihadista em todo o Mundo, a História das conquistas e os esforços contínuos do Islão visando o domínio global, provam a diferença entre um impulso calculado para conquistar a Casa da Guerra (e os abusos e o extermínio dos infiéis e apóstatas) e um ataque isolado, cometido por um homem mentalmente doente que foi  agravado pela barbárie do terrorismo islâmico que tem varrido o Reino Unido e a Europa, desde a chegada dos "refugiados".

   De notar também que, neste caso, o suspeito foi imediatamente nomeado, a sua identidade revelada, e a Primeira-Ministra Theresa May veio imediatamente a público dizer que iria "esmagar a islamofobia". Que contraste com o que acontece após cada ataque islamista...


  
"O suspeito de terrorismo em Finsbury Park tentou matar-se há seis semanas, atirando-se a um rio de Cardiff, e implorou para ser esquartejado, afirmou a sua irmã"

por Nick Fagge, Martin Robinson e Tom Burrows, MailOnline, 20 de Junho de 2017:

    
O suspeito de terrorismo em Finsbury Park tentou matar-se há seis semanas saltando para um rio e implorou para ser esquartejado, de acordo com a sua irmã.

    
Darren Osborne, 47, é acusado de ter atropelado muçulmanos no norte de Londres nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, antes de saltar e gritar: "Eu vou matar todos os muçulmanos!".

    
Falando exclusivamente para o MailOnline, a sua irmã Nicola, 50, disse que Osborne era um indivíduo profundamente perturbado, que tentou roubar o seu bisavô cego, de 90 anos ....

   
A mãe disse que não iria defender o seu filho, e descreveu o incidente como uma "atrocidade", e Nicola disse que o seu irmão "nunca foi normal".

    
Ela disse: "Ele nunca aprendeu a não reagir. Ele esfaqueou um carro e cortou os nervos em dois dos seus dedos. E nunca se tratou, de modo que os seus dedos são deformados. Ele partiu os próprios tornozelos, e ficou com um andar estranho".

   
Revelou ainda que o seu irmão mais novo havia tentado o suicídio nas últimas semanas e pediu para ser internado e levado para atendimento psiquiátrico após a ruptura inesperada com a sua parceira Sarah Andrews, 42.

    
A Sra. Osborne disse ao MailOnline: "Ele tentou matar-se há seis, oito semanas.
Atirou-se ao rio em Cardiff".

    
"Ele pediu para ser internado, mas eles não quiseram fazê-lo. Ele estava sob antidepressivos. Veio ver-me depois de ter tentado matar-se. Mostrou o traumatismo na cabeça. Eu não sei como ele saiu do rio, ou mesmo o que aconteceu"....

 --------------------------------------



 Osborne conseguiu sobreviver à tentativa de linchmento pelos muçulmanos.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Islão já MATOU mais de 670 MILHÕES de inocentes


"É muito mais fácil agir como se os críticos do Islão tivessem um problema com os muçulmanos como pessoas, do que aceitar a incómoda verdade de que o Islão é diferente."

 Mais um post da série  Estatísticas Muçulmanas.

670 milhões de não-muçulmanos foram massacrados desde o nascimento do Islão

Um artigo do THE MUSLIM ISSUE


Esses números continuam a aumentar, enquanto novos pesquisas históricas trazem à luz do dia massacres esquecidos, como o dos Cristãos Arménios:




"Entre 1915 e 1917 os turcos exterminaram mais de um milhão de arménios. Quem fala sobre isso hoje?" - Adolf Hitler, 1939, pouco antes de iniciar o Holocausto.



Para o total de números, actualizamos mais de 80 milhões de cristãos mortos por muçulmanos em 500 anos nos estados dos Balcãs, Hungria, Ucrânia e Rússia.

Faltam números sobre o genocídio islâmico dos judeus, um objectivo contínuo no Islão por 1.400 anos.

E temos a Índia. O número estimado oficial de massacres muçulmanos de hindus é de 80 milhões. No entanto, o historiador muçulmano Firistha (b. 1570) escreveu (no Tarikh-i Firishta e no Gulshan-i Ibrahim) que os muçulmanos abateram mais de 400 milhões de hindus até ao auge do governo islâmico da Índia, reduzindo a população hindu de 600 milhões para os actuais 200 milhões.

Com estas novas adições, o genocídio muçulmano de não-muçulmanos desde o nascimento de Maomé está contabilizado em mais de 669 milhões de assassinatos.


Islão: a religião do genocídio

Pondo as coisas em perspectiva: acha que a Inquisição espanhola foi má? 

Mais pessoas são mortas por islamistas todos os anos do que em todos os 350 anos da Inquisição espanhola * combinados.

    
A Inquisição espanhola (Tribunal do Santo Oficio de Inquisição) de 1478 a 1834 foi estabelecida devido às invasões muçulmanas. Foi uma guerra para tentar acabar com a infiltração islâmica, o fascismo
e a conquista árabe.

    A Inquisição espanhola foi uma resposta à natureza multi-religiosa da sociedade espanhola após a reconquista da Península Ibérica aos Mouros Muçulmanos.

    
Depois de invadirem em 711 grandes áreas da Península Ibérica, os muçulmanos governaram-na até 1250, quando a sua presença ficou restrita a Granada, que caiu em 1492. No entanto, a Reconquista não resultou na expulsão total dos muçulmanos da Espanha, já que eles, juntamente com os 
judeus escravizados, foram tolerados pela confissão cristã dominante. As grandes cidades, especialmente Sevilha, Valladolid e Barcelona,  ​​tiveram populações judaicas significativas centradas nas Juderias. Os muçulmanos tentaram assumir o controle em todo o país e expandiram-se para a França, para instalarem um Estado Islâmico onde quer que fossem.

    
Para expulsar o
vicioso parasita islâmico da nação, o Tribunal matou  então todos os suspeitos de serem contaminados pelo islamismo, mesmo aqueles que foram escravizados pelos muçulmanos.

    
A Inquisição não só perseguiu os Protestantes, como os falsos convertidos vindos do Judaísmo, e também procurou falsos convertidos entre os moriscos, convertidos forçados do Islão. Muitos eram suspeitos de praticarem o Islamismo em segredo. A Inquisição matou qualquer pessoa suspeita de praticar outra religião. Ninguém foi poupado.

    
Tão bem sucedida foi a empresa em 1609, que no espaço de meses, a Espanha foi esvaziada dos seus moriscos. Expulsa
ram os moriscos de Aragão, Múrcia, Catalunha, Castela, Mancha e Extremadura.

Em outras palavras, a Inquisição espanhola salvou toda a região de ser submetida pela lei islâmica. Foi um acto brutal, mas essencialmente histórico, que resultou no sacrifício de milhões de pessoas para exterminar o Islão completamente da terra espanhola. Foram necessários quase 400 anos para acabar com os muçulmanos. Imagine-se o enorme volume de muçulmanos no país para que tenha demorado quase quatro séculos para se livrarem deles.


 Acha que o KKK tem sido mau desde 1950?


Estes números são uma estimativa aproximada da morte de não-muçulmanos pelo acto político da jihad.



Desde o 11 de Setembro e até hoje, dia 20 de Junho de 2017, o Islão já realizou 31046 ataques terroristas. O site THE RELIGION OF PEACE  mantém o registo detalhado de cada ataque, a lista dos mortos e dos feridos. 
Por exemplo, em 25 dias e Ramadão, já foram cometidos 145 ataques terroristas em nome do Islão, causando 1350 mortos:



África

Thomas Sowell [Thomas Sowell, Race and Culture, BasicBooks, 1994, p. 188] estima que 11 milhões de escravos foram enviados pelo Atlântico e 14 milhões foram enviados para as nações islâmicas do norte da África e do Médio
Oriente.

Por cada escravo capturado, muitos outros morreram.

As estimativas desse dano colateral variam. O famoso missionário David Livingstone calculou que, por cada escravo que chegava a uma plantação, outros cinco tinham morrido no ataque para a captura ou  de doença e privação, na marcha forçada.

[Conselho de Missões Presbiteriano da Mulher, David Livingstone, p. 62, 1888]


Aqueles que ficavam para trás eram os jovens, os fracos, os doentes e os velhos. Esses morriam logo, enquanto os mais resistentes eram escravizados ou mortos.

Assim, para 25 milhões de escravos entregues ao mercado, temos uma morte estimada de cerca de 120 milhões de pessoas. O Islão fazia o comércio por atacado de escravos em África.


120 milhões de africanos mortos pelo Islão.




  
Cristãos

O número de cristãos martirizados pelo Islão é de 9 milhões [David B. Barrett, Todd M. Johnson, World Christian Trends AD 30-AD 2200, William Carey Library, 2001, p. 230, tabela 4-10].

Uma estimativa aproximada de Raphael Moore em History of Asia Minor é que outros 50 milhões morreram em guerras pela jihad.

Então, contando o milhão de cristãos africanos mortos no século 20, temos:

59 milhões de cristãos
mortos por muçulmanos na Ásia Menor.

80 milhões de cristãos mortos por muçulmanos durante 500 anos nos Estados dos Balcãs, Hungria, Ucrânia, Rússia.


Este cálculo não inclui a guerra biológica árabe da Idade Média, quando os judeus eram escravizados e infectados pelos muçulmanos, e despejados em toda a Europa. Eles eram infectados com doenças no brutal tráfico de escravos realizado pelos árabes, que comercializavam negros, cristãos e judeus, que conseguiram sobreviver pagando jizya, o imposto exigido aos não-muçulmanos. 

Essas pessoas doentes eram então espalhadas pela Europa, durante os esforços muçulmanos para conquistar a costa italiana (Veneza), Grécia, Espanha, etc. A peste acabou por matar metade de toda a população da Europa.

Hindus

Koenard Elst, em Negacionism in India, dá uma estimativa de 80 milhões de hindus mortos na jihad total contra a Índia. [Koenard Elst, Negacionism in India, Voz da Índia, Nova Deli, 2002, pg. 34.]


O país da Índia hoje é apenas metade do tamanho da Índia antiga, devido à jihad. As montanhas perto da Índia são chamadas de Hindu Kush, que significa a "pira funerária dos hindus".


O maior genocídio da História foi realizado pelos muçulmanos contra os hindus:

 


80 milhões de hindus + 320 milhões = 400 milhões de hindus
mortos pelos muçulmanos.


[ACTUALIZAÇÃO: De acordo com relatos do 1899, numa declaração feita pelo líder religioso indiano Swami Vivekananda citando o historiador muçulmano Firistha, os muçulmanos abateram mais de 400 milhões de hindus durante um governo muçulmano de 800 anos, trazendo a população de 600 milhões para 200 milhões. Firishta escreveu o Tarikh-i Firishta e o Gulshan-i Ibrahim. Se os muçulmanos realmente abateram mais de 400 milhões de pessoas na Índia, o genocídio muçulmano em todo o mundo excederia 890 milhões de vítimas. 

"Quando os maometanos nos invadiram pela primeira vez - e eu creio na autoridade de Ferishta, o historiador muçulmano mais antigo - disseram ter eliminado 400 milhões de hindus. Agora somos cerca de duzentos milhões".

- Entrevista de Swami Vivekananda, publicada em Prabuddha Bharat, Abril de 1899 e compilada sob o título "Sobre os limites do hinduísmo".]

400 milhões de hindus
mortos por muçulmanos.


[Na história da valente nação indiana foram principalmente os sikhs que criaram uma muralha humana para tentar deter os invasores muçulmanos. Os sikhs continuam a ser honrados pela sua bravura e muitos servem como Generais e Coronéis no Exército indiano.]



Budistas


Os budistas não mantêm uma história da guerra. Tenhamos em mente que, na jihad, somente cristãos e judeus foram autorizados a sobreviver como dhimmis (servos do Islão). Todos os outros tiveram de se converter ou morrer.


A Jihad matou os budistas na Turquia, no Afeganistão, ao longo da Rota da Seda e na Índia. 


O total é de cerca de 10 milhões. [David B. Barrett, Todd M. Johnson, World Christian Trends AD 30-AD 2200, William Carey Library, 2001, p. 230, tabela 4-1.]

10 milhões de budistas mortos por muçulmanos.

Judeus

Curiosamente, nunca houve judeus em número suficiente para afectarem significativamente os totais da Grande Aniquilação promovida pela Jihad. A jihad na Arábia foi 100 % eficaz, mas os números de judeus chacinados foram de milhares, não chegaram a milhões. Depois disso, os judeus submeteram-se e tornaram-se dhimmis (servos dos muçulmanos e cidadãos de segunda classe).

Isso dá uma estimativa de mais de 669 milhões de pessoas mortas pela jihad.

Dados em falta:
 
Persas

 

Os muçulmanos invadiram e ocuparam os persas, amantes da paz, os seguidores de Zoroastro.
 
Cristãos do Médio Oriente




Os cristãos do Médio Oriente estão a ser dizimados pelos islamistas, e nós na Europa recebemos jovens colonos islamistas de todo o Mundo, como "refugiados da Síria".

Um Cristão é Massacrado a Cada Cinco Minutos

Os "refugiados" e o Holocausto dos Cristãos


Chineses



Além disso, os muçulmanos mataram 11 milhões de outros muçulmanos desde 1948, além dos 669 milhões (ou mais) de não-muçulmanos que assassinaram ao longo dos séculos. Quantos muçulmanos assassinaram em 1.400 anos de Islão, não se sabe.

590,000,000: MAIS DO QUE STALIN, HITLER, MAO, POL POT, IDI AMIN (um muçulmano sunita), E O RESTO DOS SOCIALISTAS GENOCIDAS DO SÉCULO 20! E NÃO FICOU POR AQUI. 

A matança feita pelos muçulmanos ao redor do mundo continua até hoje.

     POR BOAS RAZÕES, OS ESQUERDISTAS ADORAM ODIAR A INQUISIÇÃO ESPANHOLA, O KKK, E HÁ MUITO BONS ARGUMENTOS CONTRA A PENA CAPITAL NOS EUA (QUE EU, PESSOALMENTE, APOIO!).


     A ESQUERDA NÃO TEM PROBLEMA EM CHAMAR BARBÁRIE À INQUISIÇÃO ESPANHOLA, AO KKK E À PENA CAPITAL.

     MAS PORQUE É QUE ELES NÃO CRITICAM O ISLÃO - QUE É NOTORIAMENTE MAIS MORTAL DO QUE TODOS OS TRÊS COMBINADOS!?!?


     De facto, nenhuma IDEOLOGIA FOI TÃO GENOCIDA COMO O ISLÃO. 


     NENHUMA IDEOLOGIA FOI TÃO SEDENTA DE SANGUE POR TANTO TEMPO, DURANTE TANTOS SÉCULOS…


     NENHUMA IDEOLOGIA FOI TÃO ANTI-LIBERDADE, ANTI-DEMOCRACIA - OU ANTI-MULHER.


É TEMPO DE PARAR. DE VEZ.



Decapitação de cristãos pelos muçulmanos. 1,5 a 2 milhões de cristãos na Arménia. Este genocídio foi sugerido pelo Grand Mufti al-Hussaini a Hitler e aos nazis, e adaptado aos judeus - acabando por criar o Holocausto. Antes de se ter associado com al-Husseini, Hitler não havia cometido prisões ou perseguições ao povo judeu. O genocídio foi iniciado após a associação de Hitler com al-Husseini e a colaboração com os muçulmanos e o seu exército jihadista, que foi oferecido como colaborador dos nazis.

---------------------------------------



Hitler e o Grande Mufti de Jerusalém (COM VÍDEOS)

-------------------

Um espectro assombra a Europa: O CALIFADO

1 BILIÃO* de muçulmanos querem a Sharia