terça-feira, 27 de agosto de 2013

E você, já pagou a sua jizya?

Sabe o que é jizya? É o imposto que Maomé estipulou que os infiéis (nós, os não muçulmanos), devemos pagar aos muçulmanos, aos profitentes da "religião da verdade", nossos superiores naturais, nossos amos. Na Europa há mais de 50 milhões de muçulmanos. 80% não trabalham. O escritor líbio Mojahed Busify explica que a Segurança Social que os sustenta é vista por eles com naturalidade, como a jizya. Chegam-se ao caixa do banco onde vão buscar o que nós lhes pagamos, e dizem-lhe: "Converta-se ao Islão ou mato-o!". O caixa paga-lhes e eles vão-se embora felizes da vida. É este o fosso civilizacional entre o Islão e o Ocidente, entre o século VII e o século XXI. É o entrevistado muçulmano que o afirma, não somos nós. Allah Akbhar, dizem os ocidentais, debaixo do seu complexo de culpa e de inferioridade! Complexos de culpa porquê? Inferioridade porquê? Se não sabe, não adianta explicar-lhe.

NOTA: O VÍDEO É RETIRADO PERMANENTEMENTE PELO LÓBI ISLAMISTA:




No Egipto a jizya está de volta. Após a perseguição e chacina dos cristãos, após o saque e queima de igrejas por todo o país, a escalada de violência sobre os cristãos egípcios continua. A Imprensa Ocidental ESCONDE. Todas os esforços são dirigidos a moldar a opinião pública no apoio à intervenção militar na Síria, em apoio dos terroristas da Al-Qaeda!



via jihadwatch:
O The Times of London chama à jizya "um imposto do século VII". O que é verdadeiro, mas a publicação segue  prática jornalística dhimmi (infiel) padrão de exonerar o Islão de todos os crimes e atrocidades feitas em seu nome. Na realidade, a jizya é um imposto que os não-muçulmanos devem pagar como um sinal de sua subjugação aos muçulmanos, e é obrigatória no Alcorão: "Combatei aqueles que não crêem em Alá nem no último dia, que praticam o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e não reconhecem a religião da verdade, mesmo que sejam dos Povos do Livro, até que paguem a Jizya com submissão voluntária, e se sintam subjugados ". - Alcorão 09:29

O Tafsir al-Jalalayn no v. 29 especifica que os muçulmanos devem lutar contra aqueles que "não seguem a religião da Verdade", o que significa aqueles que não seguem o Islão, que é firme e revoga outros Deens [religiões]. Ibn Kathir dá uma indicação a respeito de porque isto é assim, quando explica que os adeptos do Livro agiram de má-fé quando rejeitaram Muhammad, e que eles não são verdadeiros crentes, mesmo nas suas próprias religiões:

    Portanto, aos Povos das Escrituras que desacreditaram em Muhammad, não tinham fé em qualquer Mensageiro ou no que os Mensageiros trouxeram. Em vez disso, eles seguiram as suas religiões porque estavam conformados com as ideias, paixões e os caminhos dos seus antepassados, e não porque elas são a Lei e religião de Allah. Se fossem verdadeiros crentes nas suas religiões, a fé teria feito que acreditassem em Muhammad, porque todos os profetas deram a boa notícia do advento de Muhammad e mandaram obedecer-lhe e segui-lo. No entanto, quando ele foi enviado, eles não acreditavam nele, mesmo sendo ele o mais poderoso de todos os mensageiros. Portanto, eles não seguem a religião dos profetas anteriores, pois essas religiões vieram de Deus, mas porque estes atendem aos seus desejos e concupiscências. Portanto, a sua fé reivindicada num profeta anterior não irá beneficiá-los, porque eles não acreditaram no mestre, no mais poderoso, no último e mais perfeito de todos os profetas.
As-Sawi especifica que o pagamento da jizya significa que os não-muçulmanos são "humildes e obedientes para os julgamentos do Islão." As-Suyuti observa que a jizya "não é tomada a partir de alguém em um estado de sofrimento". Por exemplo, um relato contemporâneo da conquista dos muçulmanos de Nikiou, uma cidade egípcia, no 640 da, diz que "é impossível descrever a situação lamentável dos habitantes desta cidade, que chegou ao ponto de oferecer seus filhos em troca de somas enormes que tinham de pagar a cada mês ... ".
(...)
Rustam respondeu: "Eu sei o que significa jizya, mas o que significa" um estado de humilhação", quer-me dizer? "
Al-Mughira explicou: "Você paga enquanto eu estou sentado, de chicote na mão e a forca sobre a sua cabeça."
Da mesma forma, Ibn Kathir diz que os dhimmis (os infiéis, os não-muçulmanos) devem ser "desonrados, humilhados e menosprezados"
Os muçulmanos não têm permissão para honrar o povo de Dhimmah ou elevá-los acima de muçulmanos, pois eles "são miseráveis, devem ser desonrados e humilhados". O jurista do século VII Sa'id ibn al-Musayyab declarou: "Eu quero que as pessoas da dhimma  paguem a jizya com suas próprias mãos num estado de completa humilhação." 
(...)

Porta-vozes muçulmanos no Ocidente rotineiramente alegam que este versículo não tem aplicabilidade no mundo moderno. Eles estão  a mentir:
"Os coptas do Egito escondem-se nas igrejas incendiadas"

The Times of London, 26 de Agosto

    
Dezenas de igrejas, casas e empresas foram incendiados e saqueados no Egipto, forçando milhões de cristãos a esconderem-se, no meio do pior surto de violência sectária na história moderna do país.

    
Algumas comunidades cristãs coptas estão sa ser obrigadas para pagar tributo, com os islâmicos locais explorarem o tumulto, procurando reviver um imposto do século VII, chamada jizya, incidente sobre os não-muçulmanos ....

2 comentários:

  1. Apesar de tudo o DN ainda vai noticiando algumas coisas...

    Erdogan promete piscinas separadas para os dois sexos

    http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3388515&seccao=Europa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imagine-se agora esta lei em Portugal, imposta pela Igreja Católica! Os mesmos que baixam as orelhas em submissão, desatavam outra vez a queimar igrejas em menos de um isqueiro!

      I.B.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.