sexta-feira, 21 de abril de 2017

Mais um ataque terrorista islâmico em Paris

Mais um agente da Polícia assassinado em nome do deus Alá. Mais uma vítima da incúria criminosa e da cupidez dos dirigentes europeus. A nossa sentida homenagem ao agente caído em serviço e votos de boa recuperação aos que ficaram feridos.


1. O TERROR BANALIZA-SE



Ontem à noite, Paris voltou a ficar em estado de emergência - mais do que já está, como toda a FRANÇA, com presença em massa de Polícia e Forças Armadas nas ruas. "Desconhecidos" abriram fogo sobre agentes policiais, matando um e ferindo dois. A habitual tropa fandanga de comentadores acorreu logo às televisões a jurar que se tratava de um "tiroteio", possivelmente relacionado com extremistas de Direita ou traficantes de droga.

Hoje em dia é preciso saber descodificar as notícias mainstream para perceber o que de facto se passa. O Daily Star informou que a Polícia Francesa disse tratar-se provavelmente de um "acto terrorista"

Pobres polícias, que arriscam a vida pela segurança dos cidadãos, e nem contam como gente quando são assassinados. Pobres polícias franceses, que são atacados, abatidos, e nem podem queixar-se. Ou vão presos

Filtrado o dialecto politicamente correcto, ficámos a saber que se tratou de mais enriquecimento cultural muçulmano. Sem surpresas. Há uns anos eram os bandos de cabeludos de extrema-esquerda que matavam polícias aqui na Europa. Agora são os muçulmanos.

2. A IMPRENSA ESCONDE 


Depois, o roteiro habitual deste filme de terror permanente, em que a Europa vive, desde a chegada dos "refugiados".

- Trecho da notícia do  Telegraph:
Um polícia foi morto a tiro nos Champs-Elysées em Paris na noite de quinta-feira por um atirador que estava sob investigação preliminar por terrorismo, mas "foi libertado". O ataque reivindicado pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS).
O ISIS reivindicou o ataque, que tem lugar dias antes das eleições presidenciais francesas, através da sua agência de notícias Amaq, e nomeou o atacante como sendo Abu Yousif al-Bajiki (o Belga), mas a Polícia disse que a identidade não havia sido confirmada. 
O presidente François Hollande disse estar convencido de que foi um ataque terrorista. 
(Excelente dedução, Inspector Hollande!!!) 
O atirador foi detido recentemente para interrogatório numa esquadra de Meaux, nos arredores de Paris, depois de "informantes" indicarem que ele estava  a "procurar obter armas para matar polícias", segundo relatos. 
Mas, devido à falta de provas, os promotores antiterroristas "libertaram-no".
Abu Yousif al-Bajiki

Não é de estranhar que o enriquecedor cultural Abu não tenha sido detido. Com uns bons 53 milhões de colonos muçulmanos na Europa, sendo que em certas áreas (como Londres, por exemplo) 80% são terroristas assumidos, a Polícia nada pode fazer. 

Cada agente da Polícia corre o risco de ser despedido por "racismo" (lembramos os 10 milhões de crianças estupradas por muçulmanos no Reino Unido, sem que a Polícia se tivesse arriscado a agir, até porque estuprar crianças faz parte da cultura islâmica).


3 . OS JORNALISTAS "NÃO SABEM"...


Hoje de manhã, as Televisões "não sabiam" quem tinha sido o autor do ataque, coitadinhas! Estavam mais preocupadas com a possível influência nas eleições (leia-se a eleição de um candidato anti-colonização islâmica). A generalidade da Imprensa ignorou deliberadamente que o ISIS assumiu a responsabilidade por mais este massacre. O Independent foi uma das excepções.  

No noticiário das oito, a Antena 2 (uma filial comunista, como toda a Rádio estatal lusa), deliciava-se a apresentar uma peça de teatro de um grupo de Almada, com um diálogo nojento que atribuía a Deus e ao Capital a responsabilidade pela "tragédia dos 'migrantes'". A peça é considerada pelo próprio grupo como "uma provocação consciente e deliberada"



Vezes sem conta temos aqui exposto a PATRANHA dos "refugiados", sustentada por um exército de jornalistas-propagandistas a soldo. Os terroristas do Massacre de Paris no Ba-Ta-Clan e no Stade de France também eram "refugiados".



Existe uma linha muito nítida que separa refugiados verdadeiros e soldados do Islão, que vêm de (mas nunca vão para!) países islâmicos ricos e que dizem que vêm da Síria.


Mais um grupo de colonos, homens jovens, bem nutridos, com treino militar., muitos deles terroristas com experiência, entram na Europa como "refugiados". E celebram com uma selfie com selfie-stick.


Robert Spencer escreve que "este ataque deve levar as autoridades europeias a perceberem que estão numa guerra, que a situação está a piorar, que não estão a ganhar e que precisam de reavaliar drasticamente a abordagem a todo este problema. Mas provavelmente não o farão".

4. A UNIÃO EUROPEIA PACTUA


União Europeia lança "Eurislam" - o projecto de islamização da Europa

Aqui na Europa, primeiro está a necessidade, a pulsão imperiosa de se ser morto pelos terroristas muçulmanos, só para demonstrar que somos muito progressistas, e que estamos muito compungidos com o nosso passado colonial. Já o passado colonial islamista e comunista, que mataram, respectivamente, mais de 240 e de 100 milhões de inocentes, entre horrores inimagináveis, esse é um colonialismo bonzinho, cultural, puro, não-capitalista, não Branco, não judaico-cristão!


 5. OS TERRORISTAS ATACAM A POLÍCIA IMPUNEMENTE

Mas o leitor e amigo quer mais uma evidência de que os poderes aqui na Europa estão apostados em destruir os nativos? Aqui vai:



MailOnline:


     O JIHADISTA ASSASSINO DE PARIS TINHA SIDO CONDENADO A 2O ANOS, POR TENTAR MATAR UM POLÍCIA, MAIS FOI LIBERTADO

            O assassino que matou a tiro um polícia e feriu gravemente dois outros em Paris esta noite, já havia sido preso por abrir fogo contra agentes da Lei, e falava sobre o seu desejo de matar polícias, nas redes sociais.
 Karim C, de 39 anos, usava o pseudónimo 'Abu Yousuf, o Belga' e fazia as suas ameaças obscuras na aplicação de mensagens Telegram.
                Foi condenado por um ataque a tiro em 2001, que deixou dois polícias gravemente feridos, segundo os relatos, e a pena foi de 20 anos de prisão.

                As autoridades francesas confirmaram que o tiroteio perto dos Champs-Elysées foi um ataque "direccionado", e os promotores abriram uma investigação sobre terrorismo.

                O ISIS reivindicou a responsabilidade pelo ataque, que foi realizado com uma arma Kalashnikov. Um transeunte também foi ferido.

                O presidente francês, François Hollande, disse estar convencido de que o ataque está "relacionado com o terror", e vai realizar uma reunião de gabinete de segurança na parte da manhã.

                O atirador, nomeado pelo Le Parisien como Karim C., foi morto a tiro na cena do crime.

                O assassino, de origem francesa, morava em Chelles, uma cidade de cercanias perto de Paris, no departamento de Seine-et-Marne.

                Em 2003, foi condenado a 20 anos de prisão de alta segurança após ataques em Roissy-en-Brie, e também em Seine-et-Marne.

                Mas foi libertado logo depois de um pedido de clemência, dando-lhe a liberdade para realizar o ataque desta noite.

                Karim C. era o proprietário registado do Audi cinzento usado no ataque desta noite.

                Uma busca em sua casa mais tarde encontrou armas e munições, disseram fontes de segurança.

                Karim alvejou um carro de patrulha estacionado, com de agentes de controle de tráfego que trabalham para o município de Paris.

                O agente morto estava ao volante, e a tomar uma refeição ligeira, no momento da sua morte.

            A rede de televisão francesa BFMTV informa que  o terrorista tinha usado o serviço de mensagens de Internet Telegram, que os extremistas dizem favorecer, devido à sua encriptação....

 ---------------------------------------------
6. NÃO SE SABE PORQUE QUEREM DESTRUIR A EUROPA


E perguntarão os leitores e amigos: o que leva as autoridades europeias, capitaneadas pela Alemanha, a pugnarem tão denodadamente pela queda da nossa Civilização, pelo regresso da Europa à barbárie, pela guerra civil?


 

Wolfgang Schäuble

Eu cá não sei. Posso citar-vos três opiniões:
- O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, disse numa entrevista que "a imigração em massa é uma coisa boa, porque de outra forma, a endogamia poderia fazer a degenerar a raça alemã". E para isso, é necessário deixar entrar bárbaros, analfabetos, terroristas, gente com metade do QI dos europeus! Boa!!! 
Ver:
O grave problema da endogamia europeia

- Walid Shoebat, ex-terrorista islâmico "palestino", convertido ao Cristianismo e Amigo de Israel, acha que Angela Merkel e sua pandilha estão a tentar criar uma guerra civil na Europa para refazerem o Império Nazi Alemão.

     - Iá, bué de letras e quê... Bora aí mas é ao teatro a Almada, que a culpa é do Capital, pá! E no Verão temos o Festival Islâmico de Mértola e a Festa do "Avante!". Pá...

Iá, minha, vamos ao Teatro:



Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.