terça-feira, 11 de abril de 2017

Devem os Estados Unidos ser o Polícia do Mundo?



Na sequência de:

Trump ataca regime de Assad - "vistas curtas"?


E a propósito:

Acção dos EUA contra o genocídio: Um breve guia


O ataque de mísseis de Trump contra a Síria inaugura um novo capítulo na longa e controversa história das respostas americanas - e às vezes não-respostas - aos assassinatos em massa em todo o mundo.

Por Rafael Medoff

Embora o assassinato de civis sírios pelo regime do Presidente Bashar al-Assad não constitua, tecnicamente, genocídio - que as Nações Unidas definiram em 1948 como "a intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional, étnico, racial ou religioso", não há dúvida de que Assad cometeu crimes de guerra hediondos e em grande escala.

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ordenar ataques com mísseis contra a Síria, foi motivada principalmente por preocupações humanitárias sobre o último ataque químico de Assad contra civis sírios, embora Trump também tenha citado o perigo para os interesses dos EUA decorrentes da proliferação de armas químicas.


Como é que a acção de Trump se compara às respostas passadas dos EUA ao genocídio? Aqui está uma amostra:


Estado islâmico


Sob a pressão do Congresso em 2015, o governo Obama declarou tardiamente que as atrocidades cometidas pelo grupo terrorista do Estado Islâmico contra Yazidis, cristãos e outras minorias não-muçulmanas na Síria e no Iraque constituem genocídio. A decisão da administração, no entanto, não resultou em qualquer mudança na política dos EUA de ataques aéreos limitados contra o Estado islâmico.

Líbia


Em resposta aos ataques contra civis líbios por Muammar Gaddafi no início de 2011, o presidente Barack Obama autorizou a participação dos EUA com os seus aliados em ataques aéreos e navais contra o líder líbio. Citando a fraca resposta internacional à Bósnia, Obama disse que a intervenção na Líbia era necessária para evitar "um massacre que teria reverberado em toda a região e manchado a consciência do mundo". Kadafi foi morto e o seu regime foi derrubado. 

Darfur

O presidente George W. Bush não viu nenhuma razão convincente para intervir no assassinato em massa levado a cabo pelo governo sudanês, de cerca de 500.000 civis não-árabes na região do Darfur, que começou em 2003. O governo Bush também inicialmente resistiu aos apelos do Congresso para categorizar o assassinato como genocídio. O Presidente Obama continuou a política de não-intervenção no Darfur. O Tribunal Penal Internacional condenou em 2009 o líder sudanês Omar al-Bashir por acusações de genocídio, mas o governo Obama recusou-se a buscar a sua prisão ou a estabelecer uma zona de exclusão aérea sobre o Sudão, apesar das atrocidades em curso.

Ruanda 


O governo Clinton estava ciente, em tempo real, do massacre de centenas de milhares de Tutsis étnicos por esquadrões da morte hutu no Ruanda, no início de 1994. Susan Rice, então directora de Assuntos Africanos do Conselho de Segurança Nacional, opôs-se a uma intervenção, por receio de  consequências negativas "nas eleições de Novembro [Congresso]". Com a insistência da então embaixadora Madeleine Albright, os EUA apoiaram a retirada das forças de paz internacionais no Ruanda, que se pensava estarem em perigo. Ironicamente, Albright co-presidiu mais tarde à task-force de Prevenção do Genocídio na administração Obama. 

Bósnia

Os estudiosos legais adoptaram o termo "limpeza étnica" para caracterizar as atrocidades generalizadas na guerra dos Balcãs entre 1992 e 1995, que foram realizadas principalmente por sérvios contra muçulmanos. O presidente Bill Clinton inicialmente resistiu à intervenção dos Estados Unidos, mas em resposta a um massacre de 8.000 muçulmanos bósnios em Julho de 1995, Clinton autorizou a participação dos EUA em ataques aéreos da NATO. A campanha de bombardeio levou as partes beligerantes a negociarem o fim do conflito.

Camboja


Na esteira da impopular Guerra do Vietname, os presidentes Gerald Ford e Jimmy Carter recusaram-se a intervir quando o recém vitorioso regime comunista no Camboja, dos Khmers Vermelhos, realizou o assassinato em massa de cerca de 2 milhões de civis (muitos dos quais eram alvos étnicos e minorias religiosas) de 1975 a 1979.

O Holocausto


O governo de Franklin D. Roosevelt rejeitou pedidos para bombardear o campo de extermínio de Auschwitz ou as linhas ferroviárias que levavam a ele, alegando que tal acção exigiria desviar aviões americanos das zonas de batalha. Na realidade, os aviões dos EUA em 1944 repetidamente bombardearam campos de petróleo sintéticos alemães adjacentes a Auschwitz, alguns deles a menos de cinco milhas das câmaras de gás. A verdadeira razão pela qual o governo se recusou a tomar tal acção militar foi o medo - como disse um alto funcionário do Departamento de Estado - "do perigo de que o governo alemão concordasse em entregar aos Estados Unidos e à Grã-Bretanha um grande número de judeus refugiados."


O bombardeamento de Budapeste pelos EUA no Verão de 1944, embora não relacionado com o assassinato em massa dos judeus, afectou involuntariamente o processo de homicídio. Funcionários húngaros interceptaram mensagens de judeus locais pedindo a intervenção militar dos EUA, e erroneamente concluíram que os ataques dos EUA contra Budapeste foram em resposta à deportação de judeus húngaros para Auschwitz. Consequentemente, a Hungria parou tardiamente a sua cooperação com as deportações, interrompendo-as.

Arménia


A ideia da intervenção dos EUA contra as atrocidades no exterior surgiu pela primeira vez durante a Primeira Guerra Mundial na Turquia, com a matança de mais de 1 milhão de arménios. O ex-presidente Theodore Roosevelt exortou a declarar a guerra à Turquia. "A falha em lidar radicalmente com o horror turco significa que todo o discurso de garantir a paz futura do mundo é um absurdo", advertiu em 1918.

A súplica de Roosevelt atraiu poucos partidários. Até hoje, sucessivos presidentes recusaram-se a reconhecer publicamente que os assassinatos constituíram genocídio, por medo de perturbar as relações EUA-Turquia. A sensibilidade da questão foi ainda mais ilustrada pela recusa da administração Obama, por mais de um ano, de exibir um tapete feito à mão enviado por órfãos arménios para a Casa Branca em 1925, em apreço pela ajuda pós-guerra dos Estados Unidos.
 



Olhando em frente

A comemoração este mês do Dia Memorial do Holocausto (Yom HaShoah) será ocasião para muita discussão sobre o contraste entre a resposta tradicionalmente escassa da América ao genocídio e a acção dramática dos EUA na Síria. O ataque com mísseis foi um gesto único, ou representa uma mudança substantiva na política americana? O tempo vai dizer.



O Dr. Rafael Medoff é director fundador do Instituto David S. Wyman para Estudos do Holocausto, e autor ou editor de 16 livros sobre o Holocausto e a História judaica.



https://worldisraelnews.com/us-action-genocide-brief-guide/

----------------------------------------


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.