sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Quando os carros são armas



Como seria de esperar, na sequência da morte de uma condutora que não obedeceu às ordens da Polícia, nos EUA, as críticas impiedosas à Polícia e aos EUA não se fizeram esperar. Se a esta hora estivéssemos a lamentar a morte de cidadãos inocentes, a Polícia estaria a ser criticada por não ter parado a mulher. Não cremos que os agentes da Polícia gostem todos de despejar carregadores em pessoas. Neste caso, houve antecedentes de atropelamento e fuga premeditados, que podem ter condicionado a actuação das autoridades. Nós respeitamos a dificuldade extrema do trabalho da Polícia, e damos-lhe o nosso voto de confiança. Quem sistematicamente é contra a Polícia são os criminosos. Quem é pessoa de bem não está sempre disposto a criticar a Polícia sem saber das circunstâncias em que os casos ocorrem. Senão, vejamos:
- Segundo o MyFoxDetroit, em 2011, Saddam Mohsin, que foi acusado de tentativa de homicídio por atropelamento e fuga, "atropelou um polícia intencionalmente".
- Em seguida, foi em Nova Iorque, o taxista Mohammed Azam atropelou dois dos seus passageiros, sem motivo aparente.
- Outro taxista, Hassan Daly, que foi descrito como um "muçulmano devoto", atirou o seu táxi para cima de uma multidão numa calçada, em San Diego, ferindo mais de 24 pessoas.
- Mohammed Reza Taheri-Azar explicitamente fundamentou o seu atropelamento e fuga nos ensinamentos do Alcorão:
 Taheri-azar letter.jpg

 Mohammed Reza Taheri-Azar detalhou assim os seus motivos para atropelar em nome de Alá

- Munir Muthana disse ao polícia que o prendeu que "os muçulmanos vão corrigir este país".
- Omeed Aziz Popal, sofria de stress de um casamento arranjado.
- Ismail Mohamed Yassin estava mentalmente doente, sofria de depressão e não tomava a medicação.
- E Muhammad Teshale, de acordo com "agentes da lei", "matou para ser famoso".
Sem dúvida que há acidentes de atropelamento e fuga envolvendo pessoas atingidas por carros que não têm nada a ver com os muçulmanos, mas nos casos enumerados aqui há um grau de intencionalidade que não costumamos ver em outras situações. Neste caso, fomos informados de que se tratava de uma vingança. É possível. Ou talvez houvesse mais do que isso . É que há muitos casos como este.

O do vídeo de cima tem esta história; leia e ponha-se no lugar das autoridades:
"Video: Homem condenado por tentativa de homicídio por atropelamento e fuga"
2 de Outubro, Manchester Evening News

    
Um motorista que atropelou um grupo de foliões e deixou um homem cego e com danos no cérebro, enfrenta um longo per
íodo na prisão, após ter sido considerado culpado de quatro acusações de tentativa de homicídio .

    
Aqab Hussain usou o seu Vauxhall Corsa como uma "arma letal" depois de ter passado a noite a celebrar o festival muçulmano do Eid.
    A CCTV filmou o homem de 21 anos de idade, em sentido contrário ao longo da Princess Street, no centro de Manchester, antes de atingir Michael Ward e dois dos seus amigos, Paul Hulme e Martin Harris, na junção de John Dalton Street.

   
Ward, então com 28 anos, de Bolton, (..) foi ferido tão gravemente que esteve internado nas urgências por 20 dias, e passou cerca de quatro meses numa unidade hospitalar de alta dependência.

    
Enquanto isso, o Sr. Hulme sofreu fracturas na perna direita depois de ter sido "atirado pelo ar", enquanto o Sr. Harris sofreu apenas ferimentos leves. Um quarto membro do grupo do Sr. Ward, Thomas Mallanphy, escapou por pouco (...).
    Hussain, de Gateshead Close, Rusholme, negou as quatro acusações de tentativa de homicídio no julgamento, mas foi considerado culpado por um júri unânime, após três horas e meia de deliberação.

    
As vítimas foram confundidas com pessoas que tinham estado envolvidas "numa luta de rua" com o grupo do Sr. Hussain, em Albert Square, na madrugada de 21 de Agosto do ano passado .
(...)

    
O réu, que estava ligado ao incidente por um rasto de evidências circunstanciais, deixou rapidamente o país rumo ao Paquistão, mas foi preso no aeroporto de Manchester seis semanas depois.

    
Depois de ter sido considerado culpado, Hussain esteve em prisão preventiva ordenada pelo juiz Robert Atherton e agora está previsto ser sentenciado em 31 de Outubro.
    
O Crown Prosecution Service saudou o veredicto. Rachael Pavion, da Promotoria de North West, disse: "Aqab Hussain usou o seu carro como uma arma, procurou vingança atirando o seu carro em alta velocidade deliberadamente para cima dos quatro homens, com uma clara intenção de matar".

    
"Depois  de ter atropelado as suas vítimas, saiu de cena e mostrou total desrespeito pelos danos causados".

    
"Testemunhas oculares, juntamente com a filmagem da CCTV e provas periciais, ajudaram a provar que ele era o motorista do veículo que colidiu com as vítimas. O CPS tem trabalhado com a Polícia para reconstituir todas as provas e apresentar fortes provas ao júri, que aceitou hoje a acusação e entregou um veredicto de culpado. Como resultado, Aqab Hussain foi levado à justiça e agora deve assumir a responsabilidade pelas suas acções perigosas".

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.