sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Jesus, Judeu e Circuncidado -3

 Jesus, Judeu e Circuncidado - 1

 Jesus, Judeu e Circuncidado -2

 L’excellent illustrateur de « La libre Belgique » au très mauvais goût

Alain Amiel enumera alguns sinais distintivos que os judeus foram obrigados ao longo da História, todos diferentes, mas sempre com o mesmo objectivo.


A origem de parte das marcas existentes é impor o ferrete da infâmia, como é o caso emblema amarelo simbolizando as trinta moedas de Judas, o amarelo também associado a Judas (muitas vezes representado de vestes amarelas). Esta cor é geralmente associada enxofre, Lúcifer, falsificadores e traidores.

Há poucas representações destes sinais antes da Idade Média, apesar das referências.

    Por exemplo, no século VI a.C., em Atenas, sabe-se que os judeus foram obrigados a usar um sinal de que os diferenciava, mas mão se sabe qual.

   Em 201 a.C., Ptolomeu Philopator ordenou aos judeus do Egipto para adorassem os deuses gregos  sob pena de serem marcados com ferro em brasa na testa, onde ficaria impressa a imagem de uma folha de hera, planta dedicada a Baco.

    Em 616 d.C., o Imperador Heráclio (de Bizâncio) forçou os judeus de usarem roupas  distintas das outras pessoas, e proibiu-os de possuírem armas.

    Em 634 d.C., o Pacto de Omar (12 anos depois da Hégira), determinou que os judeus deveriam ter nas suas roupas um sinal distintivo para poderem ser reconhecidos na rua.
O emblema era amarelo para os judeus, azul para os cristãos e vermelho para os mazdeístas.
Em algumas regiões, eles eram obrigados a  usar uma corda com um sinal em torno do pescoço. Outras restrições para os judeus eram a proibição de passar pelo lado esquerdo de um muçulmano,  sair do bairro judeu calçados ou tocar nos muçulmanos.

Em 807 d.C., Harun Al-Rashid ordenou que os judeus usassem na cintura faixas brancas e os cristãos faixas azuis. Mais tarde, o uso de um chapéu amarelo tornou-se obrigatório.
Em  849, no Egipto muçulmano  os judeus e os cristãos só podiam usar turbantes e cintos amarelos, e um emblema amarelo no peito.

 Em  1005, no Egipto, o califa al-Hakim decretou que os judeus deveriam usar sinos à cintura, e em volta do pescoço uma estatueta em forma de bezerro em forma de estatueta de madeira durante o banho. Os judeus do Iraque eram obrigados a usar um emblema amarelo nas roupas.
Em  1165, em Marrocos, sob a dinastia almóada (que queimou vivo Dayan Fes) , os judeus eram obrigados a usar uma espécie de manto azul e largo, e cobrir a cabeça com um xale amarelo.

Em outros países muçulmanos, os judeus foram obrigados a usar uma faixa chamada "Zonnar" < do Grego Antigo ζώνη, e em Latim  zona ("zona de cinto"). A palavra "zona" tem algumas conotações negativas ainda hoje, e em França, por exemplo, o termo zonnard designa negativamente os suburbanos.

 (continua)

1 comentário:

  1. É mais aceitável (são já centenas de milhares na Europa) a mutilação genital feminina a qul, sem qualquer recomendação médica, visa apenas submeter a mulher

    ResponderEliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.