quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Árabes apoiam Israel nas redes sociais

Iraquianos declaram apoio a Israel em mensagens nas redes sociais dirigidas ao porta-voz de Netanyahu



Conhecendo a verdade sobre o Médio Oriente, iraquianos expressaram o seu apoio a Israel na luta contra os 'palestinos'.

Por: Ben Cohen /
The Algemeiner

O porta-voz do primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu para os media árabes, informou no domingo que recebeu várias mensagens nas redes sociais de cidadãos iraquianos e outros expressando apoio a Israel durante a violenta campanha 'palestina' para acabar com o controle do acesso ao Monte do Templo em Jerusalém. "Recebi muitas mensagens de apoio a Israel vindas de iraquianos que condenam o terrorismo 'palestino' porque eles também sofrem com isso", disse Ofir Gendelman, que representa o gabinete do primeiro-ministro em contactos com os media de língua Árabe.

Israel já retirou os detectores, mas os motins só se intensificaram.

O post de Gendelman foi acompanhado de fotos das mensagens de solidariedade em Árabe com passaportes iraquianos ao lado, como prova de origem:


Solidariedade do Iémen.

Em outro tweet em Árabe, Gendelman expressou os seus "agradecimentos e saudações" aos iraquianos que lhe enviaram mensagens.

Ao longo do quarto de século da ditadura Ba'athista de Saddam Hussein, grupos extremistas 'palestinos' beneficiaram de um rico apoio financeiro e operacional do regime de Bagdad. Os documentos descobertos pelas tropas dos EUA em Bagdad em 2003 demonstraram um amplo apoio ao apoio de Saddam ao terrorismo 'palestino' - incluindo pagamentos às famílias de terroristas suicidas e outros terroristas, como é a política actual da Autoridade Palestina (PA).

Do Iraque.

Nos anos 70 e 80, o Iraque e a sua rival da Síria competiram para apoiar alguns dos mais violentos grupos terroristas 'palestinos' - incluindo a organização Black September, que realizou o massacre de 11 atletas israelitas nas Olimpíadas de Munique de 1972 e o sombrio Conselho Revolucionário 
Fatah, de Abu Nidal, que assassinou seis comensais e feriu mais 22 pessoas num ataque armado a um restaurante kosher em Paris, em 1982.


Do Egipto.
Desde o derrube de Saddam em 2003, muitos iraquianos consideram a comunidade 'palestina' no Iraque como suspeita de apoiar Saddam, bem como as milícias terroristas xiitas, que desconfiam dos 'palestinos' muçulmanos, em grande parte sunitas. De acordo com um comentário de 2015 do jornalista 'palestino' Khaled Abu Toameh sobre o status dos 'palestinos' no mundo árabe, a vontade dos líderes 'palestinos' de aceitarem o apoio dos tiranos árabes simplesmente piorou a situação do seu povo.


De Marrocos.
"Não só os países árabes desprezam os 'palestinos', mas também querem que eles resolvam o problema com Israel sozinhos", escreveu Abu Toameh. "É por isso que, desde 1948, os governos árabes se recusam a permitir que 'palestinos' permaneçam permanentemente nos seus países e se tornem cidadãos iguais".



Também em Espanhol 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.