quarta-feira, 24 de maio de 2017

Alemanha: criticar o Islão dá 56.000.000 dólares de multa


O Walid Shoebat, no seu site, não se cansa de apresentar fortes evidências de que Angela Merkel e um grupo de nazis alemães estão a orquestrar a invasão islâmica da Europa para reatarem a aliança Nazismo-Islão.
Após o Massacre de Manchester, cada vez mais alemães fazem questão de proclamar (como o menino da história d' O Rei Vai Nu), que o Islão é igual ao Nazismo e o Alcorão é igual ao Mein Kampf. 
Mas Merkel está no seu posto. Damos a palavra a Robert Spencer:

Alemanha considera multas de até 56.000.000 dólares por "discurso de ódio".
Poder-se-ia pensar que o caos migratório muçulmano e a criminalidade muçulmana eram suficientes para a Alemanha, No entanto, a aliança esquerdista-jihadista está a apertar o seu domínio sobre o país, um país com dívidas de dezenas de biliões devido a esse caos migratório.
(...) Os esquerdistas e os supremacistas islâmicos estiveram no centro da pressão para a criação de leis contra o "discurso de ódio"; Eles têm atacado implacavelmente a liberdade de expressão, com a ajuda dos agressivos lobbies esquerdistas e socialistas. Criticar o Islão é definido pelos esquerdistas e pelos supremacistas islâmicos como "discurso de ódio" e "islamofobia".


A aliança entre o Nazismo e o Islão tem raízes históricas muito anteriores à Segunda Grande Guerra. Contamos vir a falar disso.

    Os parceiros da coligação dos social-democratas, incluindo a União Democrata Cristã da chanceler Angela Merkel, argumentam que a lei resultará na censura do discurso legítimo.
E, de facto, a Alemanha começou uma repressão à liberdade de expressão há quase dois anos, para não ofender os imigrantes muçulmanos.
Outras nações na Europa vão mesma direcção que a Alemanha, a menos que esses políticos autoritários sejam demitidos em próximas eleições. O que não parece uma perspectiva encorajadora após as eleições em França.

Os muçulmanos afirmam que tornarão a Alemanha islâmica, através da jihad, a 'guerra santa'. E podem! Quem tiver objecções, vai preso, ou, na melhor das hipóteses, é multado (já há muito que demos notícia da detenção de cidadãos alemães e europeus em geral que se opõem ao Islamo-Nazismo):
Alemanha considera multas milionárias por discurso de ódio
por Jacob Bojesson, Daily Caller, 19 de Maio de 2017:

    
O Parlamento alemão está a debater uma proposta para forçar as redes sociais a apagarem o discurso de ódio rapidamente ou sofrerem multas pesadas.

    
Os problemas que muitos críticos apontam são as vagas definições do termo "discurso de ódio" e as restrições que a lei proposta pode ter sobre a liberdade de expressão. O ministro da Justiça Heiko Maas discorda, argumentando que só ajudará a proteger a liberdade de expressão na Alemanha.

    
"O ponto da legislação proposta é que as declarações que violam a lei devem ser apagadas", disse Maas, um social-democrata, sexta-feira, de acordo com o Deutsche Welle. "Estes não são exemplos de liberdade de expressão. São ataques à liberdade de expressão. O pior perigo para a liberdade de expressão é uma situação em que as ameaças ficam impunes".

    
Violações flagrantes precisam ser removidas dentro de 24 horas, enquanto casos mais complexos têm de ser removidos dentro de uma semana, de acordo com a proposta. A falha na remoção de posts pode resultar em multas de até 50 milhões de euros (US $ 56 milhões).

    
"A prática mostra que  muito, mas muito pouco, é excluído", disse Maas. "Estamos numa encruzilhada. Será que a revolução digital pode continuar a pôr o nosso Estado, baseado na lei e na ordem, em questão?".

    
Os parceiros da coligação dos social-democratas, incluindo a União Democrata Cristã da chanceler Angela Merkel, argumentam que a lei resultará na censura do discurso legítimo.

    
"Eu não consigo entender como o Facebook, por exemplo, está qualificado para verificar se o conteúdo é ilegal" ....

 -------------------------------------------


Muçulmanos acham alemães ( e não muçulmanos em geral) "nojentos e celebram o fim da Alemanha (e da Europa):


Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.