segunda-feira, 24 de abril de 2017

'Quatro milhões de judeus poderiam ter sido salvos', afirma Netanyahu em Yom Hashoah


"Se os poderes em 1942 tivessem agido ..., poderiam ter salvo 4 milhões de judeus e milhões de outras pessoas", afirmou Netanyahu na cerimónia oficial do Dia do Memorial do Holocausto no Yad Vashem.

No seu discurso no domingo à noite na cerimónia oficial de Estado que marcou o início do Dia do Memorial do Holocausto no Museu do Holocausto/Yad Vashem, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu denunciou a inacção dos Aliados durante o Holocausto e o seu fracasso em salvar os judeus.

Referindo-se a documentos da ONU recentemente divulgados mostrando que os Aliados compreenderam a situação terrível dos judeus da Europa já em 1942, Netanyahu enfatizou a importância de um forte Estado judeu.

"Se os poderes em 1942 tivessem agido contra os campos de extermínio - e tudo o que era necessário era bombardearem-nos repetidamente - se tivessem agido, poderiam ter salvo 4 milhões de judeus e milhões de outras pessoas", disse ele.

Cerimónia integral:



"Os poderes sabiam, e não agiram", afirmou. "Quando crimes terríveis estavam a ser cometidos contra os judeus, quando os nossos irmãos e irmãs estavam a ser enviados para os fornos, os poderes sabiam e não agiram".
"Temos de ser capazes de nos defender"

Netanyahu declarou três causas para o abate organizado de judeus: anti-semitismo generalizado, indiferença global e a fraqueza do povo judeu na Diáspora. A lição é clara, continuou ele, enfatizando a importância de um forte Estado de Israel e da sua capacidade de se defender.

"Temos de ser capazes de nos defendermos sozinhos contra qualquer ameaça e contra qualquer inimigo", declarou. "De um povo indefeso, nós transformámo-nos numa nação robusta. De uma nação indefesa, nós transformámo-nos num país poderoso, que pode defender-se, com um dos exércitos mais fortes".

Netanyahu disse que essa lição o guia "todas as manhãs e todas as noites".

Israel transformou-se numa nação forte, com uma das "mais fortes forças defensivas do mundo", acrescentou Netanyahu, alertando que "aqueles que buscam destruir-nos, colocar-se-ão em perigo de destruição".

O líder israelita também condenou a "hipocrisia" das Nações Unidas (ONU), que , disse, transfere o seu "ódio aos judeus em ódio ao Estado judeu".
World Israel News

- Tal como no Holocausto, hoje  Mundo sabe do extermínio dos Tibetanos pela China comunista e nada faz; sabe do extermínio dos cristãos na Coreia do Norte e nada faz; sabe do extermínio dos cristãos e dos animistas no sul do Sudão, e nada faz; sabe do extermínio dos cristãos (1 cristão e assassinado a cada 5 minutos) e de outras minorias no mundo islâmico, e nada faz.  Daqui a uns anos também iremos dizer hipocritamente que "nunca mais"?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.