segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Patrulhas Muçulmanas e Taliban Escoceses em Londres




 Jamaal Uddin, o ex-Jordan Horner

"Jamaal Uddin é um indivíduo brutal e violento, e baseia explicitamente as acções brutais e violentas que comete, nos ensinamentos islâmicos. Haverá muitos mais como ele, pois nada está a ser feito para evitar que eles surjam. A discussão sobre os ensinamentos islâmicos, e qualquer tentativa para que as comunidades muçulmanas enfrentem estas questões e procedam a uma reforma, foi totalmente inundada pela preocupação com a "islamofobia". É "islamofobia" levantar estas questões, e as pessoas que a tal se atrevam são classificadas como "fanáticos". Veja como será a Grã-Bretanha dentro de cinco ou dez anos, enquanto as autoridades britânicas se empenham energicamente em manter esses "fanáticos islamofóbicos" fora do país e reduzi-los ao silêncio."
via jihadwatch

 As patrulhas islâmicas fazem o seu trabalho em Londres, avisando os transeuntes de que estão numa «área muçulmana», onde devem observar os preceitos dessa religião.

"Muçulmano convertido que queria impor a Lei Sharia em Londres, ameaçou matar transeuntes não-muçulmanos por beberem cerveja"

Hugo Gye para o Daily Mail , 18 de Outubro:

   
O convertido ao Islamismo admitiu hoje atacar os não-muçulmanos no leste de Londres, como parte de uma campanha contra a cultura ocidental.

    
Jordan Horner fez parte das "Patrulhas Muçulmanas", que vagavam por Tower Hamlets de noite, ameaçando as pessoas por estas beberem cerveja.

    
O grupo disse que eles queriam "matar os não-crentes" e carregou vídeos no YouTube criticando os não-muçulmanos pela sua indumentária.
    Horner, 19 anos, foi preso anteriormente por seis semanas depois de ameaçar de morte os fotógrafos que se reuniram em frente à casa do pregador de ódio Anjem Choudary, explicitando que estes  poderiam acabar como soldado assassinado Lee Rigby.

 Radical: Horner, 19, is close to jihadist hate preacher Anjem Choudary, pictured during a demonstration

 Horner atrás do pregador de ódio Anjem Choudary, empunhando um cartaz supremacista islâmico
 A de 6 de Janeiro deste ano, Horner e outros membros das patrulhas, aproximaram-se de um grupo de cinco homens na rua, e em seguida arrancaram-lhes as latas de cerveja das mãos e esvaziaram-nas na sarjeta.
 Jordan HornerRicardo McFarlane
Jordan Horner, esquerda, e Ricardo McFarlane, direita, são acusados de fazerem parte das "patrulhas islâmicas"

    A "Patrulha Muçulmana" é acusada de ter dito: "Porque é que vocês estão a envenenar o vosso corpo? Isso é contra o Islão. Esta é uma patrulha muçulmana. Morte aos não-crentes!"   
Um, então, disse a outro para "ir buscar a naifa [faca]", mas como os homens se afastaram, Horner agrediu-os com socos, acertando no maxilar de um deles.
    Ele também é acusado de ter ameaçado dois casais e um homem no leste de Londres, entre Dezembro e Janeiro.

    
Em audiência anterior no
Tribunal, Kehinde Adesina, representante do Ministério Público, disse que em 6 de Janeiro Horner e os seus amigos extremistas tomaram as ruas para fazer valer a Lei Sharia.

    
"Antes do incidente havia alguns vídeos enviados para o YouTube sobre pessoas 'inadequadamente vestidas' no leste de Londres", disse.

    
"Entre as 04:00 e 05:00 horas, um grupo de cinco amigos homens estavam a beber, desfrutando de uma saída nocturna. Eles tinham latas de cerveja nas mãos".

    
"O grupo foi abordado pelo Sr. Horner e alguns outros homens em trajes muçulmanos. Eles retiraram as latas de cerveja das mãos dos homens e derramaram-nas".

 
A S.ra Adesina acrescentou: "As vítimas descrevem o principal agressor como sendo de ruivo com uma barba ruiva. E uma vítima disse que o homem branco e ruivo lhe deu um soco na mandíbula".

    
"Foi um ataque de grupo e uma agressão agravada por motivos religiosos".

    
Hoje, Horner apareceu no Tribunal ao lado do companheiro convertido Ricardo McFarlane, 26 anos, e de um homem de 23 anos de idade, que não pode ser identificado por razões legais.

    
McFarlane apareceu no banco dos réus trajando vestes brancas e um lenço na cabeça, enquanto Horner - que se chama a si mesmo Jamaal Uddin - e o outro homem, apareceram via  vídeo a partir da prisão de Belmarsh.


    
Horner declarou-se culpado de duas acusações e admitiu ter usado palavras e comportamentos ameaçadores, abusivos ou insultantes, mas negou outras acusações.
   McFarlane negou as três acusações, e o homem não identificado também não se declarou culpado de tumulto.

    
Horner não será julgado depois das suas confissões de culpa, e será condenado após o julgamento dos outros dois réus, que começa em 11 de Novembro.

    
McFarlane, de Camberwell, teve sua fiança condicional renovada na audiência de hoje, enquanto Horne , de Walthamstow, o outro homem estão em prisão preventiva.

 
Horner foi preso no início deste ano, quando ameaçou fotógrafos, dizendo que estes iriam encontrar o mesmo destino que o 'soldadinho' Lee Rigby, se tirassem fotos ao pregador de ódio e supremacista islâmico Anjem Choudary.

   
Foi nessa altura condenado por agressão e danos criminais, após espancar um fotógrafo e  partir o carro a outro.
 Threats: Horner told a photographer he could end up like murdered soldier Lee Rigby, pictured
O soldado Lee Rigby, decapitado por extremistas islâmicos. Horner ameaçou os jornalistas de lhes fazer a mesma coisa.
    Horner empurrou Bradley Page para fora da casa de Choudary em Walthamstow, dois dias depois de o soldado Rigby ter sido decapitado em Woolwich, a 22 de Maio, e disse: "Tem cuidado. O que aconteceu com o soldadinho pode também acontecer a ti!".
    No dia seguinte, ameaçou Sonjia Horsman de lhe cortar a "p*** da cabeça" e causou danos no valor de 3000 libras ao seu carro.

    
O adolescente converteu-se ao Islamismo no ano passado, depois de ser abordado no exterior de um pub, e desligou-se da família e dos antigos amigos.
 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.