sábado, 23 de dezembro de 2017

"O Natal é islamofóbico!" - 10 exemplos



Deixámos recentemente de reportar episódios da jihad global, porque a sensação que tal nos produz é de uma avassaladora frustração. Por muito que vos contemos, a imagem que conseguimos dar das atrocidades maometanas é irritantemente pálida.
No entanto, a título excepcional, escolhemos, completamente ao acaso, 10 instantâneos da jihad global de Natal. Desde raparigas "infiéis" queimadas vivas até aos já tradicionais atropelamentos de "infiéis", há um pouco de tudo.


Egipto: Já começaram os ataques de Natal contra os cristãos.


Ainda agora, chegou-nos a notícia de já começaram os tradicionais ataques contra os cristãos egípcios, que marcam todos os anos esta quadra festiva. Centenas de maometanos atacaram ontem uma igreja cristã no Cairo, após os serviços religiosos de sexta-feira, quando eles vêm fresquinhos de ouvir a incitação ao ódio ao "kuffar". Agora mesmo, na Nigéria, mais um ataque islâmico contra uma igreja cristã. Quatro mortos
A Imprensa global nada diz. Mas se tivessem sido cristãos, hindus, judeus, budistas ou outros, a atacar muçulmanos, abriria os noticiários todos!


Neste exacto momento, mais um de muitos massacres natalícios planeados por maometanos acaba de ser desmontado na Dinamarca. O autor é um refujihadista sírio! Assim se paga o bem...
No final deste post temos a sensacional revelação de que o Islão não faz mal a ninguém e que o Natal é que é islamofóbico e uma época de perseguição aos muçulmanos!
Vamos começar:


1. "Indonésia: islamistas ameaçam perseguir muçulmanos que usem chapéus de Pai Natal depois de emitirem uma 'fatwa' contra empresas que forcem os funcionários a vestir roupas de Natal"
MailOnline
- A Indonésia é um país muçulmano "moderado". Imaginem se não fosse...


2. "Reino Unido: Muçulmanos ameaçam matar pugilista muçulmano porque este montou uma árvore de Natal"
Manchester Evening News

- O pobre do Amir Khan (na imagem) que, como a maior parte dos  praticantes de desportos de combate, é um paz de alma, escreveu no seu twitter que "enquanto a família dormia, o papá montou a árvore de Natal":


Imediatamente começaram as ameaças contra ele e contra a sua família - incluindo a esposa grávida Faryal e a filha de três anos, Lamaisah. "Eu juro perante Alá que te mato a ti e à tua família, Amir" - escreveu um islamista.
Outro inteligente escreveu: "Os muçulmanos não celebram o Natal. Uma coisa é trocar cartões de Boas Festas na escola, respeitando as outras fés e as suas celebrações, mas colocar uma árvore na própria casa ... a pobre criança ficará bem confusa".
Cá na minha pouca inteligência, acho que as ameaças de morte são capazes de ser menos salutares para a criança do que uma árvore de Natal.


3. "Reino Unido, Plano de ataque terrorista desmontado em Sheffield"
 BBC

- Desde quarta-feira que a polícia e a tropa permanecem em Sheffield levando a cabo várias rusgas ligadas ao ataque que estava a ser planeado. Quatro  maometanos foram presos.


4. "Alemanha: escola adia a celebração tradicional de Natal após a queixa de estudante muçulmano"
Voice of Europe

- Quem mais haveria de se queixar?


5. "Bélgica:  Mulher brutalmente atacada por norte-africano num mercado de Natal"
Voice of Europe

O homem atacou-a a pontapé e à cabeçada, quando ela se divertia na companhia do seu filho de 14 anos. 

Trata-se possivelmente da forma de o "refugiado" agradecer o acolhimento à população local.







6. "Suécia: sete ataques à bomba em doze dias. O que se passa?  Perguntamos ao jornalista sueco ´'PeterSweden'"



Peter, sete ataques à bomba em doze dias, o que está a acontecer na Suécia?
Essa é a pergunta que me tenho feito. Isto é provavelmente o pior que eu já vi na Suécia até agora. Anteriormente, havia "apenas" talvez umas 3 bombas por mês na Suécia, mas agora aumentou. De acordo com a Polícia sueca, alguns desses ataques bombistas têm a ver com o trabalho que eles fizeram em "certas" áreas. Como todos sabemos, essas "certas" áreas são as inúmeras zonas proibidas a não-muçulmanos que agora existem na Suécia.
Quem você acha que está por trás desses bombardementos?
A maioria desses atentados parece estar relacionada com gangues criminosos de  migrantes que operam nas zonas proibidas a não-muçulmanos que agora existem na Suécia. Mas há evidências que sugerem que o último ataque contra um bar onde uma pessoa foi ferida pode estar relacionada com o terrorismo. A razão para isso é que o atacante tinha textos religiosos na sua mochila e, de acordo com uma testemunha, ele tinha o que parecia ser um cinturão suicida (que a Polícia disse mais tarde que não era perigoso).
Alguma ideia sobre como as autoridades suecas podem parar esta epidemia?
Na minha opinião, a solução óbvia para acabar com esta epidemia é o governo sueco colocar a tropa nas zonas não abertas e libertá-las desses gangues de criminosos migrantes. Eu duvido que isso aconteça, pelo menos não agora. Mas o partido moderado, que é um dos partidos da oposição na Suécia, realmente sugeriu implantar os militares nos subúrbios, como eles os chamam. Pelo menos, esse é um passo positivo, e um vislumbre de esperança para a Suécia.

Como se sente por o seu país neste estado?
Isto deixa-me incrivelmente triste. Lembro-me da Suécia como era há apenas 10 anos. Tranquila. Pacata. Baixa taxa de criminalidade. As piores coisas com que tínhamos que lidar na época eram jovens que se deslocavam em scooters barulhentas. Hoje, há ataques bombistas constantes Para não mencionar as estatísticas de estupro crescentes e o crime com armas.



7. "Finlândia: migrante muçulmano viola a namorada e depois a queima-a viva"
10news.one

Uma menina de 17 anos de Pori, na Finlândia, foi estuprada e queimada viva pelo seu namorado. O namorado, Ramin Azimi, um migrante vindo do Médio Oriente, recusou o desejo da namorada de se separarem.

De acordo com a declaração do Tribunal, Ramin Azimi "estuprou a menina
repetidamente em Ulvila, levou-a para a cidade de Kokemäki de carro, trancou-a numa casa de madeira, regou-a na gasolina e queimou-a viva".
Para os maometanos, as mulheres valem menos do que objectos, sobretudo as "infiéis".


8. "Estados Unidos: muçulmano preso por planear massacre de jihad de Natal em São Francisco"

SÃO FRANCISCO (KGO) - Polícias detiveram um homem que afirmou que "o Natal era o dia perfeito" para um ataque terrorista em São Francisco e que "não precisava de um plano de fuga porque estava pronto para morrer".
O FBI prendeu Everitt Aaron Jameson, de Modesto. De acordo com uma carta manuscrita obtida pelo FBI, Jameson referia-se a si mesmo como Abdallah adu Everitt ibn Gordon.

De acordo com os documentos do FBI, Jameson escolheu a localização do Pier 39 porque ele "estivera lá antes e sabia que era uma área fortemente lotada". Ele acrescentou que seria fácil "encurralar" as pessoas para uma área onde ele poderia causar muitas vítimas.
 KGO
O convertido escreveu na sua declaração que não existem kuffar (infiéis) inocentes, Allahu Akbar (Alá é maior).

"Mais um convertido ao islamismo que tem a ideia de que a sua nova religião o manda a cometer traição e assassinato em massa. Porque será que tantos convertidos ao Islão continuam a ter essa ideia? E porque é que os funcionários responsáveis pela aplicação da lei estão tão desinteressados deste fenómeno?" - escreve Robert Spencer.



9. "Estados Unidos: mulher esfaqueada 14 vezes por 'migrante' muçulmano. Imprensa local de Minneapolis ignora incidente"


"Este ataque não foi coberto pelos jornais de Minneapolis, e outras coberturas dele não mencionam a identidade do atacante. Só no vídeo descobrimos que o atacante era um 'homem somali'.
Claramente, o inimigo em Minneapolis não quer falar sobre este e outros incidentes, por medo de que algumas pessoas em Minneapolis possam começar a achar que inundar a área com migrantes muçulmanos não é uma boa ideia".
- escreve Pamela Geller.



10. "Austrália: os muçulmanos que atropelaram deliberadamente a multidão reclamaram de injustiças contra os muçulmanos, e afirmaram que o fizeram por Alá"

Um maometano atirou o carro contra a multidão, ferindo gravemente 19 pessoas, o segundo maometano filmou e tinha com ele um saco cheio de facas, mas as autoridades (e os jornalistas) afirmam que não se trata de terrorismo.


Mesmo depois de o condutor, Saeed Noor, ter afirmado que atropelou os inocentes em nome de Alá, as autoridades e os media continuam a dizer que não é terrorismo.
A publicação de esquerda, pró-islamista e anti-semita New York Times faz manchete com a declaração da Polícia de que o ataque não está ligado ao terrorismo:


E assim se oficializa a mentira como sendo verdade.

Fonte: Pam Geller aqui e aqui


 --------------------------------------------------


Desde o 11 de Setembro, 32264 ataques terroristas islâmicos
Lista dos últimos 30 dias AQUI.
Em Novembro, 133 ataques, 2013 mortos, 1123 feridos, 23 ataques suicidas e 20 países atingidos.
Na semana de 9 a 15 de Dezembro, 30 ataques, 146 mortos, 99 feridos, 5 ataques suicidas e 10 países atingidos.
- Dados compilados por The Religion of Peace

Não cabem nestas estatísticas a escravatura, a escravatura sexual, os maus tratos às mulheres, o abuso sexual das crianças, a tortura, a mutilação genital feminina, os raptos, os espancamentos, as patrulhas-sharia, etc., etc..

Comentário maometano:

"Yasmin Alibhai-Brown: o Natal é islamofóbico!"
Breitbart, 22 de Dezembro de 2017:

     "O Natal é um momento em que os cristãos perseguem os muçulmanos no Reino Unido", afirmou Yasmin Alibhai-Brown na sexta-feira no International Business Times.

     Declinando "histórias de pânico muçulmano", Alibhai-Brown escreveu:

     Todos os anos, no início do Natal, os tablóides fazem manchetes (parvas e estúpidos) com histórias sobre muçulmanos que se opõem ao Natal, aos cartões, às bolachas, à música, às árvores, aos chapéus de papel, aos serviços religiosos, às decorações de rua e aos Pais Natais que fazem ho-ho-ho.

     Esses alarmes culturais são agora um ritual anual, uma parte essencial da temporada. Eles tranquilizam as almas perdidas que querem que todos os seus Natais sejam brancos.

     Muitos das notícias são preparadas, algumas provêm de boatos não verificados ...


Comentar estas declarações está além dos sacrifícios que estamos dispostos a fazer. A realidade está à vista de todos.
Já temos postado aqui vídeos de clérigos muçulmanos a dizerem por exemplo que desejar Feliz Natal é pior que assassinato
É obrigação religiosa dos maometanos destruir, matar, conquistar e subjugar (e mentir, como faz a senhora acima):


Os maometanos entrando nas igrejas e obrigam os cristãos a converterem-se, destruindo e queimando igrejas, cruzes e árvores de Natal, etc., etc. Apenas alguns exemplos:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.