domingo, 31 de agosto de 2014

Violadores de Rotherham - de quem é a culpa?

  
O gang muçulmano de violadores de crianças em Rotherham, Reino Unido, passou fugazmente nas notícias, com a omissão do mobile do crime: O ISLÃO!

1.400 crianças não-muçulmanos britânicas foram estupradas e brutalizadas por muçulmanos numa só cidade, no Reino Unido, e "vários funcionários descreveram o seu nervosismo sobre como identificar a origem étnica dos agressores por medo de serem tomados como racistas; outros lembraram que as suas chefias os proibiram de investigar o caso"

Por mero acaso, calhei a ver a notícia na TVI24, noutro dia. Foi dito que as crianças eram espancadas, ameaçadas de morte, regadas com gasolina, que eram sistematicamente violadas por estas bestas, e que a Polícia e as autoridades em geral foram proibidas de investigar, por receio de serem acusados de racismo.

Nem UMA ÚNICA VEZ foi dito o principal sobre os agressores: que eram TODOS MUÇULMANOS. Como acontece no resto da Europa, foram descritos como "asiáticos" e circunstancialmente como "paquistaneses". 

O repugnantemente islamista Al-Público não pôde deixar de dar a notícia, mas nem uma vez cita a origem dos bárbaros. Outra coisa não seria de esperar do órgão oficioso da jihad em Portugal. Cita os pormenores macabros, mas quem ler, fica a pensar que foram britânicos os autores1

Mas o que há de determinante nesta que é apenas uma de muitas redes muçulmanas de escravatura sexual, é a ideologia islâmica, que a aprova. Se tem dúvidas, consulte as nossas secções CRIANÇAS  e MULHERES

Veja, por exemplo:

"Quando eu quero uma escrava sexual, vou ao mercado e compro-a!"

'Exército reconhece pedofilia como parte do Islão'

Obviamente que existe pedofilia fora do Islão. A diferença é que é combatida e condenada abertamente. Quando os perpetradores são muçulmanos, a Imprensa esconde e os cidadãos encolhem-se, com medo de serem decapitados pelos bárbaros.

Em países como a Suécia, a percentagem de violações cometidas por muçulmanos sobre mulheres e crianças é de 100% ou quase. A Esquerda, nomeadamente no Parlamento Europeu, continua a exigir a entrada de mais "imigrantes".  Provavelmente porque só assim conseguirão ganhar eleições. E a jihad demográfica vai avançando. Por este andar, a Europa, já era!

A Nigéria é o país do Mundo que regista maior índice de estupros. A SUÉCIA é o segundo. Os autores, são os mesmos. E o motivo é o mesmo: para os islamistas, nós somos LIXO HUMANO: Só servimos para escravos, nomeadamente sexuais-

A desgraça dos gangues de estupro na Suécia, apadrinhados pela  extrema-esquerdista  Cecilia Malmström:





Cecilia Malmström, eurodeputada sueca no Parlamento Europeu, providencia a entrada constante de muçulmanos na Europa. Os seus compatriotas, mulheres e crianças, são violados aos milhares. os homens são espancados nas ruas. Ela está-se nas tintas.

Interlúdio cómico-trágico: PALHAÇOS de Esquerda vão a bairro muçulmano na Suécia, e... esperavam ser bem recebidos :-)



No Telegraph de hoje, Sean Thomas pergunta:

     Nós não precisamos de recordar os factos. Nós todos lemos e nos horrorizámos. A questão importante é:
Como e porque é que um país civilizado permita que os gangues de estupro violem as suas próprias filhas?

     Porquê? Porque também no seu próprio país, muita gente, especialmente no lado da Esquerda, e a maioria no Partido Trabalhista, despreza o seu próprio povo comum: as classes trabalhadoras brancas.

Os gangues de estupro muçulmanos não são geralmente denunciados, nem acusados, continuam a violar e quando são apanhados têm penas leves, porque os organismos de extrema-esquerda como o Hope Not Hate, Faith Matters e Tell Mama, declararam guerra implacável contra toda e qualquer pessoa que fale sobre este assunto.
Os que falam sobre a onda de estupro islâmico são demonizados com termos como "islamofobia", "ódio" e "intolerância". Quem disser que existem gangues de estupro muçulmanos, passa a ser persegudio por estas organizações de extrema-esquerda.
Elas lideraram a campanha para banir Pamela Geller e Robert Spencer de  entrar no país, porque um dos eventos agendados era a manifestação contra as gangues de estupro.

Procure por "aliciamento"/ grooming (os gangues de de violadores islâmicos são geralmente chamados "gangues de aliciamento" na Imprensa britânica) e vai ver que a grande maioria dos artigos sobre esta prática atacam não os perpetradores, mas os que a denunciam!

O camarada Nick Lowles da Hope not Hate, está-se nas tintas para as crianças britânicas que são violadas pelos gangues islamistas. Acima de tudo, ele quer agradar ao Islão! Tal como cá o Chico Louçã & C.ia se estão nas tintas para as crianças israelitas assassinadas pelo Hamas.


Quem é responsável pelos gangues de violadores em massa dos meninos e das meninas britânicas, baseados na religião? A esquerda britânica - em especial, os "anti-ódio", cruzados Nick Lowles da Hope not Hate, Fiyaz Mughal da Faith Matters e Tell Mama, e os seus amigos, apoiantes e aliados.

As vidas de 1.400 meninas ficaram arruinadas para sempre por causa destes homens. Se a Grã-Bretanha de hoje estivesse pelo menos perto de ser uma sociedade sã, estas pessoas seriam alvo de crítica severa e haveria uma reavaliação completa de quanto a aliança da esquerda com o supremacismo islâmico e a campanha de difamação contra os inimigos do terrorismo jihadista tem prejudicado a nação e seu povo.
A Grã-Bretanha de hoje não é uma sociedade sã, e indivíduos  sinistros como Lowles, Mughal, e o resto deles, continuam a exercer poder e influência na sociedade britânica.

3 comentários:

  1. Concordo em absoluto. E depois a policia britânica, de uma forma hipócrita, vem cá investigar sobre a Maddie McCann com a complacência das autoridades portuguesas, enquanto no Reino Unido tem situações bem mais graves e em maior escala e que não conseguem ou não querem resolver. Francisco

    ResponderEliminar
  2. Adorei esse vídeo dos esquerdistas palhaços na Suécia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguns se calhar ainda ficaram todos contentes de levar na corneta :-)

      Jota Jota

      Eliminar

Seja bem-vindo a esta caixa de comentários quem vier por bem.