terça-feira, 18 de julho de 2017

Nunca volte as costas à mesquita

O ministro da Segurança Pública israelita, Gilad Erdan, fala no funeral do agente da polícia Druso israelita, Kamil Shnaan, na aldeia de Hurfeish, a 14 de Julho de 2017. Haiel Sitawe e Kamil Shnaan morreram na sexta-feira num ataque a tiro perto do complexo do Monte do Templo na Cidade Velha de Jerusalém. Foto de Basel Awidat / Flash90.

Na sequência de:


Mais de 1000 ataques contra israelitas desde o início da INTIFACADA.




Os terroristas.

O comentário de Robert Spencer:
Mesmo para os padrões da jihad implacável que vemos em Israel, o ataque de sexta-feira que assassinou dois polícias drusos israelitas foi algo incomum. No vídeo divulgado pela polícia israelita, vemos a razão pela qual estes dois agentes corajosos, bem treinados e altamente disciplinados, foram abatidos tão facilmente. Eles estavam de costas para a ameaça. Eles estavam estacionados numa das entradas do chamado "terceiro sítio mais sagrado" do Islão, a chamada Mesquita de Al Aqsa, o "Nobre Santuário", construído sobre as ruínas do Segundo Templo Judaico no Monte do Templo, em Jerusalém.


Esta é uma entrada apenas para muçulmanos. Fica situada no coração do "Bairro Muçulmano", e somente os árabes estão autorizados a usá-la, para terem acesso ao Monte do Templo. Os polícias que a guardam estão lá estacionados, presume-se, para evitar que qualquer outra pessoa suba para atacar a mesquita, e por razões de controle de multidões, especialmente quando milhares de muçulmanos se dirigem lá para rezar.

NDT: O Templo é uma casa de oração para todas as nações (consulte a Bíblia). Esta mesquita, como todas as mesquitas, é apenas para muçulmanos. Até parece o apartheid da África do Sul...


Também já conhecemos a identidade dos três terroristas. Eles não vêm de qualquer lugar que possam ser considerados "ocupado". Eles são da cidade árabe israelita de Um Al Fahm, no norte de Israel.


As vítimas.

Estes dois homens corajosos foram assassinados num acto de terrorismo islâmico, por defenderem um local sagrado islâmico. É isso que aparentemente glorifica Alá e favorece a causa da jihad implacável.

Deve-se notar que quando um judeu ou um cristão são vistos silenciosamente a mover os lábios, eles são expuldos do Monte do Templo, porque os muçulmanos têm medo de que possam estar a fazer uma oração silenciosa. Da última vez que eu estive no Monte do Templo foi com Tommy Robinson.

NDT: Tommy Robinson é um activista anti-jihad no Reino Unido:


No entanto, Tommy não passou da entrada, por causa das tatuagens nos seus braços (e no corpo do seu amigo negro). Mandaram-nos vestir véus para encobrir as tatuagens (como as mulheres são obrigadas a usar), mas quando a polícia religiosa jordana (Waqf) exigiu que pagassem por esses véus, Tommy e o seu amigo recusaram. Eles foram escoltados directamente para a saída.






--------------------------------------------------------------------------------------


TRÊS COMENTÁRIOS A ESTE ARTIGO DO JIHADWATCH:

"As mesquitas são os nossos quartéis, as cúpulas dos nossos capacetes, os minaretes das baionetas e os fiéis nossos soldados ..."
- Recep Tayyip Erdogan
por Islam_Macht_Frei


O Islão, a religião do fanatismo ... mesmo no terceiro lugar sagrado do Islão ... ou assim eles dizem. Ninguém pode rezar no Monte do Templo, a não ser os muçulmanos!

Mas é HALAL ASSASSINAR um polícia que protege os muçulmanos! Quão perverso! Este Culto da Morte é uma forma de sociopatia colectiva. Quanto mais devoto se torna um muçulmano, mais ele conduz a jihad. Toda a jihad é "boa". Nenhum método de jihad é criticado. É errado criticar outro muçulmano, porque só Alá pode julgar.

A vantagem psicológica no islamismo é dos mais jihadistas violentos. Eles nunca podem ser acusados de estarem errados. Se
mesmo os mullahs tentam criticar os mullahs, eles recebem ameaças de morte.

Nem toda a jihad é violenta, mas toda jihad é enganosa.

Os vampiros não podem ver-se no espelho. Nem os sociopatas. Os muçulmanos não conseguem ver o seu extremo fanatismo, que os leva a ODIAR O SUJO INFIEL, "pela causa de Alá". Odiar os não-muçulmanos é um fanatismo islâmico normativo, ao invés de uma aberração.
por mortimer



Uma vez que todos os muçulmanos são obrigados a cumprir a Sharia (o presidente do município de Londres, Khan, é um excelente exemplo, faz a peregrinação a Meca e cumpre a Sharia, bem como Linda Sarsour, QUE AMA a Sharia), nenhum muçulmano pode ser um cidadão LEAL  em qualquer país não muçulmano, porque essas nações não se submetem à Sharia de Alá.
Por isso, cada muçulmano é o inimigo mortal e eterno de todos os infiéis não-muçulmanos / Kafir no planeta Terra (80% da Humanidade actual). Os muçulmanos escondem a sua deslealdade pela DISSIMULAÇÃO e enganando os infiéis (Taqiyyah) não muçulmanos, fazendo-se passar por cidadãos leais (como é o caso de Khan e dos muçulmanos no Congresso). 
Todo o muçulmano é um potencial assassino em massa no instante em que ele/ela decide que alguma coisa não é suficientemente compatível com a Sharia (como nos recentes ataques terroristas muçulmanos no Reino Unido ou no recente caso dos soldados muçulmanos afegãos que assassinaram os soldados americanos que estavam a ajudá-los). 
Eu concordo que NEM TODOS os muçulmanos são terroristas, MAS 100% de todos os ataques terroristas contra Infiéis/ Kuffar são cometidos apenas por muçulmanos. Cada muçulmano é uma bomba-relógio preparada para explodir (também é um FACTO que é IMPOSSÍVEL apontar quem entre os muçulmanos é um terrorista ou não).
Somente na imaginação DESVAIRADA dos esquerdistas, se podem encontrar muçulmanos moderados, militantes, radicais ou extremistas, porque, na realidade, os muçulmanos são muçulmanos, assim como os nazis são nazis e ninguém se dirigiu aos nazis como moderados, militantes, radicais ou extremistas. (peçam ao PM Erdogan da Turquia para provar as minhas declarações).

Todas as outras explicações são supérfluas e redundantes. É hora de todas as pessoas decentes e patriotas se desviarem da noção pré concebida, mas errónea, de que QUALQUER UM que não seja muçulmano pode fazer a PAZ com o Islão.
 
Todos os que duvidarem, basta que leiam apenas os capítulos 2 a 9 do Alcorão de Maomé, e assistam aos repetidos massacres em massa de civis inocentes europeus, americanos, russos, indianos, chineses, iraquianos, por muçulmanos, proclamando que os cometem para agradar ao seu demoníaco deus Alá.

Após cada massacre islâmico, os europeus obtêm dos seus líderes criminosos e negligentes apenas trivialidades e expressões de simpatia
sem sentido para com as vítimas. Os próprios líderes não estão dispostos a proteger os seus cidadãos por causa de sua negação abjecta de todos os factos, da realidade e da VERDADE.
IQ al Rassooli
Kafir & Proud!





Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.