quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O Irão e o futuro de Israel



"Senhoras e senhores, o povo de Israel voltou para casa para nunca mais ser arrancado dela"  

Aqui está o discurso magistral de Netanyahu hoje na ONU, cuja leitura integral aconselhamos:


    Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu: Obrigado, Sr. Presidente.

    Sinto-me profundamente honrado e privilegiado por estar aqui diante de vós representando os cidadãos do Estado de Israel. Somos um povo antigo. Nós datamos de há cerca de 4.000 anos, com Abraão, Isaac e Jacob. Nós viajámos através do tempo. Nós superámos as maiores das adversidades .

    E nós restabelecemos o nosso estado soberano na nossa pátria ancestral, a Terra de Israel.

    A odisseia do povo judeu através do tempo ensinou-nos duas coisas: Nunca perder a esperança, e estar sempre vigilantes. A esperança projecta o futuro. A vigilância protege-o.

    Hoje a nossa esperança no futuro é desafiada por um Irão com armas nucleares, que procura a nossa destruição. 
 Mas eu quero que saibam que nem sempre foi o caso. 2.500 anos, o grande  rei persa Ciro, terminou o exílio babilónico do povo judeu. Ele emitiu um decreto famoso no qual proclamou o direito dos judeus a voltarem para a Terra de Israel e reconstruirem o templo judaico em Jerusalém. Esse foi um decreto persa. E assim começou uma amizade histórica entre os judeus e os persas, que durou até os tempos modernos.
    Mas em 1979 um regime radical de Teerão tentou acabar com essa amizade. E esmagou a esperança do povo iraniano na democracia, acompanhado de cânticos selvagens de "Morte aos Judeus".

    Desde aí, os presidentes do Irão vêm e vão. Alguns presidentes foram considerados moderados, outros de linha-dura. Mas todos eles serviram o mesmo credo implacável, aquele mesmo regime implacável, aquele credo que é defendido e aplicado pelo poder real no Irão, o ditador conhecido como o líder supremo, o aiatolá Khomeini primeiro e agora o aiatolá Khamenei.
    O Presidente Rohani, como os presidentes que vieram antes dele, é um servo fiel do regime. Ele foi um dos seis candidatos ao regime que obtiveram permissão para concorrer a um cargo. Veja-se, cerca de 700 outros candidatos foram rejeitados.
Rohani dirigiu o Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irão de 1989 a 2003. Durante esse tempo, agentes do Irão balearam líderes da oposição num restaurante de Berlim. Mataram 85 pessoas no centro comunitário judaico em Buenos Aires. Mataram 19 soldados norte-americanos e fizeram explodir as Torres Khobar na Arábia Saudita.
    Devemos acreditar que Rohani, o conselheiro de segurança nacional do Irão na época, não sabia nada sobre esses ataques ?
    Claro que sabia, assim como há 30 anos, chefes de segurança do Irão sabiam sobre os bombardeios em Beirute , que mataram 241 fuzileiros navais norte-americanos e 58 pára-quedistas franceses.
    Rohani também foi o principal negociador nuclear do Irão entre 2003 e 2005. Ele planeou a  estratégia que permitiu ao Irão avançar com o seu programa de armas nucleares por trás de uma cortina de fumo de envolvimento diplomático e rectórica reconfortante.
   Rohani não fala como Ahmadinejad. Mas quando se trata do programa de armas nucleares do Irão, a única diferença entre eles é a seguinte: Ahmadinejad era um lobo em pele de lobo. Rohani é um lobo em pele de cordeiro, um lobo que acha que pode atirar areia para os olhos da comunidade internacional.
 Como todo o Mundo, eu desejo acreditar nas palavras de Rohani, mas temos de nos concentrar nas acções iranianas. E o contraste é flagrante. A extraordinária contradição entre as palavras de Rohani e acções do Irão é surpreendente. Rohani esteve nesta mesma tribuna na semana passada e elogiou a democracia iraniana - democracia iraniana! Mas o regime que ele representa executa dissidentes políticos às centenas e faz prisões aos milhares.
    Rohani falou sobre a "tragédia humana na Síria". No entanto, o Irão participa directamente no assassinato e massacre de dezenas de milhares de homens inocentes, mulheres e crianças, na Síria de Assad. E apoia um regime sírio que usou armas químicas contra o seu próprio povo.
    Rohani condenou o, cito, "flagelo violento do terrorismo". No entanto , nos últimos três anos, o Irão tem ordenado, planeado e perpetrado ataques terroristas em 25 cidades nos cinco continentes.
    Rohani diz que o Irão está a "tentar mudar o equilíbrio regional através do diálogo". No entanto, o Irão está activamente a desestabilizar o Líbano, Iémen, Bahrein e outros países do Médio Oriente.
    Rohani promete, cito, um "esforço construtivo com os outros países". No entanto, há dois anos, agentes iranianos tentaram assassinar o embaixador da Arábia Saudita em Washingto , DC. E há apenas três semanas, um agente iraniano foi preso tentando recolher informações para possíveis ataques contra a embaixada americana em Tel Aviv. Eis alguns dos esforços construtivos.
Eu gostaria de acreditar no convite de Rohani para participar na sua 'onda' de "um mundo contra a violência e o extremismo". No entanto , as únicas 'ondas' que o Irão gerou nos últimos 30 anos são as ondas de violência e terrorismo que desencadeou na região e em todo o mundo.
    Senhoras e senhores, eu gostaria de poder acreditar em Rohani, mas eu não acredito, porque os factos são coisas teimosas, e os factos são que o registo selvagem do Irão contradiz a rectórica calmante de Rohani.
    Na última sexta-feira, Rohani assegurou que  no seu programa nuclear, o Irão - esta é uma citação - o Irão nunca foi escolheu o engano e o sigilo. Bem, em 2002 o Irão foi apanhado em flagrante na construção secreta de uma unidade de centrifugação subterrânea em Natanz. E, em seguida, em 2009, o Irão foi novamente apanhado em flagrante, na construção secreta de uma enorme instalação nuclear subterrânea de enriquecimento de urânio numa montanha perto de Qom.
    Rohani diz-nos para não nos preocuparmos. Ele garante-nos que o seu programa nuclear não é destinado a armas nucleares. Algum de vós acredita nisso? Se acredita, aqui vão algumas perguntas que pode querer fazer:
 - Porque é que um país que afirma querer apenas energia nuclear para fins pacíficos, tem instalações de enriquecimento subterrâneas e ocultas?
    - Porque é que um país com vastas reservas de energia natural investe biliões no desenvolvimento de energia nuclear? 
- Porque é que a intenção do país em programas nucleares meramente civis continua a desafiar várias resoluções do Conselho de Segurança e incorrer no custo tremendo de sanções paralisantes sobre a sua economia ?
    - E por que um país com um programa nuclear pacífico desenvolve mísseis balísticos intercontinentais, cujo único propósito é transportar ogivas nucleares ? Ninguém constrói ICBMs para transportar TNT a milhares de quilómetros de distância, quem os constrói é para um propósito, para transportar ogivas nucleares. E o Irão está a construir agora ICBMs que os Estados Unidos dizem que podem chegar a esta cidade, dentro de três ou quatro anos.
 Porque é que o Irão o faz? A resposta é simples. O Irão não está a construir um programa nuclear pacífico, o Irão está a desenvolver armas nucleares. Só no ano passado, o Irão enriqueceu três toneladas de urânio, duplicou stock de urânio enriquecido e construiu novas centrífugadoras, incluindo centrifugadoras avançadas. Também continuou a trabalhar no reactor de água pesada no Iraque, que é uma outra rota para a bomba, um caminho para o plutónio. E desde a eleição de Rohani - e sublinho isto - este vasto e febril esforço continuou inabalável.
    Senhoras e senhores, temos portanto as instalações nucleares subterrâneas, os reactores de água pesada, as centrifugadoras avançadas, os ICMBs. Não é que é difícil encontrar provas de que o Irão tem um programa de armas nucleares.
  No ano passado, quando falei aqui na ONU, eu desenhei uma linha vermelha. Até agora , o Irão tem tido muito cuidado para não cruzar a linha, mas o Irão está a chegar ao limite. O Irão quer estar numa posição para construir livremente bombas nucleares sem que a comunidade internacional possa detectá-lo e muito menos impedi-lo.
    No entanto, o Irão enfrenta um grande problema, e esse problema pode ser resumido numa palavra: sanções. Tenho argumentado por muitos anos, inclusive nesta tribuna, que a única maneira de evitar pacificamente o Irão de desenvolver armas nucleares é combinar duras sanções com uma ameaça militar credível. E essa política tem dado frutos. Graças aos esforços de muitos países, muitos aqui representados, e sob a liderança dos Estados Unidos, duras sanções tiveram um grande efeito na economia iraniana.
    As receitas do petróleo caíram. A moeda caiu . Os bancos ficaram pressionados. Então, como resultado, o regime está sob intensa pressão do povo iraniano para ter as sanções aliviadas ou removidas.
    É por isso que Rohani foi eleito. É por isso que ele lançou a sua ofensiva de charme. Ele definitivamente quer começar a levantar as sanções. Mas ele não quer desistir do programa de armas nucleares do Irão em troca.
    A estratégia para alcançar este objectivo: 
 Primeiro, sorrir muito. Nunca sorrir dói. Em segundo lugar, falar muito sobre a paz, a democracia e a tolerância. Em terceiro lugar, oferecer concessões sem sentido em troca da suspensão das sanções. E em quarto lugar, e o mais importante, certificar-se de que o Irão detém o material nuclear suficiente e a infra-estrutura nuclear suficiente para correr para a bomba no momento em que escolha fazê-lo.
    Como é que Rohani acha que pode safar-se dessa? Porque isto é um ardil! É um truque! Porque é que Rohani acha que consegue levar a sua avante? Porque a sua estratégia de falar muito e fazer pouco compensou, no passado.
    Ele ainda se gaba disso. Eis o que ele disse no seu livro de 2011 sobre o seu tempo como o principal negociador nuclear do Irão, e cito : "Enquanto estávamos a conversar com os europeus em Teerão, fomos instalar o equipamento em Isfahan".
    Agora, para aqueles de vocês que não sabem, as instalações de Isfahan são uma parte indispensável do programa nuclear iraniano. É onde o minério de urânio chamado é convertido numa forma enriquecida. Rohani ostenta no seu livro, e cito, que "Ao criarmos um ambiente calmo" - um ambiente calmo - "fomos capazes de completar o trabalho em Isfahan". Ele enganou o mundo uma vez. Agora ele acha que pode enganá-lo novamente.
   Rohani acha que pode ter o bolo na mão e comê-lo. E ele tem mais um motivo para acreditar que pode ir longe com isso: a Coreia do Norte. Como o Irão, a Coreia do Norte também disse que o seu programa nuclear era para fins pacíficos. Como o Irão, a Coreia do Norte também ofereceu concessões insignificantes e promessas vazias em troca de alívio de sanções.
    Em 2005, a Coreia do Norte concordou com um acordo que foi celebrado em todo o mundo por muitas pessoas bem-intencionadas. Aqui está o que o editorial do New York Times disse sobre isso, e cito: "Durante anos, especialistas em política externa têm apontado a Coreia do Norte como o maior pesadelo  uma ditadura fechada, hostil e paranóica, com um programa de armas nucleares agressivo. Muito poucos poderiam imaginar um resultado positivo, e ainda assim a Coreia do Norte concordou  esta semana em desmantelar o seu programa de armas nucleares, respeitar as garantias do tratado e admitir inspectores internacionais".
    E, finalmente, "a diplomacia, ao que parece, funciona, afinal". Senhoras e senhores, um ano depois, a Coreia do Norte fez explodir o seu primeiro dispositivo de armas nucleares.
Uma Coreia do Norte com armas nucleares não é nada em comparação com o perigo de um Irão com armas nucleares. Um Irão com armas nucleares teria um estrangulamento sobre as principais fontes de energia do mundo. Ele iria desencadear a proliferação nuclear no Médio Oriente, tornando a parte mais instável do planeta num barril de pólvora nuclear. E, pela primeira vez na História, tornaria o fantasma do terrorismo nuclear um perigo claro e presente. Um Irão com armas nucleares no Médio Oriente não seria outra a Coreia do Norte. Seria mais 50 Coreias do Norte.
  Eu sei que alguns na comunidade internacional acham que eu estou a exagerar esta ameaça. Claro, eles sabem que o regime do Irão louva esses cântícos: "Morte à América, morte a Israel!", que promete varrer Israel do mapa. Mas pensam que essa retórica selvagem é apenas fanfarronice para consumo interno. Essas pessoas não aprenderam nada com a História? O século passado ensinou-nos que quando um regime radical com ambições globais fica com muito poder, mais cedo ou mais tarde o seu apetite para a agressão não conhece limites.
    Essa é a lição central do século XX. E não podemos esquecer isso. O mundo pode ter esquecido esta lição. O povo judeu não.
    O fanatismo do Irão não é arrogância. É real. Os regimes fanáticos nunca devem ser autorizados a armarem-se com armas nucleares. Eu sei que o mundo está cansado de guerra. Nós, Israel, sabemos muito bem o custo da guerra. Mas a História ensinou-nos que, para evitar a guerra de amanhã, se deve ser firme hoje.
    E isso levanta a questão, pode a diplomacia parar essa ameaça? A única solução diplomática seria desmontar totalmente o programa de armas nucleares do Irão e impedi-lo de ter um no futuro.
    O presidente Obama disse acertadamente que as palavras conciliatórias do Irão deve ser acompanhadas por acção transparente, verificável e significativa. E, para ser significativa, uma solução diplomática exigiria que o Irão fizesse quatro coisas. Em primeiro lugar, deixasse de lado o enriquecimento de urânio. Isso tem sido exigido em várias resoluções do Conselho de Segurança. Em segundo lugar, que se retirasse do território do Irão os stocks de urânio enriquecido. Em terceiro lugar, desmantelar as infra-estruturas, incluindo a instalação subterrânea de Qom e as avançados centrifugadoras em Natanz.
    E em quarto lugar, parar todos os trabalhos no reactor de água pesada no Iraque, visando a produção de plutónio. Estes passos poriam fim ao programa de armas nucleares do Irão e eliminariam a sua capacidade nuclear.
    Há os que prontamente concordam em deixar o Irão com uma capacidade residual de enriquecimento de urânio. Eu aconselho-os a prestarem muita atenção ao que Rohani disse no seu discurso no Supremo Conselho Cultural Revolucionário do Irão. Isto foi publicado em 2005. Cito. Isto é o que ele disse:
    "Quem pode enriquecer urânio para cerca de 3,5 por cento também terá a capacidade de enriquecê-lo para cerca de 90 por cento. Ter essa capacidade significa que um país que a possui é capaz de produzir armas nucleares." Precisamente . É por isso que o programa nuclear do Irão deve ser desmantelado. E é por isso que a pressão sobre o Irão deve continuar.
    Então aqui está o que a comunidade internacional deve fazer: Primeiro, manter as sanções. Se o Irão avançar com o seu programa de armas nucleares durante as negociações, fortalecer as sanções.
    Em segundo lugar, não concordar com um acordo parcial. Um acordo parcial iria levantar as sanções internacionais que levaram anos para pôr em prática em troca de concessões cosméticas, que levará apenas algumas semanas para o Irão reverter.
    Em terceiro lugar, levantar as sanções apenas quando o Irão desmontar totalmente o seu programa de armas nucleares. Meus amigos, a comunidade internacional tem o Irão nas cordas. Se quisermos derrubar programa de armas nucleares do Irão de forma pacífica, não abrandemos a pressão.
    Nós todos queremos dar à diplomacia do Irão uma chance de sucesso, mas quando se trata de Irão, quanto maior a pressão, maior a chance. Há três décadas, o presidente Ronald Reagan aconselhou: " Confiar, mas verificar". Quando se trata de programa de armas nucleares do Irão, aqui vai meu conselho: Desconfiança , desmontar e verificar.
    Senhoras e senhores, Israel nunca vai concordar com armas nucleares nas mãos de um regime desonesto que promete repetidamente limpar-nos do mapa. Contra essa ameaça, Israel não terá outra escolha a não ser defender-se.
    Eu quero que não haja nenhuma confusão sobre este ponto. Israel não vai permitir que o Irão obtenha armas nucleares. Se Israel for obrigado a ficar sozinho, Israel estará sozinho. No entanto , em pé, sozinho, Israel sabe que estará defendendo muitos, muitos outros .
Os perigos de um Irão com armas nucleares e do surgimento de outras ameaças na nossa região têm levado muitos dos nossos vizinhos árabes a reconhecer, finalmente,  que Israel não é seu inimigo. E isso dá-nos a oportunidade de superar animosidades históricas e construir novos relacionamentos, novas amizades, novas esperanças.
    Israel deseja o envolvimento com o mundo árabe em geral. Esperamos que os nossos interesses comuns e desafios comuns nos ajudem a forjar um futuro mais pacífico. E Israel continua a procurar um compromisso histórico com nossos vizinhos palestinos, um acordo que termine o nosso conflito de uma vez por todas. Queremos a paz com base na segurança e reconhecimento mútuo, no qual haja um Estado Palestino desmilitarizado que reconheça o Estado Judaico de Israel. Continuo empenhado em alcançar uma reconciliação histórica e construir um futuro melhor para os israelitas e palestinos.
   Mas não tenho ilusões sobre o quão difícil isso será de conseguir. Há vinte anos, o processo de paz entre Israel e os palestinos começou. Seis primeiros-ministros israelitas, inclusive eu, não foram bem sucedidos em alcançar a paz com os palestinos. Os meus antecessores estavam preparados para fazer concessões dolorosas. Assim estou eu, mas até agora os líderes palestinos não se mostraram preparados para fazer as igualmente dolorosas concessões que devem fazer, a fim de acabarmos com o conflito.
    Para que a paz seja alcançada , os palestinos devem , finalmente, reconhecer o Estado Judaico, e as necessidades de segurança de Israel devem ser atendidas.
    Estou preparado para fazer um compromisso histórico para a paz genuína e duradoura, mas nunca vou comprometer a segurança do meu povo e do meu país, o primeiro e único Estado Judeu.
    Senhoras e senhores, num dia frio no final do século XIX, o meu avô Nathan e o seu irmão Judá estavam parados numa estação ferroviária, no coração da Europa. Eles foram vistos por um grupo de arruaceiros anti-semitas que correu em sua direcção e os atacou com paus,  gritando "Morte aos judeus".
O meu avô gritou ao seu irmão mais novo para fugir e se salvar, e então ele ficou sozinho contra a multidão furiosa. Eles espancaram-no e deixaram-no à beira da morte. Antes de desfalecer, coberto com o seu próprio sangue, ele disse a si mesmo "Que vergonha , que vergonha. Os descendentes dos Macabeus deitados na lama sem se poderem defender."
    Ele prometeu a si mesmo, então, que se sobrevivesse, levaria a sua família para a pátria judaica e ajudaria a construir um futuro para o povo judeu. Eu estou aqui hoje como Primeiro-Ministro de Israel, porque o meu avô cumpriu essa promessa.
    E tantos outros israelitas têm uma história semelhante, um pai ou um avô que fugiu, cada um com a sua história de opressão inconcebível e que veio para Israel para iniciar uma nova vida na nossa pátria ancestral. Juntos, transformámos um povo judeu espancado,abandonado à morte, numa nação vibrante e próspera, defendendo-se com a coragem de Macabeus modernos, uma nação com possibilidades ilimitadas para o futuro.

    No nosso tempo vemos serem realizadas as profecias bíblicas. Como o profeta Amós disse, eles reconstruirão cidades assoladas, e nelas habitarão. Eles plantarão vinhas e beberão o seu vinho. Cultivarão jardins e comerão os seus frutos . E plantá-los-ao no seu solo para nunca mais serem arrancadas.

    
[ Repete parágrafo em hebraico. ]

    Senhoras e senhores , o povo de Israel voltou para casa para nunca mais dela ser arrancado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.