quinta-feira, 21 de agosto de 2014

O Hamas e Naftali, Gilad e Eyal

Há semanas atrás Naftali Frenkel, Gilad Shaar e Eyal Yifrach foram raptados e, como afirmou rapidamente Israel, cobardemente assassinados por uma célula do Hamas. A imprensa mundial filo-islâmica, liderada em Portugal pelo Al-Público, fez o possível e o impossível para desacreditar tal afirmação. Uma tal senhora Hanin Zoabi, membro do Parlamento de Israel, chegou a afirmar que os raptores de tais três inocentes não eram "terroristas", mas pessoas "frustradas" que apenas tinham tentado dar boleia àqueles jovens e que, tendo sido atacados por eles, tiveram que se defender.


a senhora Hanin Zoabi a beber alguma coisa que a faz delirar completamente

Agora, Saleh al-Arouri, operativo do Hamas residente numa Turquia que o apoia incondicionalmente, veio admitir que sim, que tal rapto e assassinato bárbaros foram realizadas pelas brigadas al-Qassam (algo como, se não fosse uma tautologia totalmente redundante, o braço armado do Hamas). Será que tais luminárias virão, agora, retractar-se? Não, não virão: admitir que estão erradas vai contra o seu ethos e a sua narrativa dominante.



 o terrorista Saleh al-Arouri excitado pelo sangue de inocentes judeus

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.