domingo, 2 de abril de 2017

“OH! VEJAM! UMA GALINHA!” - o curso universitário



Não é apenas nos Estados Unidos, mas sob o reinado teocrático do deus-Obama, a campanha de imbecilização da juventude atingiu graus inéditos. Julgue por si:

OS CURSOS UNIVERSITÁRIOS MAIS ESTÚPIDOS (E REAIS!!!)

Os cursos universitários mais inconcebíveis e rudimentares são ministrados nas universidades mais respeitadas. Desde as coisas que toda a gente sabe fazer, como vestir-se (um curso da Universidade de Princeton ) até aprender a argumentar com personalidades de televisão como a Juíza Judy (um curso da Universidade da Califórnia, Berkeley ), estes cursos universitários ensinam competências que garantem ZERO empregabilidade.

A Ohio State University oferece um curso sobre como assistir a desportos, a Montclair State University oferece um curso sobre como ver televisão. O Bates College oferece um curso sobre a carreira de Whoopi Goldberg. A Universidade do Texas ensina a falar Klingon. A Appalachian State University  ensina como determinar se Harry Potter é um personagem fictício ou real.

Sérios candidatos ao prémio do curso mais absurdo são a Matemática Aplicada às Lutas de Rua ou o curso intitulado A Alegria do Lixo.

VESTIR-SE



Da Universidade de Princeton: "O curso é um inquérito sobre a importância social do vestuário e um exame atento da relação entre vestuário e identidade na América do século 20. Para explorar essa conjuntura, os alunos mantêm um caderno de anotações no qual registam as suas observações sobre a forma como a roupa entra em jogo nas notícias, nos seus bairros e nas suas próprias vidas. O curso ajuda os alunos a aprimorarem os seus poderes de observação e a aprenderem habilidades-chave para examinar o mundo”.

COMO GANHAR UM CONCURSO DE BELEZA


Do Oberlin College: "Este curso examina os desfiles de beleza desde a década de 1920 até ao presente. O nosso objectivo será analisar os concursos de beleza como um cenário único para a interacção de raça, género, classe, sexualidade e nacionalidade. Vamos aprender sobre estudos culturais, história cultural, análise crítica do discurso, leitura de proximidade, etnografia, e usar esses métodos para entender a mudança da identidade dos EUA ao longo do tempo. Este curso inclui uma visita de campo a um concurso em Ohio”.

COMO VER TELEVISÃO



De Montclair State University: "Este curso, aberto a profissionais e não-profissionais de televisão, é sobre a análise da televisão nas formas e extensão em que precisa ser entendida pelo seu público. O objectivo é que os alunos avaliem criticamente o papel e o impacto da televisão nas suas vidas, bem como na vida cultural. O meio para atingir esse objectivo é uma abordagem que combina a teoria dos meios de comunicação e a crítica com a educação para os media".



SERÁ HARRY POTTER REAL?



Da Universidade Estadual Apalaches: "Este curso envolverá os alunos com perguntas sobre a própria natureza da história. Quem decide o que é a história, quem decide como é usada ou mal utilizada, e como esse uso ou uso indevido nos afecta? A imaginação, a literatura e a fantasia - como pode a fantasia remodelar a forma como olhamos a história? Os romances e filmes de Harry Potter são terreno fértil para explorar todas essas questões mais profundas: ao olhar para a geografia real dos romances, os eventos históricos reais e imaginados retratados, os romances, as reacções dos estudiosos de todas as ciências sociais aos romances e o frenesi mundial por eles inspirado, os alunos examinarão questões de raça, classe, género, tempo, lugar, usos do espaço e do movimento, o papel do multiculturalismo na história, e aprenderão a ler um romance e a ler ensaios académicos por forma a tirarem o máximo proveito deles”.

A ARTE DE ANDAR



Do Center College: "A Arte de Andar pede aos alunos para pararem de se concentrar em fazer constantemente e se concentrarem ainda mais em simplesmente experimentar. É um tipo diferente de atmosfera intelectual do que eles costumam experimentar durante longos períodos".

LÍNGUAS INVENTADAS: O KLINGON E MAIS ALÉM


Da Universidade do Texas: "Porque é que alguém iria querer aprender Klingon? Quem já fala Esperanto? Poderia haver uma linguagem inteiramente baseada em escalas musicais? Usando linguagens construídas/inventadas como um veículo, vamos tentar responder a estas perguntas enquanto discutimos ideias actuais sobre a teoria linguística, especialmente ideias em torno da interacção da linguagem e da sociedade. Por exemplo, a estrutura da Língua Klingon e o que faz com que pareça tão "alienígena"? Como é que a Europa do início do século 20 gerou tantas línguas chamadas "universais"? Uma linguagem pode ser inerentemente sexista? Consideraremos linguagens construídas/inventadas a partir de uma variedade de pontos de vista, tais como linguagens criadas como tramas ficcionais, para debates filosóficos, para servir uma função internacional e Línguas criadas para a diversão privada. Não iremos aprender uma linguagem específica, mas vamos aprender sobre a arte, ideias e objectivos por trás de idiomas inventados usando fontes diversas da literatura, a Internet, filmes, jogos de vídeo e outros aspectos da cultura popular".

A SOCIOLOGIA DE MILEY CYRUS: RAÇA, CLASSE SOCIAL, GÉNERO E MEDIA



Do Skidmore College de Nova Iorque: "De jovem actriz da Disney a máquina de 'twerking', a professora assistente Carolyn Chernoff assegura-nos que este curso "fornecerá ricos exemplos para analisar aspectos de identidades intersectoriais e representação dos media". Chernoff disse: "Eu criei o curso como uma maneira criativa e rigorosa de olhar para o que é relevante sobre a sociologia e a teoria da sociologia".

DISCUTINDO COM A JUÍZA JUDY



Da Universidade da Califórnia, Berkeley: "Neste programa de televisão, extremamente popular nos últimos 3-5 anos, um aspecto fascinante de um ponto de vista rectórico é a argumentação usada pelos litigantes, que é totalmente ilógica ou perverte a lógica padrão, e ainda assim é usada continuamente. Por exemplo, quando lhes perguntam: "Você bateu no queixoso?", os réus costumam responder: "Se lhe tivesse batido, ele estaria morto!". Esta resposta evita responder ao "sim" ou ao "não", apresentando uma forma pervertida da estratégia lógica chamada "a fortiori" em Latim. O seminário identificará tais falácias aparentemente populares e discutirá porque tais estratégias são tão difundidas. Não é um curso sobre lei ou 'raciocínio legal'. Estudantes interessados ​​em lógica, argumento, TV e cultura popular americana, provavelmente estarão interessados. Eu enfatizo que não é sobre a aplicação da lei ou sobre o funcionamento do sistema judicial em geral".

A BOMBA GOLDBERG: FABRICANDO WHOOPI 



Do Bates College: "Os participantes aprenderão sobre a carreira de Whoopi Goldberg, incluindo ‘Alien Whoopi: Star Trek e a Geração Goldberg’, ‘Renaissance Whoopi: Elizabeth Regina e 'O Que A Tia Jemima Poderia Dizer se Saísse Dessa Caixa: O Paradoxo que é Whoopi Goldberg’”.


“OH! VEJAM! UMA GALINHA!”



Da Universidade de Belmont: "Este curso vai ensinar [Olha! Um carreiro de formigas que vão e vêm de um pedaço de bolo que está em cima da mesa!] o que significa ser um distraído [Eu poderia decerto desfrutar de uma sanduíche de manteiga de amendoim agora]  bem como [Meu Deus! Tenho que ir à praia este Verão!] desenvolver uma consciência [Preciso de cortar as unhas…] dos seus sentidos. O curso é ministrado numa escola de música, [estarei a ouvir uma torneira a pingar?] e assim haverá um elemento relacionado com o tema [As aranhas são animais incríveis!] do curso. [Olha, há um tanque de peixes atrás de mim!] Aqueles que se inscreverem poderão até aprender a fazer malabarismos".


O FALO




Do Occidental College: "Levantamento das teorias do falo de Freud e Lacan através dos pontos de vista feministas e homossexuais. Os tópicos incluem a relação entre o falo e o pénis, o significado do falo, falologocentrismo, o falo lésbico, o falo judeu, o falo latino e a relação do falo e do fetichismo".


OS ZOMBIES NOS MEDIA



Da Universidade de Columbia: "Este curso explora a história, o significado e a representação do zombie como personagem em textos de horror e fantasia. A instrução segue um calendário intenso, usando a teoria crítica e os media de origem (literatura, quadradinhos e filmes) para estimular a discussão e explorar as muitas encarnações da figura. As tarefas diárias focam-se na reflexão e comentário, enquanto os projectos finais fomentam conexões possíveis entre as disciplinas estudantis e a figura do zombie".

DESPORTO PARA O ESPECTADOR




Da Ohio State University: "Desenvolva uma apreciação do desporto como um espetcáculo, evento social, actividade recreativa, de negócios e de entretenimento. Desenvolva a capacidade de identificar questões que afectam o desporto e o comportamento do espectador".

A FILOSOFIA DOS PHISH



Da Universidade Estadual de Oregon e ministrado por uma ávida fã dos Phish, a Dr.a Stephanie Jenkins: "As grandes teorias filosóficas sobre a arte e seu significado, desde a Antiguidade até os tempos modernos Como os filósofos compreenderam beleza, imaginação, arte e conhecimento, arte e lazer, arte e emoção, através da lente de Phish", oferecido on-line enquanto a Dr.a Jenkins segue a banda na sua digressão de Verão, as aulas são dadas enquanto a docente anda na estrada.





Dr.a Stephanie Jenkins, num concerto dos Phish.


Dr.a Stephanie Jenkins, a pensar nos Phish.

Nota: estes são apenas alguns dos maravilhosos "cursos universitários" em que os nossos jovens zombies hoje podem hoje gastar o dinheiro arduamente ganho pelos pais, enquanto gritam contra Trump, pela islamização do Mundo Livre, pelo Hezzbollah e pelo Hamas, partem e queimam tudo porque não suportam ouvir a verdade*, ou levam a cabo a encantadora campanha anti-semita "Punch a Zionist Today" ("Esmurre um Sionista Hoje") que por enquanto ainda não é disciplina universitária. Tudo isto e muito mais, nos intervalos das manifestações racistas anti-Brancos e pró-terroristas anti-Trump.

* - Walter Williams: "A esquerda empenha-se em baixar os seus padrões de comportamento"

------------------------

4 comentários:

  1. No meio disto tudo, o que mais me admira é que o Ocidente ainda não tenha sido completamente destruído!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos no fim de um ciclo. Resta saber se a nossa Civilização sobreviverá.

      Eliminar
  2. A origem de toda essa calamidade(e de muitas outras na era globalista)está aqui http://dcclothesline.com/2013/06/04/the-web-of-power-council-on-foreign-relations-bilderberg-and-trilateral-commission/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu de bilderbergues não percebo muito. Quer-me parecer que se fossem uma sociedade secreta com más intenções se esconderiam melhor. Mas não é o tipo de gente que me inspire confiança, isso não é.

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.