sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Cocó nas Panelas - 1




Uma Ilha em Revolta: uma janela para o futuro da Europa 

por Enza Ferreri

de jihadwatch
Seria justificada a perplexidade com a escolha do Papa Francisco, Lampedusa, uma pequena ilha ao largo da costa da Sicília e da Itália - na verdade, da Europa - como o destino da sua primeira visita oficial, que teve lugar em 8 de Julho. Não é uma capital mundial, não é um lugar importante na geopolítica do globo.
O que é significativo e simbólico em Lampedusa é a sua geografia: A pequena ilha, com uma população de 5000 habitantes, está posicionada no meio do Mediterrâneo, perto do mundo muçulmano, mais perto da Tunísia do que da Sicília.
Estas duas condições explicam o que está a acontecer em Lampedusa há mais de uma década, e que pode ser uma miniatura de toda a Europa num futuro não muito distante.
Desde pelo menos 2001, Lampedusa tem sido o ponto de entrada principal na Europa de imigrantes ilegais, a maioria da África. Dezenas de milhares de pessoas foram chegando ao longo dos anos, com um pico durante a "Primavera Árabe." Em 2011, de acordo com um relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, "aproximadamente 60 mil imigrantes ilegais chegaram a Itália vindos do norte da África, principalmente da Tunísia e Líbia. Cerca de 50 mil deles vieram para Lampedusa."
Mais de 10.000 receberam autorizações de residência por razões humanitárias, porque o governo italiano declarou estado de emergência humanitária em Fevereiro de 2011, posteriormente prorrogado até Dezembro de 2012.

Em Lampedusa, o centro de acolhimento temporário de imigrantes, onde os forasteiros foram acomodados e enviados para outros locais onde poderiam pedir asilo, tornou-se tão superlotado, que milhares de pessoas tiveram de dormir ao ar livre e em abrigos fornecidos pela paróquia local e Lampedusanos comuns.
Os imigrantes, entre os quais estavam criminosos foragidos, receberam vistos temporários, e, em seguida, foram transferidos gradualmente para a Itália continental e outros países da UE, mas houve muitas vezes em que o número de recém-chegados foi maior que o dos habitantes.
Nessas ocasiões, quando os nativos estavam em menor número, houve casos de mulheres locais que tiveram de andar acompanhadas em todos os lugares para onde iam, de modo a estarem a salvo da atenção indesejada dos imigrantes. Saquearam lojas, os  apartamentos tiveram as portas arrombadas, e pessoas chegavam a casa e encontravam tunisinos sentados na mesa de jantar a comer. Após a partida dos invasores, algumas famílias descobriam fezes dentro das suas panelas.
A ilha tornou-se o que um jornal chamou "um enorme acampamento de imigrantes."
Talvez à espera de encontrar uma recepção de hotel e sem se ralarem com a crise que estavam a gerar na pequena ilha, os imigrantes ilegais reclamam, como no vídeo abaixo, descrevendo o que encontraram em Lampedusa como "vergonhoso" e que "a recepção é zero" como se estivessem a fazer uma crítica de hotéis:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.